Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

4 de abril de 2019
Autor: Felipe Machado

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

Generation Zero é um FPS de sobrevivência em mundo aberto, desenvolvido pela Avalanche Studios, que possuía grande potencial para ser um ótimo jogo, porém a ausência de elementos torna-o um tanto quanto monótono e entediante. Para compreender melhor do que estou falando, vem comigo que agora começa nossa análise do game!

Mais um mundo pós-apocalíptico

Sabemos como a temática pós-apocalíptica ainda é altamente explorada no mundo dos games e como isso pode ser “perigoso”: por ser um estilo muito corriqueiro, pode ser difícil para os desenvolvedores implementar algo novo ou inexplorado que atraia a atenção do público. Assim, a chance de um título com esta temática acabar se tornando algo genérico e esquecível é grande.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

Generation Zero se passa na Suécia, em uma versão fictícia do final dos anos 80. Acompanhamos um grupo de jovens amigos que resolvem fazer uma excursão para uma ilha, e ao chegarem lá eles se dão conta de que a ilha está deserta, com um clima um pouco sinistro de abandono no ar. Sem ninguém para lhes dizer o que aconteceu, eles começam a explorar, e logo descobrem que a ilha está repleta de máquinas não muito amigáveis.

Quando começamos a encontrar corpos e construções abandonadas, fica claro que estamos diante de um problema sério e de um mistério intrigante. Assim, nosso objetivo é descobrir o que aconteceu na ilha ao mesmo tempo em que temos de lidar com esses robôs assassinos que estão a solta por lá.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

De fato, é uma ilha e tanto!

Muita exploração, pouca ação

Essa proposta de “mundo pós-apocalíptico dominado pelas máquinas” já foi bastante explorada no mundo dos games — com destaque para o ótimo Horizon Zero Dawn, e sem dúvida rende boas histórias. O problema é que aqui a premissa não é bem aproveitada, e a jogatina não transmite tensão, perigo, nem emoção nenhuma. Generation Zero tem uma pegada lenta e repetitiva, o que torna-o bem entediante.

Generation Zero é um jogo focado em exploração e coleta de recursos. Em certos aspectos, ele até lembra um battle royale: em um vasto mapa, estamos livres para entrar em casas e construções, abrindo armários, gavetas e caixotes em busca de armas, munições e suprimentos. Ocasionalmente encontramos documentos e audidologs que liberam novas missões, que geralmente nos levam para novos lugares, onde vamos explorar e “craftar” mais um pouco.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

Explorando barracões e catando coisas

Nessa busca desenfreada por itens, há também a busca por inimigos: como vimos ali em cima, o jogo possui um mapa bem grande… mas com pouquíssimos inimigos a vista. Munição raramente é um problema simplesmente porque encontramos mais balas do que robôs malvados. Sem exagero, chega a ser uma alegria quando entramos em combate, pois isso quebra a monotonia e entrega um pouquinho de ação.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

Encontrar inimigos é uma alegria!

Mas o negócio é tão maçante assim? Vejamos: o mapa é grande, e a exploração é feita majoritariamente a pé, o que não é lá muito divertido, e resume boa parte da experiência de jogo em correr pra lá e pra cá entre um objetivo e outro, principalmente se for um lugar novo (alguns lugares já explorados viram safe houses, habilitando o fast travel). Há carros e bicicletas abandonados em todo lugar, mas eles são meramente ilustrativos, não podendo ser utilizados pelo jogador.

E se você acha que irá encontrar vários inimigos em sua trajetória, não se engane: a impressão que fica é que os inimigos ficam posicionados em lugares bem específicos — basicamente um punhado de robôs patrulhando locais onde há missões principais, com alguns poucos espalhados pelo mapa em si, ou em locais que possuem casas para coletar itens. É um mapa enorme, mas vazio de inimigos, perigos.

Jogabilidade

Generation Zero é mais um jogo que preza pelo trabalho em equipe: jogadores podem se reunir online, ou entrar em partidas aleatórias para fazer todo o crafting que descrevemos ali em cima. Infelizmente, ele faz esse coop “do jeito errado”, pois se você for jogar com seus amigos, apenas o host irá progredir na história do jogo. Ou seja, se você jogar várias horas com um amigo que é o host, todo o seu progresso na história será perdido quando a partida terminar — ainda que você mantenha seus upgrades e itens coletados.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

Jogar em modo cooperativo ajuda (um pouco)

O jogo possui mecânicas bem típicas de FPS que são bem simples e fáceis de se acostumar. Há vários tipos de itens que podem nos ajudar na briga contra os robôs, como sinalizadores e rádios que podem chamar a atenção dos robôs, botijões de gás e baterias que podem ser explodidos; além de, é claro, as armas de fogo. A variedade de armas é interessante, trazendo pistolas, rifles, escopetas, metralhadoras e lança-misseis.

A melhor parte disso tudo é a customização: entre uma longa caminhada e outra é possível encontrar itens para customizar não só suas armas (scopes, silenciadores e coisas do tipo), mas também o visual do seu personagem. A vibe “anos 80” se faz presente aqui, com jaquetas e pinturas faciais que prestam homenagem a astros da música, com destaque para a pintura facial do icônico raio do David Bowie! Tudo é meramente estético, mas em meio a todo o marasmo do game, personalizar seu personagem acaba sendo uma partes mais legais do game.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

No mais, incomoda o quão burocrático é Generation Zero para tarefas simples: marcar pontos de interesse no mapa, abrir documentos relacionados às missões, associar um tipo de munição a uma arma específica ou simplesmente usar um medkit para restauras sua vida são tarefas que dão mais trabalho do que deveriam. São ações básicas, que não deveriam ser tão trabalhosas.

O jogo conta também com um esquema de evolução por nível, no bom e velho estilo árvore de habilidades. Há 4 diferentes especialidades: Combate, Suporte, Sobrevivência e Tecnologia. Cada uma delas é bem longa, e aprimora diversos aspectos do personagem, desde a velocidade que ele corre até o espaço do seu inventário.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

Esmiuçando: Combate engloba as habilidades armamentísticas do personagem (velocidade de recarregar, mirar, correr atirando, etc.);  suporte, com habilidades de estratégia de combate (marcar inimigos, atordoar, etc.) e habilidades que auxiliam o esquadrão (cura, reviver mais rápido, etc.); sobrevivência, foca mais no individual (recuperar stamina mais rápido, vida, andar agachado mais rápido, correr, etc.) e tecnologia, com atributos que envolvem o confronto direto com as máquinas, como a possibilidade de hackeá-las, aumentar o ganho de experiência, causar mais de dano, etc.

Audiovisual

É inegável que Generation Zero possui ambientação e gráficos muito bonitos: as matas, campos e cidades são bem feitas, e passam clima de abandono e desolação proposto. O melhor de tudo é a mudança de clima e tempo — com passagem de dia/noite, pancadas de chuva ocasionais, relâmpagos e outros efeitos bacanas.

Esse capricho, porém, não se aplica aos ambientes internos das casas e bunkers: dentro das construções, é bem comum vermos cômodos — quartos, banheiros, vestiários — praticamente iguais , o que dá uma impressão de que a) tudo é meio procedural e programado ou b) simplesmente faltou capricho e variedade na composição dos ambientes. Tudo é muito parecido, e isso até dificulta a vida do jogador, pois as vezes a gente nem consegue ter certeza se já passou (ou não) por algum ambiente. É um baita problema quando, dentro da mesma construção, encontramos ambientes quase idênticos.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

Jogar com amigos que curtem parar e ficar olhando a paisagem pode atrasar o progresso do grupo XD

Em se tratando de áudio, o jogo é… inconstante: a trilha sonora do menu inicial, por exemplo, é muito legal, e tem até uma vibe meio Stranger Things. No jogo em si, porém, tudo é muito silencioso e quase não existe musica, o que deixa a ação ainda mais entediante. De forma geral os sons de tiros e explosões são competentes — o barulho da chuva é especialmente caprichado — e ajudam a potencializar a sensação de isolamento — os tiros soam realmente altos, e parecem ecoar pela ilha.

Conclusão

Generation Zero é um jogo que deve ser jogado entre amigos, para que se torne minimamente divertido, mas ainda assim ele traz um ritmo bastante arrastado, e a falta de inimigos faz com que fiquemos mais tempo correndo e abrindo gavetas do que atirando em robôs malvados…. o que não é realmente legal de se fazer sozinho, nem fica muito melhor acompanhado. Porém, aí entra o problema de que apenas o host garante o progresso na campanha, o que pode até desmotivar grupos a jogarem juntos — e olha que este é um jogo pensado para a jogatina cooperativa.

Análise Arkade: Generation Zero, um jogo pós-apocalíptico sem muitas emoções

No mais, o que temos aqui é um jogo que tinha muito potencial, mas que deixa a desejar por ser lento, repetitivo e sem sal. Um pouquinho mais de ação — com mais robôs, mais confrontos — já melhoraria consideravelmente as coisas, mas ainda assim ele teria notáveis problemas de ritmo e game design (tipo menus extremamente burocráticos).

No fim das contas, Generation Zero decepciona, e não aproveita o potencial de sua premissa. O que temos aqui é um jogo engessado e monótono, que fica um pouco “menos pior” quando jogado com os amigos, mas isso não é o bastante para torná-lo recomendável. O core de suas mecânicas enjoa muito rápido, e a falta de ação e de inimigos agravam a situação, desmotivando ainda mais o progresso. Sem dúvida há opções melhores no mercado — e mesmo jogos nem tão bons, como State of Decay 2, entregam mais diversão.

Generation Zero teve seu lançamento dia 26 de março, para as plataformas PS4, XBox One e PC, . O jogo não possui tradução para o nosso idioma, estando com menus e legendas em inglês.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *