Análise Arkade – A crítica social em Papo & Yo (PC, Playstation 3)

31 de maio de 2013
Autor: Dayan Valente

Análise Arkade – A crítica social em Papo & Yo (PC, Playstation 3)

Não é só de jogos como Journey que a cena independente de games se mantém, e Papo & Yo é a prova viva disso. Criado pela canadense Minority Media e lançado em agosto de 2012 para PS3 (via PSN) e abril de 2013 para PC (via Steam), Papo & Yo é um jogo de fantasia com diversos puzzles, gráficos atraentes e uma forte crítica social.

A história

A história de Papo & Yo se passa em uma favela brasileira, onde você controla Quico, uma criança que fugiu de casa para se livrar do pai alcoólatra e violento. Graças à imaginação fértil do garoto, os cenários do jogo se tornam algo mágico, como se fossem parte de um grande mundo dos sonhos que existe apenas em sua mente.

Análise Arkade – A crítica social em Papo & Yo (PC, Playstation 3)

E é aí que o game nos apresenta Papo, um monstro que adora dormir e comer (principalmente frutas e sapos). Mas cuidado! Apesar de ter um aspecto bonachão, ele fica “de fogo” quando come sapos e sai atacando todos que estão próximos, incluindo o pobre Quico.

Cabe justamente ao menino a tarefa de quebrar este encanto e ajudar Papo a livrar-se do vício – o grande mote de Papo & Yo. Este enredo se torna ainda mais especial quando você percebe que ele serve de metáfora para a história de vida de um dos idealizadores do jogo, o desenvolvedor colombiano Vander Caballero.

Ao longo do game, Quico passa por diversos desafios extremamente criativos para conseguir avançar em sua jornada, em alguns momentos tendo até o cuidado de guiar Papo em seu trajeto.

Este mundo mágico em que casas flutuam, ganham pernas e asas e se movem por vontade própria dá um aspecto de sonho ao game e, juntamente com a qualidade gráfica e a trilha sonora, proporciona momentos de muita imersão, tornando o ato de jogar uma experiência positiva e engrandecedora.

Os personagens

O personagem principal, ao contrário do que o nome do jogo diz, é o Quico, O garoto que você controla e que deve salvar Papo, o segundo personagem mais importante do jogo (e admirado por diversos integrantes da equipe Arkade).

Análise Arkade – A crítica social em Papo & Yo (PC, Playstation 3)

Papo é um monstro com aspecto dócil e inofensivo, a não ser quando come um certo tipo de sapo venenoso, que faz ele se tornar uma besta em chamas e atacar qualquer coisa que se mover perto dele.

Quando o monstro dorme, Quico pode usar sua grande barriga como trampolim para saltar sobre paredes e telhados. Quando ele está acordado – e provavelmente procurando por comida -, ele pode ser controlado bastando segurar uma fruta ou seu grande vício, os sapos, próximo à ele.

Juntam-se a eles Lula, um robozinho de brinquedo com vontade própria e amigo inseparável de Quico, que o acompanha agarrado às suas costas e serve para liberar diversas etapas dos puzzles. Lula também funciona como um jetpack falante, que dá um boost aos saltos do garoto.

Análise Arkade – A crítica social em Papo & Yo (PC, Playstation 3)

E finalmente, temos Alejandra, uma menina que já passou pelo mesmo problema que Quico e que o ajuda durante o decorrer da história. A garotinha esperta também gera grande empatia, e valeria um game só dela (quem sabe um prequel, contando a sua história).

Visual, Som e Puzzles

Levando-se em consideração que a Minority é uma empresa independente, os gráficos do jogo são muito bons!

Claro que há alguns problemas, como o Quico que flutua quando sobe escadas, ou as casas que têm um espaço entre o primeiro andar e o segundo, ou ainda pequenos “blocos” invisíveis que travam a caminhada, mas nada que tenha impacto muito negativo no resultado final do jogo.

Análise Arkade – A crítica social em Papo & Yo (PC, Playstation 3)

A criatividade dos cenários é interessante a partir do meio do jogo para a frente, que é justamente quando ele começa a ficar ainda mais irreal. Vale dar um destaque aos belos grafites que existem em diversas construções, os quais foram criados especialmente para o jogo e remetem ao trabalho de grafiteiros famosos do Brasil.

A trilha sonora é legal, mas nada de muito inspiradora – ainda mais se compararmos com Journey, por exemplo – mas é toda baseada no ritmo do samba genuinamente brasileiro, o que acaba trazendo um efeito tranquilizante durante a jogatina. Os efeitos sonoros são bem fiéis e ajudam bastante na imersão durante o gameplay.

Os personagens falam uma língua própria, mas o jogo tem legendas em português brasileiro, o que é um ponto positivo para nós!

Os puzzles são um espetáculo a parte! Com diversas ferramentas mágicas que movimentam casas formando pontes ou que criam passarelas e escadas, você irá se lembrar de antigos jogos de videogame, trazendo grande nostalgia nos jogadores veteranos. Papo & Yo só tem um problema: é curto! Em apenas 8 horas conseguimos detonar o jogo e conseguir quase todas as conquistas.

Conclusão

Papo & Yo com certeza é um jogo que vale o investimento!

Primeiro, para valorizar o trabalho da Minority em nos trazer um jogo com uma forte crítica social, algo que há um bom tempo não víamos. Segundo, por ele ser tão rico nos detalhes, na criação dos puzzles e na história por trás de cada personagem.

E finalmente, por simbolizar uma história real – o drama da violência doméstica e da redenção entre familiares – acompanhada de uma carga emocional que no final nos deixa com gostinho de quero mais…

Curtiu a abordagem e o estilo do game? Então fique atento, pois ainda hoje teremos uma entrevista especial com Vander Caballero, o diretor criativo de Papo & Yo.

21 Respostas para “Análise Arkade – A crítica social em Papo & Yo (PC, Playstation 3)”

  • 31 de maio de 2013 às 09:04 -

    leandro(leon belmont) alves

  • me lembro que falaram que esse jogo falaram que o monstro gigante e violento era referencia ao pai do produtor, que era terrível…qualquer dia o pego

    • 31 de maio de 2013 às 09:46 -

      Sir.Liipe Silva

    • O monstro seria seu pai e o vício por comer sapos seria o vicio por álcool…

      • 31 de maio de 2013 às 14:16 -

        Leonardo Felipe

      • Muito bem interpretado cara!

  • 31 de maio de 2013 às 10:17 -

    Daniel Zimmermann

  • Ótima análise Dayan!

    • 1 de junho de 2013 às 03:07 -

      Dayan Valente

    • Valeu, cara!!! Esse jogo foi MUITO inspirador pra mim, pra ser BEM sincero! ^^

  • 31 de maio de 2013 às 14:35 -

    Renan do Prado

  • Excelente texto Dayan!!!!

    Papo & Yo é um game excelente, zerei ele e é uma experiência única de se jogar e bastante emocionante!!!!

    • 1 de junho de 2013 às 03:08 -

      Dayan Valente

    • Exatamente, Renan!
      Pra mim, foi uma experiência engrandecedora!!!

  • 31 de maio de 2013 às 15:44 -

    Ghighix

  • Parece ser u game muito interessante. Só espero que nenhum imbecil resolva querer proibir o game, pelo mesmo estar “insinuando que as pessoas nas favelas são monstros viciados”, ou algo do tipo…

    • 31 de maio de 2013 às 16:19 -

      Renan do Prado

    • Isso pode ficar tranquilo pois o game teve todo o cuidado de isolar esse tipo de pensamento

  • 31 de maio de 2013 às 15:44 -

    Ghighix

  • Parece ser um game muito interessante. Só espero que nenhum imbecil resolva querer proibir o game, pelo mesmo estar “insinuando que as pessoas nas favelas são monstros viciados”, ou algo do tipo…

  • 31 de maio de 2013 às 18:55 -

    Alan Galantin

  • *favela colombiana

  • 31 de maio de 2013 às 19:40 -

    Renan do Prado

  • Excelente entrevista!!!! Gostei muito das ideias dele e de como ele fala abertamente sobre como funciona a indústria de jogos e como o marketing pode encher MUITO o saco!!!!

    Papo & Yo é uma experiência única em forma de game, excelente!!!!

  • 5 de junho de 2013 às 17:31 -

    João Davi Vieira Rocha

  • Papo & Yo, seria Papai e Eu?

  • 7 de agosto de 2013 às 18:30 -

    Diogenes Henicka

  • o final é épico mas triste nunca veremos um final tão bem feito como esse

  • 13 de agosto de 2013 às 19:03 -

    Reynan Santos

  • Ressuscitando Lula Papo yo Episodio #7

    http://www.youtube.com/watch?v=SA-hy6vZdP8

  • 18 de agosto de 2013 às 18:13 -

    Juliana Ribeiro

  • não, significa Monstro e eu

  • 18 de agosto de 2013 às 18:19 -

    Juliana Ribeiro

  • Eu não traduzi e ficou muito dificil, mais com esse site pude ter uma noção de jogo muito obrigado :)

  • 20 de agosto de 2013 às 22:52 -

    Lucas Gabriel Cruz

  • ate eu

  • 17 de setembro de 2013 às 16:47 -

    Juninho Ramos Felix

  • Juliana Ribeiro Negativo, significa papai e eu, nao tem tradução mais isso que você acabou de falar não faiz o menor sentido

  • 21 de setembro de 2013 às 01:22 -

    Sandra Santos da Silva

  • minha filha adr e a as veses chora de emosao

  • 20 de março de 2017 às 10:03 -

    fabio

  • Alguém indica um jogo neste mesmo estilo ?

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *