Arkade Comics – A Origem de Tintim

17 de setembro de 2017
Autor: Isabela Tondato

Arkade Comics – A Origem de Tintim

Alguns o conhecem apenas por seu desenho animado que foi transmitido com muito sucesso na TV Cultura durante os anos 90. Outros o conhecem por causa de seu filme, lançado em 2011, com Spielberg na direção e uma boa aceitação. E outros ainda o conhecem mais profundamente, por causa de suas HQs. Independente de tudo isso, não há como discordar da importância de Tintim (para os franceses, Tintin, com n) para o mundo dos quadrinhos.

Por isso, hoje, iremos conhecer um pouco mais sobre a origem deste herói, que junto a seu cãozinho Milu e seus amigos, como o Capitão Bradock e os Irmãos Dupont, sempre se envolvem em muitas aventuras pelo mundo, desvendando crimes e passando por muitos apuros. Pronto para conhecer o começo de toda essa aventura?

Em 1928, o clérigo Norbert Wallez, diretor do jornal onde trabalhava Georges Prosper Remi (conhecido mundialmente como Hergé), encarregou ao jovem artista a criação de uma história infanto-juvenil, cujo enredo se desenrolasse em torno de um adolescente, seu cachorro e suas aventuras pelo mundo. Com isso, o padre pensava que poderia difundir e renovar, entre o público jovem, a importância do espírito missionário.

A proposta foi aceita, e, assim, Hergé, com traços francos, elaborou um menino (muito velho para ser uma criança, mas muito novo para ser um adulto) que nunca envelheceria, com calças de golfe xadrez — como as que gostava de usar — e um topete original, batizado como Tintm e, para somar, acresceu um cachorrinho cheio de personalidade.

Em 1991, estreou a mais famosa série de animação baseada na obra de Hergé — aquela que, quando criança, assistíamos na TV Cultura. O desenho, feito pela canadense Nelvana, com o título homônimo aos álbuns, formada por 39 episódios e dividida em três temporadas. Apesar de ser a adaptação mais conhecida dos quadrinhos, Tintim também teve uma série belga, produzida pela Belvision e exibida nos anos 60, além de alguns longas, que inclusive estão disponíveis na Netflix.

Lembra desta abertura?

Assim como Stan Lee, Hergé também aparece em diversos momentos, como figurante de sua criação. Trata-se de um personagem narigudo, loiro, que surge, por exemplo, nos minutos finais da segunda parte do episódio “O Caranguejo das Tenazes de Ouroem”, onde, nesta cena, está caracterizado como repórter, e pergunta “Como é ser um herói, sr. Tintim?”. Outro detalhe, nesse mesmo episódio, é a caixa de correio do vizinho de Tintim, que também carrega o nome de seu criador.

Há sete possíveis inspirações para o personagem. Hergé admitiu que, sem perceber, desenhou seu irmão mais novo, Paul Remi, que tinha o rosto redondo e o topete característico. “Eu o observava muito, ele me divertia e me fascinava (…). Faz sentido que Tintim tenha assumido suas características, gestos, postura. Ele tinha uma forma de se movimentar e uma presença física que deve ter me inspirado, sem que eu soubesse. Seus gestos ficaram na minha mente. Eu o copiei desajeitadamente, sem querer ou mesmo sem saber que estava fazendo isso. Era ele que eu estava desenhando”.

A façanha do ator Palle Huld (1912-2010) também pode ter sido utilizada como inspiração. Huld aos 15 anos foi patrocinado pelo jornal “Politiken” a realizar uma volta ao globo terrestre. Tal feito resultou no livro “Volta ao mundo em 44 dias”. Tintim, nos quadrinhos, viajou para muitos locais semelhantes ao feito.Arkade Comics – A Origem de Tintim

A imaginação de Hergé possibilitou a criação de vários personagens lendários

Hergé se inspirou no estio de Benjamin Rabier (1864-1939) para desenhar os animais publicados nos quadrinhos “No país dos Sovietes”. Entretanto, um leitor notou a semelhança nas vestes e algumas características do personagem secundário, Onésime, da obra “Tintin-Lutin”, de 1898, com o protagonista de Hergé. O criador de Tintim alegou que só notou a diferença em 1970.

Dois jornalistas contemporâneos de Hergé também podem tê-lo influenciado. Albert Londres (1884-1932), um dos pioneiros no ramo do jornalismo investigativo, e Robert Sexé (1890-1986), repórter e fotógrafo, conhecido por dar a volta ao mundo de motocicleta. Este último ganha mais legitimidade por ter um companheiro de viagem, René Milhox.

Duas outras criações do próprio Hergé também refletiram em Tintim: Totor (um escoteiro criado para a revista “Le Boy Scout Belge”, em 1928) e uma história de duas páginas, no semanário “Le Sifflet”, de um menino com seu cãozinho. Noutro momento, Hergé classificou Tintim como “o irmão mais novo de Totor“.

Arkade Comics – A Origem de Tintim

A história fabulosa de Tintim atravessou oceanos e gerações

Fora o que mencionamos acima, Hergé nunca confirmou tais sugestões. O que constatamos apenas é a possibilidade de enxergarmos Tintim em tais personalidades, seja nos jovens Huld e Paul, ou nos jornalistas, pois partilham do mesmo espírito aventureiro e com uma bagagem de experiências extraordinárias e que tantos de nós sonhavam em vivencia-las quando criança.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *