RetroArkade: A obscura versão para Atari 2600 de California Games

19 de março de 2017
Autor: Junior Candido

RetroArkade: A obscura versão para Atari 2600 de California Games

California Games, ou Jogos de Verão, foi (e é) um jogo tão popular, que mesmo quem não ligava muito para videogames nas décadas de 80 e 90, gastava uns bons minutos jogando o game, seja no Master System, ou no Mega Drive, versões que foram muito populares por aqui.

Já falamos, em outra RetroArkade, sobre o game, como suas curiosidades, assim como suas várias versões lançadas para diversos sistemas, sejam eles consoles e computadores. E, entre eles, a curiosa versão para o Atari 2600, que já era veterano na época, e mesmo assim recebeu a sua versão. E é ela que nós vamos conhecer melhor e jogar hoje, relembrando os bons tempos dos esportes na praia.

Só Doom roda em mais lugares

RetroArkade: A obscura versão para Atari 2600 de California Games

O footbag conta com uma jogabilidade muito rápida e divertida.

Se houvesse alguma boa vontade de modders, California Games também rodaria em caixas eletrônicos, impressoras e calculadoras científicas, assim como acontece com Doom. Mas mesmo assim, o jogo foi lançado para diversos computadores e consoles de sua época, incluindo a mencionada para o Atari 2600, em 1988. Neste ano, o console já era considerado um clássico, Super Mario Bros. 3 já revolucionava o mundo dos games, e os japoneses já podiam conferir de perto o Mega Drive, o que faz do seu lançamento algo bem interessante.

Quando um console passa por seu auge, alguns desenvolvedores se aventuram no console, seja por encontrar no sistema uma base já instalada de jogadores, ou por servir de laboratório para aprender mais sobre desenvolvimento, já que o sistema, apesar de deixado de lado em nome do avanço tecnológico, provavelmente teria mais terreno para explorar. De qualquer forma, o que temos, então, é um dos games mais completos do console, com os vários mini-games, com cenários e detalhes próprios, sendo encaixados no cartucho de maneira quase milagrosa.

Vem jogar com a gente!

O game consegue até reproduzir um pouco da música tema, Louie Louie, de Richard Berry, o que é outro feito impressionante. Após apertar o botão de início, o game vai direto na escolha dos times e do número de jogadores, com cada jogador apertando o botão sobre o time desejado para ativar o número final de competidores, sendo levados então para a primeira competição, que é o Footbag, que conta, surpreendentemente, com uma jogabilidade incrível, talvez a melhor de todas as versões, por ser bem precisa, rápida e fácil. O céu com nuvens passando também mostram muito capricho e cuidado com a adaptação.

Logo após, é a hora do Skate, com direito a Hollywood na tela e tudo, assim como nos outros consoles. As manobras também ficam mais simples se serem feitas com o único botão do sistema, e a alavanca sem querer ajuda e muito nas manobras, pois quem sofreu naquele direcional do Master sabe do que estou falando. O mini-game também é contado por tempo, não por tentativas, como nos outros sistemas, te permitindo errar ou cair várias vezes e continuar tentando somar pontos.

E, por fim, temos a Mountain Bike, essa sim, bem diferente dos demais. Parecendo mais aqueles jogos do Windows 3.1, temos que descer uma montanha chegando antes do final do tempo no checkpoint, enquanto desviamos de obstáculos até alcançar o final do trajeto, bem diferente do original, que consistia em pilotar em uma pista, valorizando algumas manobras para ganhar mais pontos. Esta foi a forma que encontraram de encaixar o esporte no cartucho e o resultado ficou bem interessante e divertido, pois você vai tomar muitos tombos no jogo, e isso é bem legal.

Outros esportes ficaram de fora, como o surf, o lançamento de disco e o patins, mas vamos falar a verdade: fizeram muito conseguindo oferecer três esportes, não é mesmo? As animações, nos limites do console, estão excelentes, a jogabilidade é muitas vezes mais divertida que as versões dos consoles mais modernos e as adaptações conseguem cortar tudo o que é preciso, mas sem tirar a diversão característica do jogo, sendo uma pena ter sido lançado em uma época em que ninguém ligava mais para o Atari, com tanta coisa nova chegando nesta época, fazendo com que poucas pessoas pudessem jogar de fato o game.

E se houvessem mais clássicos para o Atari?

RetroArkade: A obscura versão para Atari 2600 de California Games

O Mario Bros. foi outro game clássico que apareceu nas telas do Atari.

Jogar esta versão de California Games para o Atari nos faz pensar. O console recebeu vários games clássicos durante a sua vida, mas sempre foram novos jogos que foram ganhando continuações ou virando franquias. Mas, e se o console tivesse recebido mais versões de jogos de sua época, como eles seriam?

Nos anos 80, poderíamos, por exemplo, contar com os jogos da Sega, como Out Run e Hang On, que ganharam versões para outros sistemas além do Master System, mas também poderíamos imaginar um Mega Man rodando no sistema, ou mesmo jogos mais pesados para a época, como Final Fight. Street Fighter original rodando no console, como seria? As opções seriam muitas e a imaginação vai longe.

Mas não podemos reclamar do Atari 2600 não. O console, mesmo não rodando estes jogos, fez bonito em sua era, trazendo muita coisa boa, com franquias que duram até hoje, na memória dos jogadores. E poder ver seus limites sendo atingidos com o California Games, só nos mostra como que sempre há campo fértil para qualquer coisa, incluindo aquelas que parecem já terem alcançado o seu ápice.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *