Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

29 de Abril de 2017
Autor: Rodrigo Pscheidt

Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

Prepare-se para um jogo de terror diferente: Little Nightmares parece bonitinho, mas oferece uma atmosfera carregada e momentos de pura tensão! Confira nossa análise de mais esta boa surpresa de 2017!

Um filho bastardo da Playdead

Em muitos aspectos, Little Nightmares lembra os jogos da Playdead — criadora de Limbo e do excelente Inside: todos são side-scrollers de visual super estilizado, com temáticas sombrias e ambientações sinistras. Em todos eles, somos praticamente indefesos, e precisamos fugir e nos esconder de criaturas medonhas. Todos apresentam suas tramas de forma subjetiva — sem diálogos e cutscenes –, deixando muito espaço para a interpretação do jogador.

Apesar de todos estes pontos em comum — e da provável influência dos jogos da PlaydeadLittle Nightmares é uma produção do Tarsier Studios, estúdio muito mais habituado a trabalhar com jogos fofinhos, ensolarados e coloridos: ela é parceira da Media Molecule na concepção de LittleBigPlanet e Tearaway. Mas, claramente há monstros dentro do armário dessa galera, pois a experiência que entregam aqui pode até parecer fofinha, mas consegue ser mais tensa (e intensa) do que muito jogo de terror “de gente grande”.

Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

Sem uma história sendo desenvolvida da forma tradicional, o que temos aqui é uma premissa: controlamos uma garotinha de capa de chuva amarela, que acorda em um lugar pra lá de sinistro, onde criaturas grotescas estarão o tempo todo em seu encalço. Nunca sabemos direito onde estamos ou porque estamos sendo perseguidos, mas uma coisa é certa: dar o fora deste lugar medonho com certeza é uma boa ideia.

Perseguições, puzzles e terror

Em termos de gameplay, fica clara a relação do game com LittleBigPlanet: as mecânicas são muito parecidas, e ainda que seja majoritariamente um side-scroller, os cenários possuem profundidade, e ocasionalmente a câmera muda de posição para permitir que o jogador explore melhor o “fundo” de certos ambientes.

Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

Pequena e indefesa em um mundo de gigantes, nossa pequena protagonista é capaz de correr, pular, se abaixar, arremessar objetos pequenos ou arrastar/carregar outros maiores. Ela também possui um isqueiro, que acaba se mostrando muito útil para iluminar um pouco os sombrios cenários do game.

O grosso do gameplay envolve seguir sempre em frente, abrindo portas, encontrando chaves e acionando mecanismos que possibilitem o progresso. A maneira com que os puzzes são integrados aos cenários — e ao contexto da situação — são incríveis. Confira abaixo um interessante puzzle envolvendo um moedor de carne:

Little Nightmares é essencialmente um jogo de plataforma com puzzles integrados ao cenário — vulgo environmental puzzles — mas ele também traz uma pegada stealth: você não vai querer ser visto pelas pavorosas criaturas gigantes que te perseguem, então é fundamental que você seja rápido e sorrateiro, usando elementos do cenário (caixas, dutos de ventilação) para se esgueirar e passar despercebido.

Também é possível atirar objetos, ligar máquinas e quebrar coisas para gerar distrações. Por mais silencioso que você seja, acabará se envolvendo em algumas perseguições que compreendem alguns dos momentos mais intensos do game. Separo abaixo dois exemplos. O primeiro é uma corrida pela vida contra um bando de glutões medonhos:

Já no próximo vídeo, temos uma perseguição que se torna um pouco mais “light”, pois uma distração foi criada para nos dar uma pequena vantagem. Repare como a criatura é atraída pelo som da TV, o que me deu uma brecha para escapar de fininho:

E é assim, misturando a exploração dos ambientes com puzzles bem sacados e perseguições emocionantes que Little Nightmares evolui ao longo de seus 5 capítulos. A atmosfera se mantém pesada o tempo todo, com momentos de terror que, na minha opinião, não devem nada a jogos bem maiores e mais famosos. O terror aqui é menos gráfico, mas nem por isso menos assustador.

Alguns probleminhas

Embora tenha inúmeras qualidades, Little Nightmares não é um jogo perfeito. A falta de indicação de checkpoints é um problema irritante. Volta e meia você vê o ícone de salvamento automático no canto da tela, mas se parar de jogar e voltar depois, pode acabar voltando bem antes daquele ponto, o que atrasa o progresso. É possível acender lampiões que poderiam muito bem ser checkpoints… mas não são.

Outro ponto é a dificuldade em alinhar a personagem com certos objetos que podem ser empurrados: a perspectiva 2D aliada aos ambientes tridimensionais complica um pouco, pois em alguns casos você simplesmente não encontra o “ângulo” certo para arrastar algum objeto. Como em alguns casos sua vida depende disso, fique avisado que podem rolar mortes.

Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

Por fim, acho que o timing do jogo é um tanto estranho: as primeiras fases são longas e elaboradas, enquanto as últimas são um tanto curtas e parecem apressadas. A primeira fase dura mais de uma hora, ao passo que a última mal dura 15 minutos. Isso também torna o final do jogo um tanto abrupto: do nada ele acaba, deixando um gostinho de quero mais um tanto agridoce na boca. No total, ele dura pouco mais de 6 horas, mas eu fiquei com a sensação de que poderia (e merecia) render mais.

Audiovisual

O pessoal do Tarsier Studios sem dúvida se esmerou para criar o universo do game. O visual do jogo é estilizado (e estiloso), misturando móveis, louças e objetos do cotidiano com ambientes escuros e misteriosos, e um contraste de luz e sombra impressionante. O resultado é um game de visual único, que mistura uma aura cartunesca com elementos sombrios que deixariam até Tim Burton com inveja.

Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

O design das criaturas que te perseguem merece destaque: ainda que contenham um ar meio cômico, elas são realmente sinistras, desproporcionais, grotescas e quase hipnotizantes em sua bizarrice. Pelancas e dobras penduradas, braços enormes, olhos vendados, gosmas escorrendo, passos arrastados, narizes farejantes, gritos e gemidos se unem para criar um panteão de monstros digno de um pesadelo.

O trabalho de câmera deste jogo também é muito interessante: a câmera sempre parece um pouco torta, meio deslocada. Não sou um especialista no assunto, mas tenho a impressão que isso foi pensado para causar certo desconforto, um incômodo que fica o tempo todo com o jogador, ainda que muitas vezes a gente nem saiba exatamente qual é o problema.

Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

Como boa parte da tensão está diretamente atrelada à ambientação do game, o departamento sonoro é soberbo, e consegue realmente transportar o jogador para aquele mundo. A trilha sonora só aparece quando precisa — para potencializar momentos de tensão –, mas na maior parte do tempo o que ouvimos são sons ambientes que mexem com os nervos da gente: passos arrastados, pisos rangendo, goteiras, murmúrios, respirações ruidosas, vidros quebrando… esse é aquele tipo de jogo para jogar com um bom par de fones de ouvido, de luz apagada no meio da madrugada.

Conclusão

Little Nightmares é aquele tipo de jogo que pode acabar passando meio batido pelo radar de muita gente, mas quem der uma chance para ele sem dúvida irá se surpreender. Caprichado e claramente feito com muita atenção até aos menores detalhes, o que temos aqui é uma experiência de horror muito diferente do padrão que vemos por aí, mas nem por isso menos impactante. Ele está mais para Yomawari do que para Outlast 2, mas acho todos eles são capazes de assustar ou no mínimo deixar o jogador tenso, cada um à sua maneira.

Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade

Se esta análise ficou meio superficial, é simplesmente porque eu não quero entregar muitos detalhes deste jogo, que certamente fica muito mais legal quando você joga sem saber direito o que te espera. Little Nightmares é uma aventura sombria e cativante, que vai ficar na sua cabeça mesmo depois que você terminá-lo. Imperdível especialmente para quem curte jogos como Limbo, e Inside, e entende que jogos não precisam de visão em primeira pessoa e gráficos hiperrealistas para serem assustadores.

Little Nightmares foi lançado ontem, dia 28/04, com versões para PC, Playstation 4 e Xbox One. O game está com menus e legendas em português brasileiro.

Uma resposta para “Análise Arkade: Little Nightmares é terror estiloso e diferenciado de primeira qualidade”

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *