Sound Test Arkade Faixa 22 – Tony Hawk Pro Skater

27 de novembro de 2016
Autor: Junior Candido

Sound Test Arkade Faixa 22 – Tony Hawk Pro Skater

Hoje é dia de tirar o pó do seu skate virtual, ligar o som no talo e viajar com a gente em uma das coisas mais divertidas do final dos anos 90 e começo dos anos 2000: jogar Tony Hawk e curtir sua trilha sonora.

Antes, então, já vá colocando os fones e dando play por aqui pra ler a matéria no clima:

A série

Sound Test Arkade Faixa 22 – Tony Hawk Pro Skater

Com o primeiro game lançado em 1999 para Playstation, desenvolvido pela saudosa Neversoft, Tony Hawk foi avassalador. Já houveram games de skate antes (California Games, lembra?) e mesmo em sua época, games como 2Xtreme já existiam e faziam sucesso no mundo radical. Mas Tony Hawk tinha atitude, tinha skatistas profissionais, tinha pistas que mais serviam de playground para fazer muitas coisas e, claro, tinha uma trilha sonora muito especial.

Em 2000, com o seu lançamento para o Nintendo 64 e Dreamcast, o game ficou ainda mais popular, e seus próximos games — o 2, o 3 e o 4 — só iam ampliando tanta fama e sucesso. A série, ainda conseguiu, em 2003, ano do lançamento de sua versão original para o N-Gage, se reinventar com os games Underground. Mas, como tudo que é bom dura pouco, com o passar dos anos, os games foram diminuindo sua qualidade e afastando os jogadores. Para hoje, o que temos é o remake, para PS3 e Xbox 360, e a esperança de voltarmos a ter games divertidos com o nome Tony Hawk.

As músicas

Sound Test Arkade Faixa 22 – Tony Hawk Pro Skater

Podemos dizer que muito adolescente dos anos 2000 conheceu Rage Against the Machine, Millecollin, Dead Kennedys e muito mais jogando Tony Hawk. Para um jogo de atitude, muita música de atitude também se revezava na playlist, nos levando ao mundo do skate, em que as sessões são sempre embaladas por boas músicas.

Passando pelo melhor do rock, metal, punk, ska e rap, do primeiro ao último Tony Hawk tivemos sempre a companhia dos melhores artistas. Em todos os jogos, a regra era a mesma: oferecer a trilha sonora variada, que ajudaria a inserir o jogador na insanidade do game. Além das bandas já mencionadas, Metallica, Ramones, AC/DC e System of a Down ampliavam mais e mais as possibilidades e diversidade, fazendo com que todos pudessem se identificar na bagunça divertida que eram os jogos.

Passando das centenas, Tony Hawk ofereceu um espaço bastante democrático, onde diversos gêneros do rock e do rap dividiam espaço nos CDs e DVDs do jogo, e também permitia que bandas consagradas andassem lado a lado de diversos grupos do underground, enriquecendo jogo a jogo as questões sonoras. Se os jogos foram diminuindo a qualidade com o passar dos anos, o mesmo não pode se dizer da sua trilha, que foi só aumentando e trazendo mais e mais qualidade.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *