Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

30 de novembro de 2018
Autor: Renan do Prado

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

Nos últimos anos, a Primeira Guerra Mundial passou ganhar mais atenção nos video games, seja com a emocionante aventura de Valiant Hearts, ou com as histórias e o grandioso multiplayer de Battlefield 1. E agora, um novo game chega para contar novas histórias nesse período, 11-11: Memories Retold, da Bandai Namco DigixArt Studios em parceria com o estúdio de animação Aardman Studios. E agora é hora de conferir nossa análise completa do game!

Duas vidas entrelaçadas pela Guerra

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

11-11: Memories Retold conta a história de dois soldados cujas vidas acabaram se conectando em meio aos conflitos da Primeira Guerra Mundial, de uma forma tão forte que suas próprias sobrevivências passaram a sofrer influências das ações de cada um.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

De um lado, está o jovem Harry Lambert, um fotógrafo aprendiz canadense, que vivia sua simples vida em paz ao lado de sua amiga e secreta paixão, Julia. Do outro lado está o velho Kurt Waldner, um fazendeiro alemão que trabalha numa fábrica de dirigíveis, que vivia em constante preocupação pela escassez de alimentos no país e pela vida de seu filho, Max, que foi convocado para lutar na guerra.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

Esses dois personagens acabam participando da guerra por motivos muito diferentes, mas que os aproximarão de forma bem curiosa. Harry entra na guerra para ser um fotógrafo de guerra para os Aliados, com a promessa de ir até a Europa, tirar algumas fotos e voltar como um herói. Kurt entra na guerra para buscar por seu filho Max, após ser informado de que seu pelotão foi atacado, com seus soldados dados como desaparecidos. Dois personagens diferentes com duas visões muito distintas da guerra.

Sobrevivendo aos dias de guerra

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

11-11: Memories Retold conta a história dos dois soldados alternadamente. No início de cada capítulo do game, você escolhe qual personagem quer acompanhar primeiro. Após jogar um trecho inteiro com ele, o game alterna para o outro, se assim acompanhamos a vida de Harry Kurt em suas participações na guerra, com Harry vivendo um sonho irreal de glória e Kurt a amargura das mortes causadas pela guerra.

Cada personagem tem atividades diferentes a desempenhar. Como Harry é fotógrafo, você deve fotografar as pessoas e locais ao seu redor, ao abrir a câmera, ícones aparecerão mostrando fotos obrigatórias para seguir na história e alguns pontos secundários que, se fotografados, poderão afetar o andamento da história. Já Kurt tem como função consertar aparelhos e fornecer suporte a seus companheiros, sem precisar empunhar uma arma e ir para o conflito direto.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

E além desses dois personagens, ainda há mais dois simpáticos companheiros que acompanharão os protagonistas a partir de certo ponto. Harry terá como companheira uma pomba, que ele poderá ordenar que interaja com certos objetos e pessoas, e Kurt terá uma gata, que pode ser controlada em certos momentos, ajudando inclusive no andamento da história.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

E assim, o game chega com o jogador alternando entre ambos os personagens, realizando pequenas tarefas com cada um enquanto progride com a história. Com cada um narrando suas próprias vidas em formas de cartas sendo escritas, e em certos momentos, o jogador poderá escrever cartas para os familiares dos personagens, escolhendo que mensagens colocar na carta ou que fotos enviar, o que também afetará a narrativa.

Uma aventura emocionante, mas não muito envolvente

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

11-11: Memories Retold conta uma história bonita e triste ambientada durante a Primeira Guerra Mundial, mostrando o cotidiano dos soldados em ambos os lados do conflito, mas pela percepção dos protagonistas. Sendo assim, a aventura de Harry é mais leve, afinal ele é um jovem que está na guerra em busca de fama, para voltar para casa e conquistar Julia, enquanto Kurt confronta soldados que perderam entes queridos e a desolação da guerra.

Certas ações do jogador afetarão a narrativa e o final do game, que poderá ser bom para um protagonista e ruim pro outro, bom para ambos, ou ruim para ambos. Mas apesar disso, o game acabou não entregando uma experiência muito envolvente, pelo menos pra mim.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

Na prática, não há muitas coisas para se fazer, você controla ambos os personagens em curtos trechos, em que basta que você ande até um certo ponto ou realize alguma ação para ir para o próximo trecho, tudo extremamente simples. O máximo de atividades extras que podem ser feitas é tirar fotos com Harry e coletar cartas e fotografias escondidas nos cenários. Esses colecionáveis desbloqueiam fotos e informações reais da época da Primeira Guerra, como fotos de soldados, propagandas de guerra e etc.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

Esse ritmo um tanto “lento” do game acaba prejudicando a história que está sendo contada, infelizmente não conseguindo transmitir bem seus momentos emocionantes. Certos trechos são quase um Walking Simulator, ande até tal ponto, algo vai acontecer e o controle será passado para outro personagem. Isso é uma pena pois o game conta uma história interessante e emocionante, mas seu próprio ritmo e gameplay muito raso acaba prejudicando isso. É uma história boa mal apresentada pelo seu gameplay.

Uma pintura viva

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

O ponto alto do game é sem dúvida alguma sua direção artística. O game tem um belíssimo visual de pintura, em todos os seus aspectos, desde paisagens ao longe a cada elemento de cenário, sendo um grande trabalho da DigixArt Studios e do premiado estúdio Aardman Studios.

O visual do game é montado por várias pinceladas coloridas que juntas montam os cenários, objetos e personagens em um ambiente 3D, criando cenas realmente belíssimas, com muitas cores e transbordando arte. Cada objeto que se move é pintado automaticamente, sem que o game nunca bagunce suas cores, é realmente um visual muito impressionante.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

O game ainda tem uma belíssima trilha sonora, criando excelentes contrastes nas ações de cada personagem. Harry, como está vivendo uma aventura , em que tudo a seu redor o deixa fascinado (até mais pra frente no game, em que a guerra enfim começa a afetá-lo) tem seus momentos marcados por músicas mais leves, que ajudam a mascarar a tensão dos momentos em que o controlamos. Já Kurt é acompanhado a todo momento por músicas melancólicas, em sua jornada desesperada em tentar encontrar seu filho desaparecido em meio a guerra. E por fim, ao controlarmos a gata, o game entrega uma música bem leve e infantil, pois os momentos em que a controlamos são sempre leves e divertidos, mesmo que seja durante situações de tensão extrema.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

O trabalho de dublagem do game também é excelente. Harry é dublado por Elijah Wood, o eterno Frodo de O Senhor dos Anéis. E Kurt é dublado por Sebastian Koch, ator alemão que te em seu currículo filmes como Ponte dos Espiões (2015) e Garota Dinamarquesa (2015). A dublagem de ambos é excelente, e dá bastante personalidade a ambos os personagens.

O game ainda conta com legendas e menus em português brasileiro, com um excelente trabalho de localização.

Conclusão

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

11-11: Memories Retold é um belíssimo game, que conta duas histórias entrelaçadas muito interessantes e emocionantes, mas que infelizmente não se traduzem bem em seu gameplay, que não oferece muito e torna a experiência num total um tanto massante, prejudicando sua boa história.

O game sofre algo que muitos games que almejam ser artísticos acabam falhando: Não adiantará muito ser o game mais bonito e poético do mundo se isso também não se traduzir em seu gameplay. É nesse ponto em que outros games como Valiant Hearts, Journey Monument Valley foram bem sucedidos, por que entregaram belas experiências completas, em enredo, arte e gameplay.

Análise Arkade: As pinturas vivas da Primeira Guerra em 11-11 Memories Retold

Apesar disso, 11-11: Memories Retold é um belo game que vale a pena ser conferido, sua história é realmente bela e interessante, ainda mais com sua interessante forma de contar as histórias únicas de Harry Kurt que se transformam em uma só de uma forma bem poética.

Uma coisa bem legal do game é sua parceria com o instituto beneficente War Child, que ajuda crianças órfãs de guerra por todo o mundo, resgatando-as de zonas de conflito e oferecendo-as um lar, alimentação, educação e um ambiente familiar, além de terapias para ajudá-las a superar os grandes traumas que viveram. O game apresenta histórias de algumas dessas crianças através de cutscenes e colecionáveis, mostrando a triste, porém esperançosa história de vida de cada uma.

11-11: Memories Retold foi lançado no dia 9 de novembro, com versões para PC, Playstation 4 Xbox One.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *