Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

25 de outubro de 2013
Autor: Arkade

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

No começo da geração atual, a Rockstar abalou as estruturas da indústria com Grand Theft Auto IV, título que redefiniu os conceitos de jogos de mundo aberto com uma Liberty City gigante, variadas missões e uma história digna de cinema. Agora, cinco anos após acompanharmos Niko Bellic, é hora de voltarmos para Los Santos em Grand Theft Auto V, game que demorou, mas ganhou sua resenha completa aqui no Arkade!

Introdução

Logo de cara, a primeira impressão que GTA V passa é que se trata de um jogo grandioso. Não falamos apenas da instalação obrigatória de 8GB que todos têm que fazer. A questão aqui é que com menos de um minuto de jogo, você já está no meio de um assalto e tem que enfrentar a polícia, em um início explosivo. Parece até que isso foi feito para compensar o tempo que você gasta com a instalação do jogo, indo direto ao ponto.

Aliás, essa pegada mais direta se estende pelo jogo inteiro. Logo de cara você já tem muita coisa liberada para fazer, entre missões, customização de personagens e atividades variadas (tênis, golfe, etc). O início lento e os tutoriais típicos dos games de mundo aberto quase não existem aqui, GTA V já começa por cima, e em poucos momentos deixa o ritmo cair.

E isso é só o começo, pois assim que você liberar todos os protagonistas (algo que demora umas poucas horas), verá que cada um tem suas próprias missões e afazeres. Basta uma olhada no seu mapa (que vai se completando conforme você acessa mais áreas) e você descobrirá que tem muita coisa para fazer e descobrir. A Rockstar não poupou esforços no design de Los Santos, cuja área equivale aos mapas dos jogos Red Dead Redemption, GTA: San Andreas e GTA: Vice City.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Para aqueles que acabam ficando “perdidos” em jogos do gênero, fazendo sidequests e atividades secundárias, aí vai uma boa notícia: uma das principais mudanças entre o game de 2008 e este é o fato que a Rockstar parece ter se preocupado muito mais em tornar o jogo mais direto, sem muita enrolação. Ou seja, agora depende muito do jogador se ele quer passar rápido pela campanha ou se prefere conhecer tudo que a cidade lhe oferece.

Sobre as sidequests: GTA V possui as mais diversas missões secundárias para o jogador cumprir. Elas vão desde ajudar um desconhecido com algum roubo, caçar animais nas florestas de San Andreas, ajudar pessoas a voltarem para casa – ou entregá-las para uma comunidade canibal do deserto (?!) -, e até mesmo liberar toda a fúria de Trevor e exterminar inimigos ao estilo da conquista de territórios do clássico GTA San Andreas.

E já que falamos no Trevor, vamos começar falando daquela que é não só a maior novidade do game, mas uma quebra de paradigma do mundo dos games em si.

Três em um

Uma das principais mudanças que a Rockstar promoveu em GTA V é, sem dúvidas, a presença de três protagonistas ao invés de um só. São eles: Franklin Clinton um jovem de origem humilde, que está disposto a realizar (quase) todo tipo de trabalho para subir na vida; Michael de Santa, um criminoso aposentado que possui uma família decadente e está passando por uma crise de meia idade; e Trevor Phillips, ex-parceiro de Michael que é um traficante de temperamento explosivo, sádico, degenerado… um legítimo psicopata inconsequente que nunca deixou a vida de fora-da-lei.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Mesmo com 3 protagonistas distintos, a Rockstar conseguiu algo que muitas empresas não conseguem fazer com apenas 1 personagem: GTA V dá um show no trabalho de construção desses “anti-heróis”. Cada um tem uma história própria, personalidade única e habilidades distintas entre si, o que a Rockstar soube usar muito bem no desenvolvimento do jogo. Círculos de amizade, famílias, e até mesmo customizações exclusivas (cortes de cabelo, tatuagens) concedem ainda mais identidade a cada personagem.

Como cada um tem uma especialidade, você terá missões próprias para encarar com cada um deles, entre missões principais e secundárias: Franklin pode disputar rachas e quase sempre é o motorista do grupo. Trevor, por ser um ex-piloto da Força Aérea, conta com missões envolvendo aeronaves variadas. Michael divide seu tempo entre visitas ao terapeuta (?!), problemas familiares e planejamento de grandes golpes.

Falando nisso, o grande destaque do jogo está nas missões onde você tem que usar mais de um personagem, os chamados “heists” (assaltos). Ao contrário das outras missões, que geralmente são mais diretas, os assaltos demandam uma preparação maior, são realizados em diferentes etapas e podem ser realizados de diferentes maneiras (geralmente uma na surdina e outro mais violenta).

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Você deve sempre escolher uma equipe para os assaltos e a qualidade dos seus comparsas influi no prêmio que você receberá após a conclusão da missão. Sua networking de contatos vai aumentando durante o jogo, havendo pessoas mais ou menos hábeis para cumprir papéis importantes – como desativar alarmes, por exemplo. Obviamente, os melhores profissionais abocanham uma parte maior dos lucros de cada golpe. Escolha com cuidado, pois muitas vezes o barato sai caro.

Para encerrar a importância dos protagonistas, devemos lembrar que, durante o game, o jogador pode alternar entre Franklin, Michael e Trevor a vontade (desde que não esteja no meio de uma missão). Essa troca rende cenas interessantes e bem engraçadas, especialmente ao trocarmos para o maluco Trevor, que encontramos seminu vomitando em um chafariz, de vestido (foto abaixo), ou caído de bêbado sobre uma ferrovia, com um enorme trem de carga vindo a toda em sua direção! A imprevisibilidade nestas trocas rende momentos insanos!

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

A agilidade com que essas trocas rolam é incrível: a câmera dá aquela viajada ao estilo Google Maps, e poucos segundos depois você já está controlado outro personagem. Durante algumas missões importantes, rolam trocas scriptadas, que rendem momentos igualmente marcantes, pois deixam as trocas ainda mais fluidas.

Sem limites

Uma coisa fica clara com GTA V: a Rockstar retirou todo e qualquer limite ou censura de sua equipe de desenvolvedores. Não bastasse a violência já costumeira da série, o jogo consegue ser ainda mais politicamente incorreto ao incluir sexo, nudez, consumo e tráfico de drogas, palavrões (o jogo brasileiro estampa um “se f*deu” em letras garrafais quando você morre fora de uma missão) e muito mais.

Antes que certos meios de comunicação brasileiros falem bobagem, porém, devemos lembrar que a caixa deixa claro que este é um jogo para maiores de 18 anos. E mesmo sendo você um maior de idade, este é o tipo de jogo que pode causar certo constrangimento se você jogar com sua família ou namorada por perto.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Outro aspecto interessante é que a crítica social ao famoso estilo de vida americano é ainda mais intensa do que no GTA anterior. O preconceito rola o tempo todo, e comentários ácidos rolam até na mais banal das conversas. GTA V ainda acha espaço para criticar a indústria dos games, o fanatismo religioso, os programas de TV, e muito mais.

O céu é o limite

Uma grande crítica que GTA IV recebeu foi em relação à falta de atividades que o jogador poderia realizar fora das missões. Isso tornava o game meio monótono quando estávamos livres para a fazer o que bem entendêssemos. Porém, compensando a falta de atividades de GTA IV, a Rockstar lotou GTA V com inúmeras coisas que podem ser feitas.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Como de praxe, você pode caminhar pelas ruas, roubar alguns carros, espalhar o caos e destruição pela cidade, e comprar roupas novas para seus personagens. Mas não é só isso: em GTA V você pode jogar tênis, golfe, praticar ioga, paraquedismo, tunar carros, participar de eventos esportivos como corridas a pé pela praia, corridas de automóveis e até mesmo de bicicletas, que voltaram ao game depois de terem sido inseridas no cultuado GTA San Andreas.

E algo que deixou os fãs da série muito animados foi a volta dos aviões. Dirija um carro, pilote uma moto, desça ladeiras de bicicleta, salte colinas com quadriciclos, e voe a vontade controlando helicópteros e aviões, que podem ser encontrados (leia-se roubados) pelo cenário ou comprados pelo jogador. Os comandos das aeronaves são um pouco confusos, mas com o tempo você acaba pegando o jeito.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

A adição de aeronaves e veículos off-road abre a possibilidade para novos tipos de missões secundárias, principalmente de tráfico de armas e drogas para guerrilhas e traficantes estrangeiros. Como já dito, GTA V é um game praticamente sem limites, tanto em termos de polêmicas quanto de possibilidades de gameplay.

Outro ponto interessante são os eventos aleatórios que acontecem pela cidade, o que destaca ainda mais o fato de que Los Santos é mesmo uma cidade viva, com coisas acontecendo o tempo todo. Você pode estar andando ou dirigindo quando surgem pessoas bêbadas pedindo carona, ou assaltos acontecem, e você pode intervir ou simplesmente seguir seu caminho. Porém, lembre-se que você não é o único bandido da cidade, e mitas vezes uma donzela em perigo pode ser a isca para uma cilada.

GTA V não é tão cheio de eventos aleatórios quanto Red Dead Redemption, mas isso é até bom, pois mantém mesmo o jogador mais dispersivo focado na história. E mesmo quando não são estes eventos planejados, sempre está acontecendo algo interessante pelas ruas, seja uma perseguição policial em alta velocidade, um acidente de trânsito, ou uma simples conversa bizarra entre NPCs. Você pode encontrar até mesmo um sósia de Jesus “pregando” no porto de Los Santos!

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Smartphones

Como em GTA IV, o jogador poderá utilizar celulares dentro do game para marcar partidas multiplayer com os amigos entre várias outras coisas. É possível ler mensagens de texto, e-mails, usar uma função de salvamento rápido (sem precisar ir até uma propriedade do jogador para dormir), acessar a internet, visitar as redes sociais dos personagens (que são atualizadas de verdade durante a campanha), comprar e vender ações na bolsa de valores – algo fundamental para você aumentar sua fortuna mais rapidamente – e muito mais.

Podemos até mesmo definir o toque dos smartphones, e cada personagem usa um aparelho que “copia” a interface dos sistemas operacionais mais conhecidos (iOS, Android e Windows Phone), outro detalhe que enriquece o game.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Mas dentre todas estas opções, com certeza a mais divertida é a aplicação Snapmatic, um aplicativo de fotos ao estilo Instagram. Com ele é possível tirar fotos de qualquer coisa, inclusive “selfiesaka fotos de si mesmo, e mandá-las para sua conta no Social Club da Rockstar, onde você poderá visualizá-las e compartilhá-las em suas redes sociais do mundo real.

Como estamos falando de um jogo enorme que conta com 3 protagonistas, esta análise foi escrita por 3 pessoas: Rodrigo Pscheidt, Fábio Torres e Renan do Prado. Muitas das imagens que você confere no decorrer do texto foram tiradas por nós mesmos, enquanto passeávamos pela vasta Los Santos e encontrávamos fatos pitorescos e bizarrices, como esse zumbi da foto abaixo, clickado pelo Renan! =)

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Vale lembrar que o game tem integração com smarthpones reais. Baixando o aplicativo iFruit que atualmente está disponível para dispositivos iOS (a versão Android ainda não foi lançada), o jogador poderá gerenciar seu personagem no modo multiplayer, customizar seus carros, e até mesmo cuidar e treinar Chop, o Rottweiler do Franklin.

Usando o iFruit, você pode alimentar Chop, ensinar novos truques e brincar com o cão, o que irá aumentar a “barra de felicidade” do cachorro durante o game, tornando-o mais dócil e obediente. Não é nada tão legal – pense nisso como uma espécie de Tamagotchi do GTA – mas até que dá para passar o tempo.

Visual e som

Não é novidade para ninguém que GTA V foi o game mais caro já produzido, com um orçamento que ultrapassou os 260 milhões de dólares. Felizmente, este dinheiro foi muito bem empregado, pois GTA V é um jogo extremamente polido e bem finalizado. Olha essa água fotografada pelo Rodrigo, que incrível:

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

As animações dos personagens são muito fluidas, e suas expressões faciais são incríveis, especialmente durante as cutscenes, que são todas feitas com gráficos do jogo, nada de CGs e pré-renderizações. Por conta disso, os personagens sempre estarão com as roupas/cortes de cabelo que você escolheu, mesmo nas cenas que desenvolvem a trama, o que é muito legal.

O cuidado da Rockstar com os detalhes é tanto que beira o absurdo: suas roupas vão ficar suadas se você correr muito, e é possível ver os chinelos “batendo” nos pés do personagem conforme ele caminha. O sistema de danos nos veículos está incrível, e a dirigibilidade é drasticamente afetada caso você perca ou fure um pneu. A iluminação e a água de GTA V são incrivelmente fotorrealistas, e o mesmo vale para o céu: ver o pôr do sol nas praias de Los Santos é indescritível, e você frequentemente vai parar simplesmente para admirar as belas paisagens do game.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Considerando que estamos falando de um jogo de mundo aberto com um mapa gigantesco, é quase inacreditável o grau de qualidade que a Rockstar alcançou. Sempre existem os bugs, mas no geral, GTA V é um jogo impecável em seu visual.

No vídeo abaixo, você pode conferir um pouquinho mais da riqueza de detalhes do jogo:

O departamento sonoro é primoroso nos sons ambientes, e as dublagens também dão um show: cada personagem possui seus próprios trejeitos, e até mesmo os personagens secundários mandam muito bem, com sotaques e “línguas presas” (o jeito como o personagem Wade fala é impagável). As legendas em PT-BR são outro ponto forte: palavrões, abreviações, erros de digitação em mensagens SMS e gírias modernas como “lek”, “véi”, “mano” e “vida loka” fazem desta uma das melhores traduções que já pintaram por aqui.

Como de praxe, você pode ouvir diversas rádios enquanto dirige: a qualidade de algumas delas (especialmente daquelas onde só rolam comentários, não músicas) caiu um pouco, mas a quantidade de conteúdo é absurdo. De Rihanna à Eltohn John, passando por Britney Spears, Queen, Johnny Cash, Snoop Dog e Steve Wonder, a variedade de músicas licenciadas impressiona.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

O mais legal é que, mesmo nas rádios de música, você ouvirá notícias esporádicas relacionadas aos seus feitos, com jornalistas empolgados narrando os roubos e assassinatos importantes que você cometeu. Nas TVs de GTA V também há muita coisa boa para se ver, de desenhos animados para adultos até o excelente programa de talentos Fame or Shame.

GTA Online

Depois de vários dias de instabilidade, bugs e personagens perdidos, parece que aos poucos o modo online de GTA está entrando nos eixos. Ainda há muito o que arrumar, mas agora pelo menos já é possível se aventurar pelas ruas virtuais de Los Santos com os amigos.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

O modo online começa com o pé esquerdo com um dos sistemas de criação de personagens mais estranhos que já vimos: você deve escolher (de maneira bem superficial) a aparência e a etnia dos seus avós paternos e maternos. Isso irá definir os principais traços do seu personagem.

Feito isso, entra uma tela de atividades, onde você deve mensurar, por exemplo, quantas horas por dia seu personagem gasta trabalhando, farreando, dormindo e cometendo crimes. Isso gera um padrão inicial de roupas altamente aleatório, para que você não precise começar só com sua roupa de baixo.

E é assim, de maneira totalmente indireta e estranha, que você cria seu personagem. Até existem algumas poucas opções iniciais de cabelos, barbas e coisas do tipo, mas a maior parte do visual do personagem é definido pelos padrões descritos acima.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Sabemos que este não é um RPG, mas sem dúvida faltou algum polimento no método de criação de personagens. Todo jogador que se preza vai tentar criar uma réplica digital de si mesmo no game (ou o personagem mais bizarro que sua criatividade conceber), mas a falta de opções de customização torna esta tarefa bem difícil.

Posteriormente, você até pode mudar o visual do seu personagem com novas roupas, cortes de cabelo, barbas, chapéus e acessórios, mas isso vai sendo destravado conforme você sobe de nível. De início, as chances do seu personagem parecer genérico e sem graça são bem grandes. Na pior das hipóteses, descole um chapéu ou uma máscara o quanto antes para disfarçar a falta de personalidade de sua criação.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Feito isso, você é apresentado ao mundo de GTA Online em algumas missões que servem de tutorial. Nestas missões, Jamal irá lhe inteirar sobre alguns dos conceitos mais básicos da jogatina online, alguns dos quais também estão presentes no jogo offline.

Passado o tutorial é que as coisas começam a ficar interessantes: você pode chamar seus amigos da Live/PSN para uma “sala” fechada (com, no máximo, 16 jogadores simultâneos), ou simplesmente entrar em uma sala com pessoas aleatórias.

A segunda opção não é uma boa ideia, pois Los Santos é praticamente uma cidade sem lei, e se você jogar com pessoas que nem conhece, as chances de ser atropelado, fuzilado, queimado ou explodido com frequência são grandes. Quer dizer, até jogando com os amigos isso acontece bastante, mas há uma grande diferença entre um gringo sacana e um amigo troll.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Outra opção bacana é entrar para um crew, uma gangue de jogadores. Deste modo, você sempre vai ter alguém para te fazer companhia no modo online, e quando membros de diferentes crews acabam caindo na mesma sala, o negócio vira uma verdadeira briga de gangues!

Há muito o que se fazer em GTA Online: pensando em manter o andamento do jogo dinâmico, a Rockstar colocou personagens secundários – como Jamal e Simeon – para passar missões ao jogador. Estas missões podem ser cumpridas tanto sozinho quanto em pequenos grupos, e elas irão te manter ocupado entre um rolê pela cidade e outro.

Quase tudo o que pode ser feito na campanha principal pode ser feito aqui, ou seja, você pode jogar tênis, golf, praticar motocross, mergulho, paraquedismo, caça, ir ao cinema, ao clube de striptease… e o mais legal é que tudo isso pode ser feito também com seus amigos!

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Além de tudo isso, dezenas de outros tipos de eventos estão espalhados pelo vasto mapa de Los Santos. Existem arenas para partidas Deathmatch, circuitos para corridas variadas, e até mesmo as arrojadas missões de assalto estão presentes, com uma dose extra de imprevisibilidade, afinal, você precisa confiar nos seus companheiros de equipe e torcer para que ninguém pise na bola e arruine o planejamento.

A subida de níveis é feita por meio de pontos de reputação, que você ganha de várias maneiras, tais como despistando a polícia, não cometendo crimes, cometendo crimes (?!) ou (o jeito mais rápido) cumprindo missões. Quanto mais alto seu ranking, mais itens ficam disponíveis nas várias lojas da cidade (incluindo aí roupas, armas, partes de carros, tatuagens, cortes de cabelo, etc), o que torna tudo um ciclo viciante de subir de nível – ganhar dinheiro – gastar dinheiro, e assim sucessivamente.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

O dinheiro que você ganha – seja matando outros players, seja cumprindo missões – pode ser gasto das mais variadas maneiras: é possível comprar roupas e propriedades, comprar e tunar carros (você pode até botar um seguro e um rastreador no seu carro), montar um arsenal com as melhores armas, comprar aviões e helicópteros (que carecem de hangares e helipads para serem guardados) e muito mais.

Mesmo com todos os problemas iniciais, GTA Online já mostrou que tem tudo para ser aditivo, divertido e extremamente viciante. Com adições esporádicas de conteúdo – e a vindoura possibilidade dos próprios jogadores criarem e compartilhares suas próprias missões -, este pode ser um daqueles “jogos eternos”, que sempre vai ter alguém jogando, independente do dia ou horário.

Conclusão

Sempre que a Rockstar anuncia um novo game, as expectativas dos fãs vão às alturas. Em se tratando de GTA, então, o hype é absurdo. Felizmente, esta é uma empresa que geralmente supre as expectativas, e GTA V não é exceção: com personagens muito bem construídos, um mundo absurdamente grande para ser explorado e um capricho ímpar nos aspectos técnicos, GTA V chegou para aproveitar ao máximo o potencial da atual geração, e seus easter eggs e segredos irão manter os jogadores entretidos por muito tempo.

Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)

Trazendo de volta elementos muito queridos dos fãs (tunning, customização de personagens), misturados à uma trama adulta repleta de temas polêmicos, um modo Online que tem tudo para se tornar infinito e acrescentando toneladas de novidades à uma Los Santos incrivelmente imersiva, a Rockstar entregou um clássico instantâneo, que merece ser jogado e admirado por todo gamer que se preza.

GTA V quebra paradigmas, ousa, surpreende, diverte, choca, tudo ao mesmo tempo. Este é sem dúvida o jogo de mundo aberto definitivo… pelo menos até a Rockstar anunciar o próximo game da série!

19 Respostas para “Análise Arkade: a grandiosidade caótica e imersiva de Grand Theft Auto V (PS3, X360)”

  • 25 de outubro de 2013 às 16:41 -

    Kubrick Stare Nun

  • PC gamer :'(

  • 25 de outubro de 2013 às 16:50 -

    Renan do Prado

  • E pra quem acha que o Trevor não deve ser tão doido assim, aí vai outra foto que eu tirei usando o Snapmatic:
    http://alvanista.com/uploads/timeline_image/2013/10/12/medium_197778_305881988.jpg

    Nada como uma bela paisagem quente :D

  • 25 de outubro de 2013 às 17:01 -

    John

  • Excelente análise! Me deixou muito ansioso. Não tenho console e ainda estou na esperança de poder jogar no PC… Kkkk.

  • 25 de outubro de 2013 às 18:01 -

    Danielwarfare

  • Não vai ter nenhum jogo esse ano que seja melhor do que esse :D

    • 25 de outubro de 2013 às 18:03 -

      Danielwarfare

    • Nem ~~The Last of Us~~

  • 25 de outubro de 2013 às 18:26 -

    Danielwarfare

  • Finalmente eu terminar meus tops 3
    1. GTA V
    2. GTA Vice City
    3. GTA IV

    Melhor Protagonista:

    1. Niko
    2. Trevor
    3.Tommy

    Melhor Trilha Sonora:

    1. GTA Vice City
    2. GTA San Andreas
    3. GTA III

    • 25 de outubro de 2013 às 18:28 -

      Danielwarfare

    • Merda de teclado .-.

    • 26 de outubro de 2013 às 12:26 -

      Kubrick Stare Nun

    • Eu já achei o GTA 4 muito fraquinho viu. O San Andreas e o 3 são melhores.

      • 26 de outubro de 2013 às 14:50 -

        Arthur

      • concordo.

      • 27 de outubro de 2013 às 17:05 -

        Danielwarfare

      • Gosto é gosto, eu, particularmente, não sou muito fan do 3 e do San Andreas. Amo de paixão mesmo o Vice City, IV e V :)

  • 25 de outubro de 2013 às 20:01 -

    Babiro

  • o jogo é realmente fantástico, é o melhor game de PS3 que eu tenho e que vou ter por um bom tempo e um dos melhores games na minha vida. Da franquia só perde pro San Andreas por que esse tem muita nostalgia, acho que nenhum GTA será melhor que o San Andreas pra mim. Mas o GTA V é um jogão, muito variado você pode fazer de tudo no game, e por isso que na minha opinião é o game do ano com certeza, eu me tornarei um menino revolts se não ganhar!!

  • 28 de outubro de 2013 às 10:04 -

    Ghighix

  • Tô querendo esse game. Acho que o NAtal chegará mais cedo… hehehe

  • 28 de outubro de 2013 às 10:32 -

    Julianoj

  • O jogo é bom, gráficos espetaculares, jogabilidade boa, divertido e tudo o mais.

    Mas sei lá, por toda a mídia que o jogo tem, eu não achei o jogo TÃÃÃÃOOO bom assim não. Achei a história fraquinha e curta. Não fiquei dias virando a noite jogando, muito pelo contrário, enrolei muito porque fechei o bioshock infinite em paralelo.

    Minha humilde e sincera opinião é que eu prefiro o GTA 4.

  • 19 de setembro de 2014 às 18:30 -

    Otavio

  • Jogar 

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *