Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

9 de agosto de 2019
Autor: Paulo Roberto Montanaro
Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Estamos muito próximos do início da temporada da maior liga entre todos os esportes do planeta, a NFL (ou National Football League). E como já se tornou tradição, o game anual baseado nela, Madden NFL 20, chega ao mercado prometendo muitas novidades para os verdadeiros fãs desse esporte. Que segue em crescente aqui no Brasil e, mesmo sem muito alcance no resto do mundo, é o game de esporte mais popular lá nas terras do Tio Sam.

Certamente você deve se lembrar da nossa análise da versão do 2019 do game, mas caso não tenha lido o texto, tem um atalho especial para você aqui. Lá, nos dedicamos a falar um pouco mais das especificidades e das regras dessa modalidade esportiva em termos mais amplos e, portanto, a análise desse ano será pautada para o game em si e suas características específicas. Fica a recomendação como leitura complementar da análise de Madden NFL 19.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Modos de jogo

A grande atração desse ano, sobretudo para aqueles que adoram modos solo é, sem dúvidas, a possibilidade de começar uma carreira em um time universitário com um personagem totalmente novo e criado pelo jogador no chamado Face of the Franchise: QB1. Essa fase colegial, é muito popular nos EUA. E, não é comum ver partidas que motivam ainda mais a torcida, devido a identidade local que as universidades tem com a cidades.

Assim, é possível criar o seu personagem e começar a carreira em uma das 10 universidades disponíveis no jogo. Antes do famoso Draft, que pode significar receber um convite para assinar um contrato profissional. Não chega a ser um campeonato completo, e muito possivelmente o modo está testando o terreno para uma expansão que, provavelmente viria na edição do ano que vem (ainda que seria mais justo incrementar o atual).

Games do College existem, mas a ideia de unir o universitário com o profissional pode ampliar as expectativas com o game, uma vez que este é o caminho para a NFL, e o sonho de todos os jovens que praticam o esporte.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Outra limitação do modo é a restrição de posição: só dá pra jogar com mais seriedade de Quarterback, posição mais famosa e gloriosa nesse esporte e que consagrou alguns dos seus maiores astros, como Tom Brady, por exemplo. Mas mesmo assim, seria interessante e até ofereceria mais incentivos para o replay do modo caso houvesse mais possibilidades nesse quesito.

De qualquer forma, o modo, que substitui o Longshot (conhecido por funcionar como um “modo História” nas edições 18 e 19 do game) é bem interessante e mescla ações dentro do jogo com características de RPG, possibilitando escolhas de diálogos e ações, que moldam a personalidade do seu personagem, com elementos narrativos bem marcantes, distanciando-o de modos semelhantes em outros esportes.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

No mais, são poucas as novidades. Além dos treinamentos e partidas casuais avulsas, o modo Madden Ultimate Team (ou MUT) continua sendo a grande estrela dentre as opções online, possibilitando a montagem e a administração de times por meio dos cards. Esse ano, a maior adição foram as Missions, pequenos desafios pontuais que podem garantir bônus interessantes para a melhoria do seu time.

Para quem acompanha o esporte e conhece as principais lendas de agora e do passado, é um deleite conseguir montar verdadeiras seleções de todos os tempos, mas para quem só conhece a modalidade pelo game, esse atrativo não apela para nostalgia, e sim para um pensamento mais estratégico mesmo.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Já o Francise, aquele modo carreira padrão onde você é, ao mesmo tempo, técnico e cartola de uma das grandes franquias da liga, se mantem bastante robusto, com algumas mudanças aqui e ali, inclusive na interface da gestão de treinamento e de negociações, mas não há grandes surpresas, o que é ótimo para alguns, mas pode trazer de volta a questão: vale a pena comprar essa nova edição do game?

Pessoalmente, continua sendo o meu modo favorito no game, me oferecendo a possibilidade inclusive de só jogar na defesa, só no ataque ou em ambos, o que quer dizer que não preciso jogar todas as partidas inteiras da temporada. Mas se for só por esse modo, certamente a versão do ano passado continua cumprindo bem o papel.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Hora do Kick-off

Quando a partida começa, Madden NFL 20 mostra tudo do que é capaz. Com uma ambientação que, como já dissemos em outras oportunidades, só acontece nos campeonatos dos EUA, que adoram fazer de tudo um grande espetáculo midiático, o game consegue nos transferir para dentro da partida. A interface pode parecer bastante poluída em um primeiro momento, mas tudo logo começa a fazer sentido para o jogador.

Da escolha da jogada à preparação do time, cada nova jogada é cercada de expectativa. É um jogo baseado em turnos de ataque e defesa, em essência, e cada movimento precisa de um planejamento que, por vezes, é tão ou até mais interessante do que a execução em si. Vou correr com a bola ou tentar um passe espetacular de 30 jardas? Vou buscar bloquear as opções do adversário ou vou voar pra cima dele antes dele pensar? Como avançar? Como recuperar a posse do ataque?

Vale lembrar que Madden 20 permite um fácil acesso aos novatos. Há o modo arcade, com menos regras, e mais ação. E, na simulação, é possível também executar jogadas sugeridas, o que ajuda, e muito, a assimilar a ação do esporte.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Tudo é um grande quebra-cabeças estratégico e vai além de um monte de trogloditas tentando se arrebentar em campo. Mas é claro que derrubar a grande estrela adversária faz parte da graça do game, certo? Enquanto o sistema de movimentação ganha novos contornos, a metade estética, com o que eles chamaram de Real Player Motion, está melhor do que nunca.

Aqui, o jogo brilha novamente com novas animações tanto em termos de movimentação, tornando tudo menos robótico e mais fluído quando comparado às edições anteriores, como nas comemorações tanto para ataques bem sucedidos como para defesas sólidas e, as vezes, humilhantes.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Em algum momento, essas ações acabam se repetindo, mas é o tipo de coisa que não dá vontade de apertar o botão para pular a animação, porque funciona, é bem integrado ao tempo do jogo e bem, é divertido, principalmente quando se está jogando contra uma pessoa de verdade.

O novo sistema Superstar X-Factor, que aciona passivamente ou ativamente algumas características únicas dos maiores astros da liga, é uma grande adição, não só porque destaca o grande diferencial dos nomes mais conhecidos, como lhes confere identidade.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Na medida que você joga, principalmente quando escolhe um time para se dedicar, os jogadores acabam se tornando reconhecíveis, mesmo que com todos esses trambolhos eles pareçam, a princípio, todos iguais durante o gameplay. Isso tudo somado a uma reestruturação das estatísticas dos jogadores confere ao mesmo tempo equilíbrio e personalidade para o game.

Conclusão

Não é segredo para ninguém que games baseados em esportes reais têm um público-alvo bastante explícito. E dentro de cada modalidade, há sub-nichos determinados. Então, recomendar ou não Madden NFL 20 vai muito além da leitura sobre suas características técnicas ou mesmo simbólicas.

Análise Arkade: Madden NFL 20 e o jeito gringo de se fazer futebol (com as mãos)

Com animações mais sofisticadas e representações visuais ainda mais realistas de jogadores, estádios e do universo da NFL, o jogo é esteticamente incrível. A jogabilidade ganhou camadas sutis, mas bem-vindas, emulando a experiência do jogo em si de forma convincente e imersiva, enquanto os modos de jogo oferecem muito o que fazer para os mais dedicados.

Fãs do esporte e de games baseados nele vão encontrar aqui provavelmente o ápice da representação digital da liga. É o melhor NFL já feito, ainda que sempre haja espaço para melhorar. É, portanto, a melhor representação do futebol americano no campos digitais não só em termos técnicos, mas principalmente da experiência do jogo. Se isso é bom ou ruim, vai depender da expectativa de cada um de vocês, leitores.

Disponível para Playstation 4, XBox One e PC, Madden NFL 20, mais uma marca da tradicional divisão EA Sports, não traz qualquer tipo de localização para o português brasileiro.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *