Análise Arkade: DiRT 4 e o agradável retorno às suas raízes

12 de julho de 2017
Autor: Junior Candido

Análise Arkade: DiRT 4 e o agradável retorno às suas raízes

Colin McRae Rally, que depois virou DiRT, foi uma das séries de corrida as quais mais respeitei. Desde os tempos do primeiro Playstation, com seu gameplay bastante fiel aos rallys, passando pela festa de adrenalina de DiRT 3, e com a tentativa de relavar realismo extremo em DiRT Rally, a série tem mantido uma cadeia de jogadores bastante fiel, fazendo com que o quarto jogo da série fosse bastante aguardado.

O interessante aqui é que a Codemasters não quis se aproveitar dos muitos eventos de seu antecessor, preferindo voltar às suas raízes, no final dos anos 90, para levar corridas em terrenos bastante problemáticos, mas com foco na diversão. É claro que alguns elementos que estavam presentes nos outros jogos estão por aqui, mas não tem como não perceber um ar nostálgico ao jogar DiRT 4.

Bonito, mas faltando capricho, sabe?

Análise Arkade: DiRT 4 e o agradável retorno às suas raízes

De cara, já é possível conferir a qualidade visual que DiRT 4 tem, pelo menos no que diz respeito aos carros, todos muito detalhados e completos, mesmo sendo eles mais simples do que os modelos de rua, apresentados em Gran Turismo ou Project CARS, por causa de suas adaptações para as corridas off-road.

A chuva e outros efeitos climáticos também estão com tudo. Na neblina, mesmo que você esteja pilotando o carro com a câmera por trás dele, fica muito difícil ver o que tem pela frente, enquanto a chuva molha a câmera, com as gotas também fazendo seu papel de dificultar o trajeto, que também pode ter nesta lista o sol, que, quando intenso, traz um brilho enorme para as pistas, especialmente as que ocorrem em áreas abertas.

Pena que o mesmo não pode ser dito de todo o jogo. DiRT 4 não é feio, e isso é um fato, porém o jogo mostra em vários locais uma falta de capricho que, seja por falta de atenção, ou desleixo, deixam vários aspectos do jogo a desejar. A começar pelos cenários, que são todos muito parecidos. Os locais de corrida são traçados variados em poucos lugares, então é a mesma vegetação, as mesmas árvores e a mesma terra batida que você verá, em cenários que lembram (não pela qualidade, mas pela repetição) jogos da geração 32-bit.

Gameplay das antigas, oba!

Em DiRT 4, temos uma espécie de viagem no tempo, para quem joga a série desde o seu primeiro game, de 1998. Os eventos são baseados na fórmula dos DiRT anteriores, com eventos variados podendo ser jogados em qualquer ordem, com a pontuação obtida servindo para desbloquear novos locais de corrida. Mas não espere o festival radical de DiRT 3, aqui temos apenas corridas de rally (modernos e clássicos), Landrush, sucesso no jogo passado e o Ralicross, interessante modalidade que exige algumas tarefas além da simples vitória. Pistas para dar zerinhos, patrocínio da Monster por todos os lados e a essência de adrenalina não fazem parte deste game.

Que, por sua vez, oferece as corridas de rally de forma idêntica a 1998. Até a linha do tempo continua a mesma, com as tradicionais setinhas indicando a direção e intensidade da curva, com o apoio do navegador. Claro que o mundo dos games evoluiu e, para curtir o game, você pode testar antes e escolher o seu perfil de jogatina: simulador, que oferecerá o máximo em realismo possível, e o gamer, que te deixa guiar com mais facilidades, porém sem aquelas ajudas de antes, como linhas na pista ou apoio de direção. Ah, e esqueça os Flashbacks, pois aqui eles não tem vez. Em seu lugar foi inserido um “retorne para a pista”, quando seu carro capota, que te tira alguns segundos do tempo final.

E é aqui que DiRT 4 brilha, mais uma vez. Seu gameplay é extremamente divertido e viciante. Mesmo para quem não quer um simulador perfeito, pilotar os carros de rally é uma tarefa que, mesmo difícil, afinal você precisa domar um carro em terrenos acidentados com curvas de todas as espécies, se torna bastante agradável, pois vai exigir do jogador um pouco mais de atenção de que outros jogos de corrida. Não é fácil pegar o jeito, para os mais novos com jogos de corrida, porém não conta com uma curva de aprendizado injusta, como acontecia com DiRT Rally, e nem é chato de se aprender. Lembrando também que, de uma maneira levemente inspirada em Gran Tursimo, você tem à sua disposição o DiRT Academy, um parque de diversões para você treinar a vontade.

Ganhe “dinheiro” e faça seu legado!

Análise Arkade: DiRT 4 e o agradável retorno às suas raízes

Para ficar mais completo que seus antecessores, DiRT 4 usa a campanha para oferecer créditos in-game para seu jogador, com um interessante sistema de recompensas que te aumenta o valor recebido conforme tarefas são realizadas, mas que te cobra também pelos consertos ocasionados por suas batidas. Estes créditos são utilizados para comprar vários carros que podem ficar disponíveis para a sua equipe online.

No jogo, é possível ter a sua própria equipe e, online, construir um legado dentro do jogo. Seguindo o interessante sistema de construção de personagens da Codemasters, que aqui permite até a escolha de piloto ou navegador mulher, é possível batizar a sua equipe, customizar os adesivos dos carros e usar patrocinadores que, assim como em DiRT 3, te dão recompensas extra por cada êxito alcançado. Ao invés de apenas “colocar carros para correr uns contra os outros” nas pistas online, o jogo te dá a chance de ir construindo um legado, que, com talento e dedicação, pode te colocar no topo da série.

Nas corridas online que jogamos, percebemos uma jogatina bem robusta e interessante. Como o Rally é mais focado no tempo do que na disputa direta, fica mais simples de se obter bom gameplay, já que o que interessa, no final das contas, é o tempo que cada um fez, com os oponentes apenas aparecendo como setas na linha de progressão.

Acessível ou desafiante? Fica com você a decisão!

Análise Arkade: DiRT 4 e o agradável retorno às suas raízes

Em vários games de corrida, sempre há esta dúvida cruel, de como oferecer o melhor gameplay. DiRT retirou alguns elementos que facilitavam demais as corridas nos jogos anteriores, porém não fez dele algo impossível de ser aproveitado por jogadores casuais. Sendo bastante direto para quem quer apenas dar o play em uma pista e correr para desestressar, e completo para quem gosta de passar horas ajustando o carro, organizando uma equipe e tentando extrair o máximo de cada pista, temos aqui um jogo que consegue cumprir o desafio primário de qualquer videogame: ser divertido.

Aprendendo com seus erros, valorizando o seu passado e apresentando uma proposta equilibrada desta vez, a Codemasters nos presenteia com um jogo dinâmico, interessante e que consegue agradar a várias classes de jogadores. Obrigatório para quem ama rallys, recomendado para quem gosta de corrida e uma boa opção para quem quer um jogo de corrida diferente dos que temos à disposição hoje.

DiRT 4 está disponível para Playstation 4, Xbox One e PC.

Junior Candido é editor do Arkade e você pode seguí-lo no Twitter.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *