Análise Arkade – The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school

15 de outubro de 2019
Autor: Rodrigo Pscheidt
Análise Arkade - The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school

O mundo dos games é repleto de “clássicos que ninguém lembra de ter jogado”, jogos que marcaram a infância de algumas pessoas, mas nunca chegaram a ser realmente títulos conhecidos pelo grande público. The Ninja Saviors: Return of the Warriors é um destes casos: os ninjas estão retornando para uma nova aventura… e eu nem lembrava que eles tinham ido embora!

Voltando ao passado

O Ninja Saviors original se chamava The Ninja Warriors, e era um jogo de arcade lançado pela Taito no final dos anos 80. Posteriormente, em 1994, o Super Nintendo recebeu uma versão do jogo produzida pela Natsume que era meio port, meio remake, meio jogo novo.

O jogo que está chegando essa semana ao Playstation 4 e ao Nintendo Switch é uma sequência de ambos os títulos anteriores, e tira os ninjas de sua aposentadoria para espancaram soldados, robôs e máquinas de guerra de um ditador tirano com planos megalomaníacos… pois é, a história aqui é aquele sci fi maluco que era sensação nos anos 80.

Análise Arkade - The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school

E sabe o que é melhor? Funciona! Beat ‘em ups nunca precisaram de grandes histórias para nos motivar a socar malfeitores, e Ninja Saviors: Return of the Warriors traz o básico de motivação para que sejamos felizes fazendo justamente isso: socando malfeitores (e soldados, e robôs, e máquinas de guerra).

Beat ‘em up ou side scroller?

Ninja Saviors tem uma característica que o torna ligeiramente diferente de outros beat em ups (de ontem e de hoje): a esmagadora maioria de jogos do gênero oferece movimentação em 8 posições, permitindo que os personagens movam-se para cima, para baixo e também nas diagonais. Isso aumenta um pouco a mobilidade, mas causa um problema comum ao gênero, que é o jogador errar golpes por não estar “no mesmo plano” do inimigo.

Análise Arkade - The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school
Os inimigos fazem fila para apanhar

Aqui isso não acontece por um motivo muito simples: estamos sempre presos ao plano 2D. Isso significa que a movimentação fica restrita à esquerda-direita, sem possibilidade de irmos para cima ou para baixo. Você nunca vai errar um golpe, pois os inimigos sempre estarão alinhados com os seus punhos — literalmente fazendo fila para apanhar!

Na prática, o gameplay de Ninja Saviors é basicamente assim, ó:

Ainda que isso pareça mais uma limitação do que um recurso, o gameplay traz um twist para tirar proveito disso, com comandos direcionais simples que realizam golpes especiais e técnicas de combate mais avançadas. É tipo um jogo de luta simplificado: segure o direcional para cima, por exemplo, e ao invés de um ataque comum, seu ninja vai atirar um shuriken (ou algum outro projétil). Também temos agarrões, rasteiras, voadoras e uma espécie de “ombrada” que pode derrubar diversos oponentes.

Essa mobilidade em 2 dimensões também é aproveitada nos combates: certos inimigos só tomam dano se atacados pelas costas. Sem poder contorná-los, você precisa dar um jeito de “atravessá-los” para poder dar cabo deles. São formas criativas de diversificar o gameplay dentro da proposta “limitada” de movimentação de que dispomos.

No fim das contas, tudo se resume a manter a pancadaria fluindo para encher a barra de super, que libera um ataque devastador que “varre” a tela toda nas duas direções. Cair esvazia essa barra, e usar outros tipos de ataque consome uma fração dela, o que concede aos combates um tom quase estratégico, com um bocado de “risco e recompensa” caso você queira poupar sua barra para os chefes ou momentos mais complicados.

Análise Arkade - The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school
Os 3 personagens iniciais. Mais 2 podem ser desbloqueados

Ninja Saviors: Return of the Warriors traz 3 personagens selecionáveis inicialmente, com outros 2 que podem ser destravados posteriormente. A campanha tem a duração típica do gênero — pouco mais de uma hora –, e existe a possibilidade de jogatina cooperativa (local) para até 2 players, algo que havia ficado de fora no jogo do Super Nintendo.

Audiovisual

Ninja Saviors: Return of the Warriors traz uma estética que só posso definir como um “16-bits melhorado”. Ele mantém aquela estética típica de um jogo de Super Nintendo, mas tudo é muito mais nítido e refinado, dando ao jogo um aspecto mais clean e bem acabado do que os jogos tinham naquela época.

Análise Arkade - The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school
Chefes gigantes? Tá tendo!

A direção de arte não é particularmente caprichada — me lembrou muito Captain Commando — mas também não decepciona. A repetição de modelos de personagens (infinitos soldados genéricos) incomoda um pouco, mas entendo que isso é uma escolha consciente para manter a vibe anos 90 (afinal, os beat ‘em ups de antigamente eram assim).

No departamento sonoro, também temos algo que é imediatamente familiar para quem cresceu distribuindo socos e pontapés nos videogames: músicas em loop com aquela aura de “instrumento digitalizado”, e muitos sons de porrada, gritos e explosões. Tudo simples mas bem feitinho, mais para homenagear do que para emular o estilo dos anos 90.

Análise Arkade - The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school
Eis aqui um exemplo da repetição de modelos de personagens

O game não recebeu localização para o nosso idioma, mas convenhamos que nem precisava, né? Há um pingo de história sendo desenvolvida, e é aquela coisa tão básica que a gente não precisa nem entender o idioma para sacar: há um cara mau que deve ser detido e muitos capangas que devem ser surrados. Simples assim.

Conclusão

Confesso que não joguei os títulos anteriores, mas este The Ninja Saviors: Return of the Warriors me deixou curioso para experimentá-los, e isso sem dúvida é um demonstrativo de qualidade.

Simples, mas bem executado, o que temos aqui é um beat ‘em up diferente do que estamos acostumados, mas nem por isso menos interessante. Recomendado para a galera old school, que sabe que o valor de um jogo não se mede pelo tempo que ele dura.

The Ninja Saviors: Return of the Warriors está sendo lançado hoje no ocidente, para Playstation 4 e Nintendo Switch (versão analisada).

2 Respostas para “Análise Arkade – The Ninja Saviors: Return of the Warriors é pancadaria (ninja) old school”

  • 15 de outubro de 2019 às 22:05 -

    Helinux

  • Quando se fala em Taito sempre lembro da série Darius, bons tempos!!!! lembro de jogar the ninja warriors no snes e MegaCD…era um daqueles jogos que já saiu para tudo que é sistema de antigamente, lembro!!!! Talvez na época muitos filmes ninjas tenham sido influenciados por causa desse jogo…em determinados momentos do game me lembra um pouco Ninja Combat da SNK/ADK!!!! Em outros momentos me lembra também Sengoku 3 também da SNK!!!! Grande clássico e que muitos da geração atual não conhece…muita coisa boa tinha e ainda tem de antigamente!!!! na expectativa sobre essa versão atual!!! valeu galera!!!!

  • 16 de outubro de 2019 às 03:13 -

    Helder Chaves

  • Na verdade, sentia MUITA falta da franquia. E nem é um jogo tão desconhecido assim: é um cult da era 16 bits, muito embora o primeiro game (para arcades e poucas portabilizações) seja mais conhecido no Oriente.

    Sobre o modo 2 player cooperativo local: foi cometido um erro no texto acima. O PRIMEIRO GAME, para arcades, já possibilitava jogatina com dois jogadores simultâneos. Isso foi perdido na versão de Super Nintendo, ”Ninja Warriors 2\Ninja Warriors Again” que é a continuação. Essa versão atualizada só traz de volta o que tinha sido perdido do primeiro game.

    Sobre a trama do jogo: Um vilão tomou o poder de um país fictício. Para derrotar seu exército de mutantes, ninjas, cyborgs, robôs e mercenários, é mandado um grupo de ninjas andróides, criados por ”Daddy Mulk”.

    Porém, ao alcançar o vilão e fazer o golpe de Estado, para ”libertar o povo”, pelo menos um dos androides se auto-detona em uma mini explosão nuclear. Tornando Mulk o ”novo lider”. Em poucos anos, Mulk e seu pessoal tomam o poder governamental deste país e substituem seu exército pelos androides ninja e se torna um ditador também. Até um dia que a Inteligência Artificial das máquinas começa a se rebelar e questionar a lógica de suas existências como armas. Uma crítica sócio-política interessante.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *