Call of Duty: Black Ops (PS3, X360, PC) Review – Guerra Fria em HD

17 de novembro de 2010
Autor: Fábio Torres

Call of Duty: Black Ops (PS3, X360, PC) Review - Guerra Fria em HD

Call of Duty é simplesmente a franquia de entretenimento mais rentável atualmente, quebrando recordes e movimentando milhões e milhões de dólares a cada edição lançada. Call of Duty: Black Ops, a mais nova versão da série, não difere da receita, mantendo a boa campanha com o viciante multiplayer competitivo ao mesmo tempo que refina alguns aspectos defeituosos de Modern Warfare 2.

A maior parte da ação de CoD:BO se passa na década de 1960, onde um misterioso grupo interroga o soldado Alex Mason a respeito de suas missões. Cada fase da campanha de Black Ops é, na verdade, uma memória de Mason, o que faz com que o jogo passe por vários países diferentes, como Cuba, Vietnã e Rússia. Por isso, a variedade de fases e de missões é bastante grande, o que ajuda a manter o jogo renovado durante as curtas 6 horas de duração da campanha.

A história de Black Ops não traz o roteiro de proporções hollywoodianas de Modern Warfare 2, portanto não espere bombas atômicas e helicópteros em queda livre. No entanto, o jogo traz participações de atores consagrados, como Gary Oldman, Ed Harris e Sam Worthington e o game ainda faz um bom trabalho de amarrar toda a história para o grande final – que é tão surpreendente quanto o de seu antecessor de 2009. Num todo, o enredo deste novo CoD consegue ser o melhor de todos os jogos da série.

Call of Duty: Black Ops (PS3, X360, PC) Review - Guerra Fria em HD

Tal qual MW2, Black Ops não desaponta nem um pouco no que se diz a respeito de gráficos e sons. A Treyarch não mediu esforços ao criar cenários diferentes que sejam bonitos e divertidos de jogar. O único problema encontrado é uma série de pequenos bugs e quedas de framerate nos gráficos, principalmente nas versões para PC e PlayStation 3. As dublagens, lideradas pelo trio de atores, são perfeitas, enquanto que a trilha sonora não podia ser mais bem escolhida: Rolling Stones e Creedence Clearwater Revival, bandas que marcaram os anos 1960 e 1970.

O gameplay não difere em nada do que os jogadores já conhecem de Modern Warfare. Nem mesmo a inteligência artificial melhorou – tanto seus aliados quanto seus adversários são burros até demais, o que prejudica o andamento do jogo. Para compensar a fraca IA, a quantidade de inimigos é absurda, são dezenas e mais dezenas de adversários, o que torna as coisas um pouco cansativas. Além disso, o bom modo Spec-Ops foi sumariamente excluído desta vez, o que diminui bastante as opções para quem gosta de jogar sozinho.

Esta matéria possui mais páginas: 1 2

9 Respostas para “Call of Duty: Black Ops (PS3, X360, PC) Review – Guerra Fria em HD”

  • 17 de novembro de 2010 às 20:55 -

    zecarlos

  • vexi…tem cara de mais do mesmo,jogo de trilhos…ate porque como fan da franquia ,me decepcionei com ela a partir do modern warfare 1,a partir disto a unica coisa que me importa no jogo e o multiplayer,que esse sim merece destaque

    pois pra mim no caso,a historia nada mais e do que enchecao de linguiça

  • 18 de novembro de 2010 às 15:16 -

    Guilherme

  • Gostei demais do solo, mas nao entendi NADA do final :/

    [COMECO DE SPOILER]

    Pelo que pude intender Mason cometeu umas coisas achando que Reznov ainda tava vivo pq reznov encheu a cabeça dele contra seus proprios aliados?

    Quem puder ajudar eu agradeço!

    [/FIN SPOILER]

    Curti o jogo todo, porem no multiplayer nao escuto os passos do inimigo, e os perks PRO sao mto complicados =(

    • 18 de novembro de 2010 às 15:32 -

      Erick

    • [SPOILER]

      Quando o Mason foi capturado, tentaram fazer uma lavagem cerebral nele, para que ele matasse o presidente Kennedy, mas não conseguiram. Reznov, que estava preso junto com Mason, aproveitou a brecha e fez sua própria lavagem cerebral em Mason, forçando-o a matar as pessoas que o colocaram na prisão. Por isso Mason ainda alucinava com Reznov, mesmo depois dele ter morrido na fuga da prisão.

      [/SPOILER]

      É com certeza a história mais complicada entre os CoDs, mas uma das melhores.

      • 18 de novembro de 2010 às 15:58 -

        Guilherme

      • NUSS PERFEITO O.O

        Eu achei que eu tava doido por ter entendido +/- KKK

        Mas curti tudo do inicio ao fim :D

        Valeu!

  • 27 de novembro de 2010 às 17:57 -

    wagner alves dos san

  • Como eu passo da fase onde tem um monte de zumbis?

    Se puder me dar uma dica, agradeço.

  • 29 de novembro de 2010 às 09:42 -

    PEDRO

  • Sou viciado em jogos estratégicos de guerra. Criei há pouco tempo a minha conta no game online Desert Operations e já tô frenético! É de graça e não precisa baixar nada. Quem tiver aliança pra indicar me avisa. Pra quem não conhece, segue o link http://www.desert-operations.com.br/?rid=913

    • 10 de março de 2012 às 00:30 -

      tijolo22nato

    • como faço pra pular de um predio pra outro e cair na varanda nao estou conseguindo no cod fase 6 favor me ajuda

  • 2 de fevereiro de 2011 às 14:10 -

    Paulo Rodrigo

  • ERRO ! ! !

    O Black Ops é muito bom mesmo… Mas tem um erro que passa despercebido: A musica Fortunate Son (Creedence) é tocada no começo e final da missão na base americana no Viatnan… O que ficou muito legal, so que esta missão se passa em 1968 e a musica so foi lançada em 1969, então ela não poderia estar tocando naquele radio!

  • 19 de novembro de 2012 às 20:29 -

    Daniel Dos Santos Costa

  • daora

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *