Cine Arkade: As diferentes técnicas de direção dos nossos filmes favoritos

25 de julho de 2015
Autor: Henrique Gonçalves

Cine Arkade: As diferentes técnicas de direção dos nossos filmes favoritos

Na Cine Arkade desta semana vamos falar um pouco sobre as diferentes maneiras de dirigir um filme e como ela afeta o progresso de cada obra e concede identidade à cada película.

Filmes são primeiramente uma arte visual, muito mais do que qualquer outra forma de entretenimento por ser o elemento principal na hora de “fazer um filme”, algo relevante quando lembramos do passado na época em que os filmes eram mudos e com subgêneros que utilizam linguagens corporais — no lugar de um diálogo — para transmitir emoções.

E mesmo que hoje em dia outros elementos tomem os holofotes, nós ainda vemos que o visual é uma das engrenagens mais importantes para fazer um filme funcionar. É aí que entra o diretor e seus diversos colaboradores, como o diretor de fotografia, de maquiagem, de cenário e praticamente todas as pessoas que fazem parte da transição do roteiro “no papel” para a cena física.

Por isso, nesta Cine Arkade eu quero dar alguns exemplos das diferentes técnicas que esses diretores usam em seus filmes e que se tornam a marca registrada deles, situando qualquer fã assim que o filme começa. Confira logo abaixo uma série de vídeos sobre os diretores e suas maneiras de dirigir cenas, todos com diferentes características.

Quentin Tarantino

Não podíamos começar sem falar sobre Quentin Tarantino e sua visão de baixo para cima, colocando o público em pontos estratégicos e no ponto de vista de uma pessoa/objeto que esteja abaixo do protagonista daquela cena.

Wes Anderson

Nesse vídeo temos Wes Anderson e o seu poder da simetria, deixando a câmera no centro da nossa visão e estacionando-a, produzindo um ponto em que os elementos da cena se movem enquanto a câmera se mantém fixa, muita vezes resultando em uma cena capaz de se tornar uma verdadeira obra de arte por sua fotografia.

Stanley Kubrick

Aqui temos um dos maiores gênios do cinema, Stanley Kubrick, e sua direção que constantemente brinca com a perspectiva da cena graças aos elementos tridimensionais dela, compondo imagens surrealmente belas e impactantes.

Wes Anderson

Mais um vídeo do Wes Anderson, trazendo algumas técnicas já conhecidas mas de um ponto de vista totalmente diferente, mas ainda tendo a simetria como ponto chave na composição.

Stanley Kubrick

Este vídeo sobre o Stanley Kubrick é um pouco diferente do anterior: o que temos aqui é uma análise visual do filme O Iluminado, mostrando como o diretor consegue utilizar o poder do zoom para aumentar a tensão e a sensação de desconforto que o aclamado longa tem durante a sua duração.

Darren Aronofsky

Diversificando um pouco do tema inicial, temos Darren Aronofsky e os pequenos detalhes que colocam diferentes sons em primeiro plano, sempre mostrando a causa e o efeito daquele som na tela e produzindo um silêncio completo para intensificar o ruído daquele elemento e amplificar a magnitude de uma cena.

George Miller

E por último temos George Miller e seu magnum opus, Mad Max: Estrada da Fúria, com o intuito de colocar toda a ação no centro da tela. A técnica ajuda o público a não ter que perder a ação tendo que focar os seus olhos para um canto especifico da tela, deixando toda a informação vital extremamente fácil de digerir.

Estes foram somente alguns dos vídeos que consegui encontrar demonstrando didaticamente um pouco da complexidade que há por trás da arte da filmagem e direção, levando em conta todas as maneiras e estratégias que diferentes cineastas decidem trazer para os seus filmes.

E para você? Tem algum diretor que merece ser mencionado? Deixe a sua resposta nos comentários!

*Vídeos encontrados nos canais kogonada, Ian Kammer e Vashi Nedomansky.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *