RetroArkade: Crazy Taxi e o divertido caos no trânsito

Antes do GTA e da popularização do caos no trânsito, houve Crazy Taxi. O game de corridas de táxi mais insano de todos os tempos te deixava, ao mesmo tempo, viver “um dia de taxista”, mas com todas as ocorrências até que corriqueiras a um taxista, como passageiros doidos ou uma “pisada a mais” para garantir a chegada do cliente no tempo certo, executadas da maneira mais insana possível.

A Sega, em um de seus últimos lampejos de insanidade, trouxe para os arcades e o Dreamcast (e posteriormente, diversos outros consoles, e até nos smartphones) um jogo com a sua marca: visual bastante colorido, músicas insanas, gameplay arcade mais maluco até do que o que a empresa estava acostumada, além das fanfarronices que a casa do Sonic adorava colocar em seus jogos.

Crazy Taxi foi, além de um jogo bastante divertido, mais um passo importante para um gênero que hoje é um dos mais populares entre os games. Junto com Driver, trouxe cidades movimentadas, músicas insanas e possibilidades de tocar o terror no trânsito, em uma fórmula que utilizada de várias formas, garante sucesso a jogos como os da série GTA, Sleeping Dogs, Watch Dogs e muitos outros.

Pegue o passageiro, e seja rápido!

O jogo era bem simples. O “dia” de trabalho era correspondido por um tempo, que gerava o game over quando o cronômetro chegasse a zero. Nesse tempo, você pode procurar por passageiros, que representavam em cores a distância do destino: vermelho, muito perto; laranja, perto; amarelo, longe; e verde, muito longe. Cada distância também adiciona tempo ao seu cronômetro, obrigando o jogador a entregar o passageiro o mais rápido possível e a encontrar outro na mesma rapidez, pois, quanto mais passageiros, mais dinheiro e mais pontos a se fazer no game!

Mas tudo isso acontece com o que há de mais insano em um gameplay. Seu táxi é possuído, seu taxista idem e os passageiros incentivam ainda mais o caos. Entre quatro opções de taxistas, você sai correndo de um lado para o outro da cidade, levando com você outros carros, causando vários acidentes (mas todos eles acontecem de maneira cômica, com nenhum ferido, já que a proposta do jogo é a do caos, mas sem violência, como acontece em GTA, por exemplo), e tendo que fazer das suas para levar o passageiro no menor tempo possível, com os “ganhos extras”, que envolvem saltar por rampas, passar colado em outros carros ou fazer qualquer insanidade na cidade.

Tudo isso ao som de bandas como Offspring ou Bad Religion, que jogam ainda mais gasolina no incêndio, e deixam tudo mais divertido. Os modos Arcade e Original são os que acompanham a versão de consoles, que saiu primeiro para o Dreamcast, em 2000, e depois foi parar em diversos outros consoles, incluindo o PC e até os smartphones, como o iPhone e o Android. Além destes, os consoles e smartphones também trazem a divertida Crazy Box, que são pequenas missões, nos moldes das VR Mission de Metal Gear Solid (na questão de complemento, não de contexto) que ampliam ainda mais o gameplay, que apesar de repetitivo, por se tratar de um arcade, vive te convidando para mais uma jogadinha.

Tem Táxi Maluco para todos, até no Hype!

Logo após o sucesso do primeiro Crazy Taxi, versões foram sendo lançadas, especialmente após a saída da Sega no ramo de consoles. Com isso, Playstation 2, GameCube e Xbox receberam versões do Dreamcast, enquanto o Game Boy Advance recebeu uma adaptação para levar as corridas de táxi para a fila do dentista. Crazy Taxi 2 também seguiu o mesmo caminho, e logo a série ganhou um novo game, bem diferente da sua proposta original, mas com elementos da série, para os smartphones com Crazy Taxi City Rush.

Para os donos de PC, a opção de se jogar Crazy Taxi pode ser encontrada no Hype, com a Dreamcast Collection, que traz, além de Crazy Taxi, outros clássicos da Sega como Nights e Jet Set Radio. Temos 40 cupons com desconto para compras no site, basta usar o cupom ArkadeE10 no ato da compra de qualquer jogo. Acesse o catálogo da loja neste link.