Melhores Jogos do Ano Arkade 2017 – Finding Paradise

25 de dezembro de 2017
Autor: Carlo Henrique

Melhores Jogos do Ano Arkade 2017 – Finding Paradise

Eu queria poder evitar de mencionar To The Moon ao iniciar o comentário sobre Finding Paradise, mas é praticamente impossível considerando que é indispensável recomendar o antecessor ao mesmo tempo que ele introduz o funcionamento deste episódio. Lançado no dia 14 de Dezembro, esse é mais um emocionante lançamento da Freebird Games.

Os cientistas Neil Watts e Eva Rosalene trabalham para a Sigmund Corp., especializada em realizar o último desejo de seus clientes. Para isso eles entram na memória do paciente, já em seus últimos momentos de vida, e a alteram de forma coerente para que, para ele, seu desejo se realize. Em To The Moon, o paciente John queria ir para a Lua. Já em Finding Paradise, é melhor não revelar o desejo do paciente, Colin, porque seria spoiler, já que é um assunto tratado mais profundamente na narrativa.

Melhores Jogos do Ano Arkade 2017 – Finding Paradise

Kan Gao, que fez quase tudo no jogo, é um mestre em manipular os sentimentos do público, enquanto que em To The Moon ele seguia a receita de sua proposta, aqui ele subverte tudo o que sabemos sobre a série ao longo de seus episódios anteriores. Sempre que possível, Finding Paradise trabalha com humor, fantasia, mistério e, principalmente, muita emoção.

Melhores Jogos do Ano Arkade 2017 – Finding Paradise

Como se trata de um jogo feito no RPG Maker, o gameplay é muito simples, mas não é esse o foco. A já enaltecida trama é potencializada com a belíssima trilha sonora, que inclui músicas originais e remixes dos antecessores que são até superiores. O título deixa bem claro que não é preciso jogar os demais jogos, mas é sempre bom por questões de contextualização e referências. Principalmente o A Bird Story, que conta um episódio da infância de Colin.

A história de Finding Paradise tem um ritmo diferente da de To The Moon, o que permite maior desenvolvimento dos personagens. Todos são muito bem caracterizados, mas o mais importante para destacar é a amiga de Colin, Faye, ela é preciosíssima para o roteiro e se trata de um dos personagens mais reais já vistos em um jogo.

O mais relevante que o jogo nos passa é o quanto é importante quando uma história consegue nos passar sentimentos, apesar da subjetividade individual de cada jogador, é dessa forma que uma obra de arte marca as vidas do seu público.

A esperança que fica é que Finding Paradise receba pelo menos o mesmo reconhecimento que To The Moon, mesmo sendo jogos para um público limitado (indie e walking simulator). O que podemos fazer é recomendar como um dos melhores do ano na Arkade, e também torcer para que seja recompensado no TGA 2018 com indicações para melhor indie e melhor narrativa.

Aproveite que está aqui e confira nossa análise completa do game!

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *