Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração

20 de novembro de 2019
Autor: Rodrigo Pscheidt
Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração

Eu tenho uma queda por jogos onde o protagonista é um cão (ou um lobo, raposa, etc). Não por acaso, Okami é um dos meus jogos favoritos (não só por ter uma loba como protagonista, Okami é um baita jogo). Por esta minha preferência peculiar, eu estava bem animado por este Spirit of the North. Quer saber o que eu achei? Então confira nossa análise!

As duas raposas

Spirit of the North é mais um daqueles jogos que não tem realmente uma história, mas uma premissa. Nenhuma palavra é dita ao longo do jogo: controlamos uma raposa vermelha que está explorando as planícies geladas da Islândia, e de repente tem seu destino entrelaçado com o de uma entidade espiritual — representada por uma raposa feita de luz azul.

Juntas (e dividindo o mesmo corpo), a raposa de carne e osso e a raposa espectral irão se aventurar por bosques gelados, ruínas e campos de neve, purificando a natureza e livrando o ambiente de cancerosas bolhas vermelhas que estão espalhando raízes negras por tudo.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração
A raposa espectral salva a vida da vermelha no início do jogo

Ainda que essa temática de “animal salvando seu habitat” não seja exatamente inovadora (o próprio Okami tem um pouco disso), ela ainda funciona, e ao unir um jogo sem combates — e até sem história — a este conceito, cria-se uma jornada bastante relaxante… ainda que um pouco frustrante. Vamos falar melhor sobre cada um destes aspectos.

A parte relaxante

Spirit of the North é um jogo com gameplay simples. O jogo é dividido em capítulos, e cada um deles se passa em uma área ampla para ser explorada. O trabalho se resume basicamente a seguir em frente, interagindo com elementos do cenário que nos permitam prosseguir.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração
Prepare-se para explorar muito

Nossa raposinha pode basicamente correr, nadar, saltar, latir e abanar o rabo. Ao latir perto de determinadas flores azuis, ela absorve energia espiritual, que é utilizada para interagir com pedras ritualísticas que podem nos ajudar a abrir passagens.

Conforme avançamos pelos capítulos e interagimos com estátuas e monumentos sagrados, vamos ganhando novas habilidades, como um “dash espiritual”, que pode ser usado para alongar o pulo, a capacidade de “sair do corpo” físico da raposinha por alguns instantes (para acessar lugares que seriam impossíveis para ela) e uma versão mais poderosa do latido, que é capaz de expurgar a coisa escura e maléfica que contamina os ambientes.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração
Encontrar e acender essas pedras é fundamental

Esse lado do jogo — explorar, descobrir, purificar — é legal e muito relaxante. É aquele tipo de jogo gostoso de jogar após um dia estressante, só para dar uma espairecida. Sem combates ou inimigos, seria um prazer simplesmente correr pelo mundo na companhia das raposinhas. O problema é que além da parte relaxante, temos também…

A parte frustrante

Spirit of the North tem alguns problemas de game design que quebram um pouco a magia que ela poderia ter. Por exemplo: os cenários são amplos, e não necessariamente lineares. Sem nenhum tipo de bússola ou minimapa, é normal a gente ficar meio perdido, sem saber exatamente para onde ir.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração
“Será que eu já passei por aqui?”

Certos jogos driblam isso de formas eficazes: em alguns casos, temos a “visão de raio x “, que evidencia pontos de interesse no mapa — Tomb Raider e sua “visão de sobrevivente” fazem um bom trabalho nisso. Em outros casos, temos o puro e simples level design, que consegue direcionar o jogador para onde ele deve ir de maneira natural.

Spirit of the North não tem nenhum nem outro. Ele nos larga em áreas amplas com quem diz “se vira”, sem muitas informações ou indicações. O lance é explorar até achar algo que pareça útil. E como há muitas paredes de pedra e ruínas pelos cantos, encontrar as pedras ritualísticas pode dar um bocado de trabalho.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração
Tipo aqui. “Apagada”, a pedra rúnica fica camuflada no cenário

Outra coisa pentelha é o lance de latir perto das flores. Cada vez que você absorve a energia espiritual, ela só pode ser usada uma vez. Então, se houver 4 pedras para ativar pelo cenário, você vai ter que ficar indo e voltando até as flores para “recarregar” seu poder. Fica chato depois de um tempo.

Somados, estes elementos acabam indo contra a vibe relaxante do jogo, e o que deveria ser uma jornada agradável acaba tornando-se frustrante e enfadonho em alguns momentos.

Audiovisual

Spirit of the North é um jogo muito bonito. Ainda que nos detalhes fique evidente que ele não é um jogo de grande orçamento, os produtores conseguiram criar um mundo que é relativamente realista, mas ao mesmo tempo está sempre com um pé na fantasia.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração

Nossa raposinha é muito bem animada, e se comporta (na medida do possível) como um animal real. A neve sem graça das primeiras áreas do jogo logo dá lugar a paisagens mais vistosas, com muitas árvores, cachoeiras e ruínas.

Sem vozes nem diálogos, sobra para a trilha e os efeitos sonoros a missão de carregar o jogo. E no geral ele faz um bom trabalho, com trilhas em piano, violino e violoncelo que combinam muito bem com a pegada mística do jogo.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração
Bons efeitos de iluminação enriquecem o visual do game

Minha ressalva é no fator “aleatório” da trilha. Sabe como Journey tem uma música única e sensacional para cada trecho da jornada, que realmente potencializam a experiência e as emoções que ele quer passar? Aqui não há esse cuidado: as músicas são bonitas, mas tocam de forma desordenada, sem nenhuma preocupação em combinar com o que está rolando na tela. Uma pena, o jogo sem dúvida ganharia pontos se fosse mais “dramático”.

Conclusão

Embora eu tenha apontado um bocado de problemas, no geral eu gostei do tempo que passei com Spirit of the North. É um jogo de nicho — basicamente um walking simulator canino com alguns environmental puzzles –, mas que sem dúvida tem predicados suficientes para cativar quem aprecia este tipo de aventura, e é capaz de relevar alguns de seus problemas.

Eu gostaria que ele fosse um pouco menos obtuso em apresentar ao jogador seus objetivos, e algumas mudanças de game design (e level design) sem dúvida deixariam a experiência como um todo muito mais agradável.

Análise Arkade: Spirit of the North traz uma mistura de relaxamento e frustração
Não espere entender a história por esses murais

Mas, se o que você precisa é de um jogo “good vibes”, sem violência, sangue e explosões, vai encontrar aqui uma boa pedida. Demanda alguma paciência, mas sem dúvida é bem relaxante.

Spirit of the North foi lançado exclusivamente para Playstation 4 no início de novembro. O jogo está 100% em inglês (mas como não há diálogos nem nada do tipo, isso nem chega a ser um problema).

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *