Análise Arkade: A nova evolução dos monstrinhos de bolso em Pokémon X/Y (3DS)

29 de novembro de 2013
Autor: Fábio Torres

Análise Arkade: A nova evolução dos monstrinhos de bolso em Pokémon X/Y (3DS)

Cada geração portátil da Nintendo é acompanhada com algumas certezas. Uma delas é que uma nova iteração da série Pokémon irá surgir. Com o lançamento do Nintendo 3DS em 2011, era uma questão de tempo até que os monstrinhos criados pela GameFreak ganhassem uma versão em três dimensões. Eis que, pouco mais de dois anos após o nascimento do 3DS, surge Pokémon X/Y, a nova e maior aventura da franquia.

A história de Pokémon X/Y não varia das anteriores: você encarna um menino ou menina recém chegado a uma nova região que irá receber seu primeiro monstrinho e iniciar sua jornada ao lado de amigos e rivais, capturando, treinando e evoluindo os seus Pokémons até alcançar o desejado título de Mestre Pokémon.

Com essa história manjada mas uma jogabilidade sólida, a GameFreak então pode se focar em outros aspectos do jogo, tais como o mundo de Kalos (a nova região) e algumas novidades no gameplay em geral. A principal mudança, com certeza, é a inserção das chamadas Mega Evoluções, novas formas que alguns Pokémons, como Charizard, Mewtwo e Blaziken, podem assumir temporariamente devido ao Mega Ring (uma pulseira que o jogador ganha ao longo da jornada) e às Mega Stones, artefatos de grande poder que podem ser encontrados ao redor de Kalos.

Ao todo, são 26 monstros que ganharam essa nova forma, sendo que dois deles (Charizard e Mewtwo) têm duas Mega Evoluções cada um – uma específica para o X e outra específica para o Y. Com a eShop do 3DS mais estruturada e permitindo o download de patches e DLCs, a expectativa dos jogadores é que novas Mega Evoluções surjam nos próximos meses (os lendários Latios e Latias são os próximos na lista, segundo rumores).

Confira no vídeo abaixo todas as Mega Evoluções já existentes.

Outra novidade é a inserção de um novo tipo de Pokémon, o tipo Fada, criado para equilibrar um pouco a tabela de tipos. Apesar de não fazer muito sentido, os ataques do tipo Fada são fortes contra Dragão, Noturno e Lutador e fracos contra Venenoso e Metálico. Muitos bichinhos já conhecidos, como MarillTogepi e Jigglypuff, passaram a ter esse novo tipo, além de novos monstrinhos, como SylveonDedenne e o lendário Xerneas, o que certamente irá mudar muitas estratégias de batalha.

Análise Arkade: A nova evolução dos monstrinhos de bolso em Pokémon X/Y (3DS)

Sylveon, do tipo Fada, em ação

Aliás, como já vem sendo costume nas últimas versões do jogo, X/Y inserem novos tipos de batalha. Alguns treinadores, conhecidos como Sky Trainers, volta e meia surgem para duelar e, como o nome entrega, as batalhas só permitem o uso de Pokémons que voam (ainda que não sejam do tipo Voador). Se você não tiver um monstro alado, o Sky Trainer não irá fazer nada. Outra novidade são as batalhas de horda, onde cinco Pokémons selvagens lhe atacam simultaneamente, o que a torna uma alternativa interessante para treinar seus bichinhos. O curioso é que pode acontecer de monstros rivais na natureza (como Zangoose e Seviper) aparecerem numa horda, o que faz com que eles ignorem o jogador e briguem entre si.

Outra mudança significativa nas batalhas, mas que condiz com a evolução dos monstrinhos, é a questão dos pontos de experiência. Tradicionalmente, os Pokémons só ganham experiência se você derrotá-los, mas em X/Y quando você captura um bicho selvagem (ao invés de derrotá-los) você também ganha uma parcela proporcional de experiência. Somando isso ao fato do Exp Share, um item que tradicionalmente dividia os pontos de experiência entre seus monstrinhos, mas que agora multiplica (cada Pokémon que participa da batalha ganha o equivalente a 100% dos pontos, enquanto que os que não participam recebem o equivalente à metade cada um) e é fácil montar uma equipe superpoderosa, com 10 a 15 níveis acima dos NPCs logo após a metade do jogo, o que tira um pouco da graça da jornada.

Análise Arkade: A nova evolução dos monstrinhos de bolso em Pokémon X/Y (3DS)

Para aprimorar o treinamento, a GameFreak ainda inseriu no jogo o Super Training e o Pokémon Amie. O primeiro é como se fosse um treinamento extra que os bichinhos podem fazer para aumentar ainda mais os seus atributos, enquanto que o segundo é um “Poké-Nintendogs“, onde você pode alimentar e brincar com os Pokémons para deixá-los mais felizes e leais a você.

Se por um lado ficou muito fácil treinar e evoluir seus monstros, por outro nunca foi tão grande a variedade de Pokémons disponíveis. São mais de 450 bichos existentes em ambas as versões e, com o retorno de alguns favoritos da geração original, como os Pokémons iniciais de Kanto (CharmanderSquirtle e Bulbasaur) e Mewtwo, é fácil montar uma equipe que mescle inéditos com velhos conhecidos.

Vale destacar também que o mapa de Kalos é bastante extenso e com várias regiões distintas, que se assemelham muito às quatro estações do ano: são áreas floridas, praias, cidades com uma insistente nevasca e outras com pilhas de folhas secas no chão. São cenários diversos e bonitos, mas que respeitam a tradição da série. Uma atração inédita na franquia é o fato de você poder andar na garupa de alguns Pokémons, como se fossem cavalos. O único problema é que o jogador não pode usar seus próprios bichinhos como meio de transporte – o herói do jogo fica limitado aos tênis de corrida, à bicicleta e aos patins, que são novidade também. Outra novidade interessante é o fato de o jogador finalmente poder personalizar sua aparência, comprando camisas, calças, vestidos, sapatos e bolsas.

Análise Arkade: A nova evolução dos monstrinhos de bolso em Pokémon X/Y (3DS)

Em meio a tantas boas novidades, uma deixa um pouco a desejar: o Team Flare, equipe rival que segue os moldes das outras gangues dos jogos anteriores, é uma equipe sem o mesmo carisma que as antecessoras. Apesar de talvez ser a equipe com o objetivo mais apocalíptico e até mesmo mórbido, falta um algo a mais para os integrantes da gangue. Talvez a criatividade dos desenvolvedores esteja diminuindo, pois em X/Y faltam algozes marcantes, como Giovanni (Team Rocket) ou GhetsisColress e N (Team Plasma) – Lysandre não chega a cativar (ou irritar) o jogador do mesmo jeito que os antecessores.

Por fim, não podemos deixar de mencionar a parte online, que está muito mais robusta e fácil de acessar. As principais mudanças estão no Global Trade System, que está bastante simples de entender e que facilita bastante para você encontrar os bichinhos que quiser, e na Wonder Trade, que se trata de uma troca surpresa: você envia um bicho qualquer e, em troca, recebe outro Pokémon aleatório.

Claro, muitas vezes você pode enviar um bicho bom e receber um bebê de nível 1, mas também é possível receber Pokémons altamente evoluídos e treinados – eu, por exemplo, cheguei a receber um Pidgeot no nível 58 e um Lickitung no 51 desta forma. O que fica faltando é uma forma de entrar em contato com os outros jogadores dentro do jogo, pois isso permitiria maiores negociações.

Em suma, Pokémon X/Y é a maior e melhor aventura da série criada na década de 1990, mesclando antigos conhecidos dos jogadores com novos monstrinhos. As Mega Evoluções são divertidas, apesar de destoarem do restante da série e lembrarem muito a saga “rival” Digimon. Alguns problemas, como a facilidade para evoluir os bichos e os inimigos com pouco carisma, não prejudicam este game, que é um dos melhores para o portátil da Nintendo.

7 Respostas para “Análise Arkade: A nova evolução dos monstrinhos de bolso em Pokémon X/Y (3DS)”

  • 29 de novembro de 2013 às 19:13 -

    leandro leon belmont alves

  • “As Mega Evoluções são divertidas, apesar de destoarem do restante da série e lembrarem muito a saga “rival” Digimon.”

    olha….eu não vou falar nada, a própria frase já diz tudo.

    • 29 de novembro de 2013 às 19:34 -

      Arthur.E

    • Sem contar as fusões que também tem no Digimon.

  • 30 de novembro de 2013 às 00:20 -

    Renan do Prado

  • Tenho bastante vontade de jogar essa nova geração de Pokémon. (Parei na Silver)

  • 30 de novembro de 2013 às 00:53 -

    Daniel Maioni

  • Tou focando na versão X, mas também já zerei a Y, para catar os pokemons de todas as versões, agora tou num total de 180 horas de jogo

  • 30 de novembro de 2013 às 00:54 -

    Daniel Maioni

  • Esta versão é uma das melhores na minha opinião em especial para quem nunca jogou o jogo.

  • 2 de dezembro de 2013 às 10:24 -

    Leonardo

  • A unica coisa que sempre foi piorando com a série foram os próprios pokémons, que foram ficando cada vez mais sem graça e com menos carisma se comparados aos 150 primeiros

    • 4 de dezembro de 2013 às 02:27 -

      Die Ego

    • Cara ,não querendo arranjar ”confusão” mas acho esse papo de ”Só valem os 150 primeiros” o maior papo furado , ou coisa de fanboy . Eu acompanho Pokemon desde Silver e Gold [depois joguei e conheci Red e Blue] isso quando criança , também assistia ao desenho direto. Depois me afastei depois de jogar Ruby e só voltei agora ao jogo , e não vi problema NENHUM com os novos pokemons , tudo bem que tem uns bem toscos ,e que a 5° geração pra mim foi a pior , mas essa de que só os primeiros valem , é coisa de quem SÓ jogou ou só assistiu os primeiros Pokemons,é uma coisa óbvia que vc vai recusar o que nao conhece. Fui jogand o Diamond , Platinum , Black , PokemonY , e assim conhecendo-os vi que não são lá pokemons ruins ,na verdade , muitos deles são beeem legais até.Inclusive o desenho ,o da 4° geração pra frente ficou péssimo ,mas o XY agora eu estou achando bem legal . Quem muito diz isso de 150 primeiros [fanboys e vintages] são os que menos jogaram/seguiram o jogo. Desculpa a agressividade , mas isso me revolta ‘-‘

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *