Análise Arkade: Escape da polícia ao som de jazz em Framed Collection

19 de maio de 2018
Autor: Bruna

Análise Arkade: Escape da polícia ao som de jazz em Framed Collection

Um dos jogos de puzzle mais notórios de 2014 está de volta no pacote Framed Collection com toda sua originalidade e estilo inconfundíveis!

Framed Collection é um pack com os jogos Framed e Framed 2, você não precisa terminar o primeiro para jogar o segundo, basta escolher qualquer um dos dois no menu inicial.

Em questão de história, Framed 2 se passa antes do primeiro jogo, mas não há nada de errado em começar pelo primeiro jogo ou até mesmo jogar os 2 ao mesmo tempo (?!). Você decide.

Análise Arkade: Escape da polícia ao som de jazz em Framed Collection

Os 2 jogos possuem estética e gameplay similares, é tudo uma maravilhosa mistura de bom gosto, criatividade e quebra-cabeças lógicos muito bem sacados.

Simples e profundo

Simplicidade é a chave em Framed e Framed 2: você a encontra na estética dos personagens e cenários, no objetivo e também na própria interação do jogador com o jogo.

Imagine que você tem em suas mãos uma história em quadrinhos interativa. Alguns quadros podem ser trocados de lugar e você pode apertar o “play” e descobrir como a mudança dos quadros afeta o andamento da “cena”.

Análise Arkade: Escape da polícia ao som de jazz em Framed Collection

O seu objetivo é fazer os personagens principais escaparem da polícia, tudo no maior estilo de filmes Noir. Às vezes a tarefa é descomplicada, enquanto  em outras ela exige várias tentativas e uma noção de lógica. Lembra um pouco outro puzzle game recente, o também excelente Gorogoa.

Alguns quadrinhos podem ser utilizados mais de uma vez, e você tem que mudá-los em tempo real para dar seguimento à cena. Outros podem ser girados e você sempre pode pausar a ação a qualquer momento para vislumbrar o panorama geral e pensar em seu próximo movimento.

Confira 5 minutos de gamplay abaixo para entender como esta interessante mecânica funciona:

É possível pausar, reiniciar e também passar a história mais rápido com alguns controles apresentados na tela, sendo esse último recurso muito útil para cenas mais demoradas.

Pode ser que você fique contente em saber que Framed e Framed 2 não são jogos muito difíceis, eu diria que em algumas partes ele exige um pouco mais de você, mas nada o suficiente para fazer as almas mais fracas abandonar a missão de completar o game.

A música e as gravuras são a alma dos jogos

A trilha sonora da série Framed realmente se destaca, um jazz muito bem composto, e cheio de swing. Você se sente realmente no clima da aventura apresentada. Mesmo após ficar um bom tempo em uma página dessa história de quadrinhos interativa, você não sente que a música fica repetitiva e em alguns momentos ela se encaixa perfeitamente em ações dos personagens.

Análise Arkade: Escape da polícia ao som de jazz em Framed Collection

Apesar de ter uma aparência simples, as estilosas gravuras possuem detalhes que dão dicas para a solução de toda a cena, em alguns momentos são as cores que te ajudam a dar sentido, em outras são as interações que os personagens fazem nos quadrinhos.

É interessante você ver o arranjo original dos quadrinhos e imaginar uma história, mas quando você muda a sequência, logo percebe que é outra completamente diferente. Há até espaço para humor, algumas situações chegam a ser bem engraçadas.

Conclusão

Framed Collection é uma coleção que vale muito a pena jogar, esses 2 games são muito bem planejados e divertidos de jogar, e sua simplicidade torna-o recomendável até mesmo para quem não está acostumado com jogos digitais.

Como as histórias dos 2 jogos são todas não-verbais (toda a narrativa se desenrola sem que nenhuma palavra, seja proferida) você não vai precisar se preocupar em saber inglês para entender.

Análise Arkade: Escape da polícia ao som de jazz em Framed Collection

Jogar a coletânea foi uma experiência maravilhosa, apesar de curta. É uma pena que ambos os jogos possam ser completados em tão pouco tempo. Por outro lado, é melhor curtir 2 games curtos legais do que 1 enorme ruim, não é? No fim das contas, o saldo é pra lá de positivo.

Framed foi originalmente lançado em 2014, e na epóca Hideo Kojima afirmou que ele foi o melhor jogo do ano para ele. Já Framed 2 foi lançado em 2017 só para dispositivos móveis e foi considerado um dos melhores do ano pelas lojas virtuais. Agora, ambos estão disponíveis para PC em um pacote só.

Framed Collection foi lançado no dia 17 de maio de 2018 para PC na Steam (por um precinho camarada) e para o Nintendo Switch.

3 Respostas para “Análise Arkade: Escape da polícia ao som de jazz em Framed Collection”

  • 19 de maio de 2018 às 20:06 -

    Hudson

  • Tenho ambos para Android. São excelentes! É o tipo de jogo que combina demais com telas touch. Outros exemplos: as séries The Room, Monument Valley e GO (Hitman GO, Lara Croft GO e Deus Ex GO) e o também ótimo Agent A.

    • 20 de maio de 2018 às 20:47 -

      Rodrigo Pscheidt

    • Dê uma olhada em Homo Machina, lançado semana passada. Joguinho bem divertido, e com bom uso dos comandos touch.

      Tem review dele aqui, ó: https://www.arkade.com.br/analise-arkade-homo-machina/

      • 21 de maio de 2018 às 20:12 -

        Hudson

      • Já tinha posto na lista de desejos. ;) Vou aguardar alguma promoção para adquiri-lo.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *