Notícia triste: Nintendo encerra oficialmente suas atividades no Brasil

9 de janeiro de 2015
Autor: Rodrigo Pscheidt

Notícia triste: Nintendo encerra oficialmente suas atividades no Brasil

Pois é, Nintendistas. Por culpa das “altas tarifas” e dos “desafios no ambiente local de negócios”, a Nintendo está levantando acampamento do Brasil por tempo indeterminado.

Ao contrário de empresas como Sony, Ubisoft e Microsoft, a Nintendo não está “oficialmente” no Brasil há vários anos, e há quem diga que ela não se importava muito com seus fãs brasileiros, visto que nem suas lojas virtuais (eShop) se adequaram às normas bancárias daqui, dificultando a vida dos fãs.

Porém, seus consoles, jogos e periféricos chegavam até aqui graças à Gaming do Brasil, empresa subsidiária da Juegos de Video Latinoamérica, que vinha cuidando da distribuição dos produtos da Nintendo por aqui nos últimos quatro anos.

Hoje até mesmo isso chega ao fim. Em comunicado de imprensa oficial, Bill van Zyll, Diretor e Gerente Geral para América Latina da Nintendo of America informou que a Gaming do Brasil não distribuirá mais os produtos da Nintendo por aqui.

Notícia triste: Nintendo encerra oficialmente suas atividades no Brasil

O motivo? Impostos, claro. Quem é gamer sabe que nosso passatempo é uma coisa extremamente cara por aqui, pois pagamos impostos abusivos que elevam drasticamente o preço de qualquer coisa relacionada a videogame.

Isso não dói só no nosso bolso, mas também no das empresas, que esbarram em impostos de importação, tarifas alfandegárias e outros obstáculos que acabam encarecendo seus produtos para o consumidor final.

Com a palavra, Bill van Zyll:

“O Brasil é um mercado importante para a Nintendo e lar de muitos fãs apaixonados mas, infelizmente, desafios no ambiente local de negócios fizeram nosso modelo de distribuição atual no país insustentável.

Estes desafios incluem as altas tarifas sobre importação que se aplicam ao nosso setor e a nossa decisão de não ter uma operação de fabricação local. Trabalhando junto com a Juegos de Video Latinoamérica, iremos monitorar a evolução do ambiente de negócios e avaliar a melhor maneira de servir nossos fãs brasileiros no futuro.

Somos profundamente gratos pelo trabalhado duro e pelas muitas contribuições feitas por cada valioso membro da Gaming do Brasil. Nos últimos anos trabalhamos juntos para apresentar os consoles Wii U e o Nintendo 3DS para os fãs brasileiros, assim como nos lançamentos de nossos títulos mais populares”.

Claro que isso não quer dizer que não teremos mais consoles e jogos da Nintendo por aqui: além das importadoras terceirizadas de grandes redes de varejo, a Juegos de Video Latinoamérica continua a ser a distribuidora da Nintendo para a América Latina, e promete ficar de olho no cenário brasileiro.

Bernard Josephs, CEO da Juegos de Video Latinamérica, tenta ser otimista, mas se mantém cauteloso:

“Somos parceiros da Nintendo na distribuição de seus produtos na América Latina há 14 anos e continuamos comprometidos com a marca. E, enquanto nenhuma outra mudança está planejada para outros mercados da região, estamos em uma posição em que precisamos reavaliar nossa abordagem na distribuição no Brasil. Continuaremos a monitorar o ambiente no país para que possamos avaliar futuras oportunidades”.

Apesar disso, a saída da Nintendo é um retrocesso e tanto, especialmente se pararmos pra pensar que as outras empresas também devem sofrer para manterem suas atividades no Brasil. Ou você acha que os 4 mil reais do PS4 foram somente culpa da Sony?

Vivemos em um país corrupto — independente de qual partido esteja no poder — e mesquinho, que não se digna a oferecer incentivos fiscais para trazer para cá grandes empresas, que no final das contas gerariam emprego e renda para o país. Com isso, mesmo gigantes como a Nintendo acabam perdendo o interesse de se firmar por aqui.

Notícia triste: Nintendo encerra oficialmente suas atividades no Brasil

Triste começar 2015 com uma notícia dessas, mas convenhamos, a postura da Big N é compreensível. Boa sorte às empresas guerreiras que continuam por aqui, e que “o gigante acorde” pra valer no coração do povo brasileiro, antes que outras empresas muito queridas por nós (nem só de games) acabem debandando também…

(Via: Assessoria S2Publicom/Nintendo)

28 Respostas para “Notícia triste: Nintendo encerra oficialmente suas atividades no Brasil”

  • 9 de janeiro de 2015 às 13:36 -

    Carlos Schneider

  • Lamentável, n é o lugar de falar de política mas a tendência é piorar, vai lá vota 13. MUDA MAIS. 

    • 9 de janeiro de 2015 às 20:25 -

      Luan Barbosa

    • Não vejo relação partidária nisso. Quem decide sobre impostos não é presidente. E mesmo assim, se impostos altos fossem realmente o empecilho da questão, a Microsoft não venderia Xbox One as vezes com Kinect e dois ou três jogos lançamentos por volta de 1,5 mil reais.

      • 9 de janeiro de 2015 às 20:44 -

        Carlos Schneider

      • Com ctz, n tem relação partidária alguma. Nintendo cortou os laços pq nossa economia está sensacional como NUNCA, a UNIÃO e o Poder Executivo n decide NADA sobre impostos é o PAPA quem decide. Se a Microsoft colocar produto dela pra vender no Afeganistão vende. Vc quer maquiar oq meu amigo com essa papo?

      • 9 de janeiro de 2015 às 20:59 -

        Luan Barbosa

      • Bem, leia de novo o que eu disse e assimile ao que você escreveu.

        Impostos são altos no Brasil desde sempre, não seria uma simples mudança de partido que mudaria muito o cenário das coisas. Essas mudanças acontecem com o tempo. Não há responsabilidade direta com o “votar 13” que você insinuou no seu comentário.

        E sejamos francos: A Nintendo despreza o mercado brasileiro. Ao contrário da Microsoft e da Valve que conseguem “nossa, magicamente” driblar a nossa conturbada burocracia sem colocar culpa em impostos e os consumidores em alguém do governo.

      • 9 de janeiro de 2015 às 21:27 -

        Carlos Schneider

      • Meu amigo, vc pode acreditar noq quiser direito seu, mas tentar me ”convencer” com esse argumento de que os impostos são altos desde sempre não vai me pegar. Dólar está altíssimo e como eu disse o atual governo TEM SIM responsabilidade fiscal. A PRÓPRIA Nintendo cortou relações por esse ser UM dos motivos( sim tb sei que ela despreza nosso mercado, qualquer um sabe disso, tenho console dela desde 93) e todos são UNÂNIMES que a situação atual é frágil e só vc vive esse faz de conta que Governo e quem votou n tem culpa. Vc dizer q mudanças acontecem com o tempo sendo que as coisas estão indo ladeira a baixo(vide empresas e multinacionais demitindo e grandes corporações desistindo de investir no País) no minimo soa bastante tendencioso e incoerente pra n dizer outra coisa. De antemão n sou a favor de PSDB e muito menos PT e sim de um cenário justo para que possamos ter aquilo que queremos sem sermos explorados, nesse caso os Games do qual é o assunto. Abs.

      • 9 de janeiro de 2015 às 22:03 -

        Luan Barbosa

      • Ah sim, o Brasil nunca sofreu com altos impostos e burocracia. Tanto que não foi de uns 10 anos pra cá que as maiores empresas do mundo começaram a se estabelecer aqui. Sim, sou o tendencioso e incoerente aqui.

      • 10 de janeiro de 2015 às 06:26 -

        leandro leon belmont alves

      • Carlos Schneider, o Luan talvez quisesse dizer que tanto faz quem estaria no poder agora, a Nintendo iria sair de qualquer maneira.e é realmente uma triste notícia para os fãs do Mario. está certo a questão da burocracia, impostos e que a Sony e a Microsoft tem mais produtos do que apenas games e consoles. mas supostamente a Nintendo supostamente tem mais dinheiro em caixa do que as duas juntas? (segundo Nintendistas) então porque resolveram desistir do Brasil?ao menos no meu estado, em convenções nerd e de games, bem pouca gente se encontrava nos estandes da Nintendo. “para que vou ver Mario pulando em tartaruga, se tem o Kratos e o Master Chief matando geral, não?” ou seja, fora o desinteresse dos gamers. que embora tenha muitos fãs no Brasil, não é da mesma proporção de Sonistas, Caixistas e Pczistas. e que digam “ah, mas em eventos de games aqui em SP, estava lotada de pessoas aguardando os jogos da Big N”o problema é que infelizmente (ou felizmente) o Brasil não se resume a SP e RJ ou Brasiília. como é a recepção da Nintendo em outros estados? e a questão dos impostos, para mim é desculpa pronta. Brasileiro quando quer ter algo, ele compra. mesmo vendendo a alma ao diabo para ter um carro, casa ou um console de 4000 reais que mal tinha jogo na época e me vem que a culpa é dos impostos?bem, boa sorte a Nintendo. depois que o Mercado Cinza prevalecer mais para seus jogos, ela que não culpe o Brasil por isso.

  • 9 de janeiro de 2015 às 13:42 -

    Renan do Prado

  • Em minha humilde opinião, a Nintendo não fez nem esforço pra permanecer aqui isso sim. Claro que os impostos são infernais, piores que abusivos, e as condições são péssimas.

    E mesmo assim Sony, MS, Valve, Ubisoft, EA e muitas, muitas outras empresas se localizam aqui. Ou caso não se localizem, tentam ao menos ser respeitosos com o país. Pois o que dizer da Nintendo até hoje não adequar sua loja da eShop aqui? Ou mesmo a decisão de não produzir jogos aqui, o que teoricamente facilitaria muito a vida deles?

    Ou quem sabe, localizar jogos em nosso idioma, algo que até indies fora do Brasil tem feito ultimamente? Claro que os impostos tem muita culpa, mas em minha humilde opinião, desde a Plytronic, a Nintendo não se importa com o país. (E se fossemos um mercado importante, como estão dizendo, tentariam mais permanecer aqui, ou tentariam fazer essa afirmação não parecer uma grande mentira)

    • 9 de janeiro de 2015 às 13:51 -

      The_Power_Guido

    • Eu discordo com sua ultima sentença, o Brasil é sim um mercado importante, um dos maiores atualmente, a questão é que a nintendo (ao menos com o wii u) ja percebeu que não tem retorno pra eles estarem oficialmente no brasil, mesmo não tendo nenhum game localizado ou conectividade os gamers fazem contas americanas, conpram em dollar, ou em lojas com games importados e dão lucro da mesma forma. isso ja vem acontecendo com o wii u há tempos, agora só é oficial.  

      • 9 de janeiro de 2015 às 14:10 -

        Renan do Prado

      • Eu entendo, mas o que eu quis dizer é que se a Nintendo considera o Brasil um mercado importante, então que melhore sua relação com o Brasil. Não simplesmente use palavras e nenhuma ação pra demonstrar isso.

      • 12 de janeiro de 2015 às 14:36 -

        Joao

      • O grande problema da Nintendo é achar um mercado que esteja atrás de seus produtos da mesma forma que era na década passada e retrasada, digo da época de nintendinho, snes e gameboy.. Sinceramente, pra mim, o início da derrocada da Nintendo se deu com a insistência em lançar o N64 com fitas. Posteriormente, a insistência em lançar o gamecube com um mini-disk exclusivo ao invés de enveredar pelo cd/dvd. Seguindo e não tendo aprendido a lição, lançou o Wii com outro formato de mídia, novamente sem ler os já estabelecidos dvd’s (acho que posteriormente foi corrigido isto, não tenho certeza). Por fim, o wiiU e nada. Mais um formato exclusivo que não roda filmes em bluray ou dvd. Tudo bem, gamers hardcore não compram consoles para ficar vendo filminho, mas são estes pequenos diferenciais, aliados a uma gestão que prioriza somente suas franquias e dificulta o trabalho de desenvolvedores (vide a dificuldade de se programar bons/grandes jogos no n64 por third parties) que levaram ou estão levando a Nintendo à derrocada. Infelizmente. Não vejo como um mundo “polarizado” entre Sony e Microsoft será bom para os gamers. Detalhe: coloquei entre aspas, pois esta polarização, na minha opinião, é somente aparente. Os games são quase todos iguais (tirando algumas poucas exclusividades), ou seja, tudo (ou quase tudo) que sai pra PS sai pra Xbox. No fim das contas, a liberdade criativa ou a necessidade de se destacar passa longe, pois a mesma desenvolvedora gasta pra fazer um jogo, mas vende pra duas plataformas e consegue muito lucro. P.s.: não ignoro alguns recordes de vendas que a Nintendo teve ou vem tendo como com a linha “DS”. Contudo, é preciso lembrar que o mundo em si também evoluiu, a globalização e o capitalismo trouxeram muitas oportunidades para cada vez mais pessoas comprarem videogames ao contrário do que era na(s) década(s) passada(s) onde todos nós lembramos como era um luxo ter mais de um videogame ou mesmo ter em casa o videogame recém-lançado. Para a maioria aqui (acredito), os lançamentos só podiam ser aproveitados na lojinha de games da esquina ou na casa do amiguinho mais abastado. 

  • 9 de janeiro de 2015 às 13:51 -

    Ricardo

  • Triste. Quem tem um WiiU / 3DS aguardando as promessas para 2015 e ter os exclusivos consigo (colecionar as mídias físicas da série Zelda por exemplo) fica como? Comprar importado sabe de lá onde via Mercadolivre :\ 

  • 9 de janeiro de 2015 às 13:56 -

    Junior Candido

  • Os impostos são altos mesmo, mas no caso dos videogames culpo mais a ignorância e o descaso de dar uma chance a mais um grande mercado por parte dos engravatados do que a corrupção em si (que está em todos os lugares, não só na política, vamos ressaltar).

    Mas no caso da Nintendo, é o descaso de “quem não precisa” mesmo. Todos sabemos que as gigantes da tecnologia adoram o Brasil por poderem lançar produtos “comuns” no dia a dia de europeus, japoneses e estadunidenses como objeto de status e ostentação e cobrar o quanto querem com a “desculpa” das taxas e impostos (que repito: são altos e precisam ser revistos SIM!), recuperando assim parte de seus investimentos de maneira mais “rápida”. Se a Nintendo vive dizendo que “tem caixa” e que sobrevive bem de Mario e 3DS, logo confirma com essa atitude que “não precisa da gente”. É apenas a confirmação de um fim que existe desde o fim da parceria com a Gradiente e que fingia estar tudo bem.

  • 9 de janeiro de 2015 às 14:04 -

    Sebastião

  • Vai tarde, hoje compramos jogos dos PS e XB até por menos de R $ 10, 00 em redes com walmart e americanas, querem fabricar fora e vender aqui como se fosse o paraguay? WiiU é uma nojeira e o 3DS já não aguenta mais o pau com o Vita. Foda-se nintendo seus clássicos são eternos mas esses jogos de merda que vocês estão lançando?  Outra coisa, jogos para brasileiros em português vendem 100x +. Ai queriam competir com PS e XB…

    • 9 de janeiro de 2015 às 14:10 -

      Carlos Schneider

    • Fale por vc Tião, eles tb n sentirão sua falta.

      • 9 de janeiro de 2015 às 14:14 -

        Carlos Schneider

      • O boom do ps1 e 2 e do 360 por aqui é pq vc comprar um cd de 5 mangos no camelô, me acha um jogo decente original de 10 reais q vc inventou ai q compro na hora.

      • 10 de janeiro de 2015 às 20:28 -

        Jedi Maluco

      • Copa do Mundo Fifa 2014 – R$7,90http://www.magazineluiza.com.br/copa-do-mundo-da-fifa-brasil-2014-para-ps3-ea/p/0884684/ga/gajp/?_b=fifa

    • 9 de janeiro de 2015 às 18:03 -

      Carlos

    • Nossa! Que comentário imbecil!

    • 9 de janeiro de 2015 às 23:55 -

      Luís Miranda cardoso

    • Verdade prezado, a nintendo a muito tempo vem fazendo muito jogo boboca… parece mais direcionada ao publico infantil.Veja só o que eles fizeram no passado com o N 64 tais como o cancelamento do Dinossaur planet , eternal darkness e RE zero, embora os clássicos sejam ainda valiosos.  

    • 10 de janeiro de 2015 às 00:06 -

      Luís Miranda cardoso

    • Retificando público…Além do mais é difícil sobreviver no mercado sem agradar gregos e troianos (Público de diversas faixas etárias) diferentemente da Sony e Microsoft que conseguem fazer isso e vender os seus consoles bem embora o preço dos mesmos estejam caros! 

  • 9 de janeiro de 2015 às 14:30 -

    GabrielBilhar

  • Realmente um infeliz retrocesso, não só para os nintendistas(como eu), mas para a comunidade gamer em geral. Assim também fica complicado de saírem jogos traduzidos PT-BR, quem dirá dublados. Mais triste ainda isso se torna pelos rumores atuais sobre o próximo jogo da série Pokémon se passar no Brasil, e não ser distribuído de forma oficial justamente aqui, e muito menos traduzido, bem na época em que alguns jogos começavam a vir com suporte brasileiro. Brincamos de Paper Mario hoje. Achamos que estávamos andando pra frente, quando, na perspectiva deles, nunca saímos da mesma linha.  

  • 9 de janeiro de 2015 às 15:06 -

    Binholouco13

  • Muito ruim para o Cenário Nacional! e logo 2015 que eu tava com uma vontade de investir nela….

  • 9 de janeiro de 2015 às 18:10 -

    Carlos

  • A Nintendo é uma empresa que trabalha apenas com games, ela não tem os recursos que a Sony e Microsoft possuem, pois elas tem outros produtos de onde tiram os lucros. Se observarmos os valores que são vendidos os jogos aqui no Brasil realmente é um absurdo, muitos estão a 200R$ e quando entramos em lojas virtuais encontramos a preços bem mais baratos com a conversão do dólar para o real, isso é devido aos impostos e atravessadores também. Por exemplo, se verificarmos preços nas Steam e compararmos nas lojas, vemos que existe uma diferença considerável de valores. Com as lojas virtuais não está havendo uma grande necessidade de vender fisicamente um jogo.

  • 9 de janeiro de 2015 às 22:21 -

    Vinicius Rodrigues Ribeiro

  • Simplificando, se não der lucro pra que continuar!Se tiver que pagar propina por privilégios ou direitos melhor cai fora! Enfim esse é o Brasil!

  • 10 de janeiro de 2015 às 17:13 -

    Arlen LC

  • O futuro da Nintendo é a falência, em relação a consoles, assim como ocorreu com a Sega. No futuro só desenvolverão jogos licenciados para outras plataformas. Esse papo de impostos é velho. Quem comprou vídeo game desde o Nitendinho sabe que tudo relacionado a esse mercado sempre foi caro no Brasil, até chegar a pirataria…ai sim explodiram a venda de consoles…. 

  • 11 de janeiro de 2015 às 02:09 -

    Arnaldo Alonso

  • Caros amigos gamers….Uma coisa é certa : A Nintendo parou no tempo….. A tendência para jogos hoje é completamente diferente ! O Mercado procura jogos diferentes dos q eles oferecem. Desde sempre, jamais gostei do Wii. Inclusive tenho um Wii, e ele está guardado….A nintendo está ultrapassada em questão de Gráficos, títulos (Sobrevive dos antigos, apenas com os aficcionados), e plataformas…Depois do nintendo 64 não lembro de nada digno de nota vindo dela…. Tenho ainda comigo o Game Boy Color, minha relíquia, guardada com muito carinho……Acho q se a nintendo apostasse em uma nova plataforma ela conseguiria projeção aqui

  • 15 de janeiro de 2015 às 14:39 -

    Caio

  • “Nós crescemos nintendo, vc não…”

  • 25 de janeiro de 2015 às 23:55 -

    Adilson

  • A Nintendo NUNCA esteve… Essa é a verdade.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *