Melhores Jogos do Ano Arkade 2017: RiME

Certos jogos cativam a gente já de cara. RiME fez isso comigo, e olha que ele foi anunciado lá em 2013, e passou por altos e baixos durante seu desenvolvimento. Felizmente, os perrengues não afetaram a qualidade do game, que entrega uma bela e cativante jornada por um cenário paradisíaco.

Em RiME, somos apresentados a um garotinho náufrago que, acompanhado de uma simpática raposinha, irá desbravar os segredos de uma ilha tão exuberante quanto misteriosa. Sem uma história propriamente dita, o que temos é uma premissa, uma motivação, que será o estopim para tudo o que se desenrola.

RiME oferece uma experiência bastante aberta e não linear, ao contrário de Journey, ao qual ele foi bastante comparado. O gameplay oferece um ótimo mix de exploração e puzzle, com muita verticalidade e enigmas integrados ao cenário de formas bem criativas. É preciso ficar ligado às sutis pistas de game design que o ambiente lhe dá, pois RiME não te pega pela mão em nenhum momento: tanto a exploração quanto a resolução de puzzles demandam certa atenção.

RiME é um jogo simples em seu conceito, mas grandioso em sua concepção. Seu visual colorido, suas paisagens belíssimas e sua trilha sonora marcante coroam uma experiência única e envolvente, que é capaz de cativar e emocionar o jogador.

RiME foi bastante comparado a games como Ico, Shadow of the Colossus e Journey, e por mais que cada game tenha sua própria levada, eles também têm muito em comum. RiME tem esse feeling de “uma pequena grande aventura” que eu pessoalmente adoro, e todas essas qualidades fizeram o game merecer seu posto em nossa lista de Melhores do Ano.

Leia nossa análise completa do game e encare esta cativante aventura na sua plataforma favorita você também!