Após 14 anos, China encerra o banimento de videogames no país

7 de Janeiro de 2014
Autor: Rodrigo Pscheidt

Após 14 anos, China encerra o banimento de videogames no país

Hoje é um dia histórico para os gamers chineses. Depois de 14 anos, o governo chinês acabou com o “banimento” dos videogames no país!

Legalmente, os videogames estavam banidos da China desde o ano 2000. Claro que algumas empresas aproveitaram brechas na lei pra continuar vendendo seus consoles por lá, como é o caso da Nintendo, que possui uma subsidiária chamada iQue na China, e renomeou praticamente todos os seus consoles para que eles possam ser comercializados por lá.

A proibição de lançamentos oficiais também deu força ao mercado cinza (consoles originais vendidos de maneira ilegal) e à pirataria, práticas que movimentaram milhões de dólares no país nos últimos anos, e serão um desafio e tanto para o comércio regulamentado que está para nascer.

Se pararmos para pensar, é irônico que o país onde a maior parte dos videogames e demais produtos eletrônicos são fabricados tenha mantido os consoles fora por tanto tempo.

Após 14 anos, China encerra o banimento de videogames no país

iQue, a subsidiária da Nintendo que lança plataformas exclusivas para o mercado chinês.

Como nem tudo são flores, o governo chinês ainda vai se reunir com cada empresa, para ver se suas práticas de comércio estão dentro do esperado. O mesmo vale para distribuidoras de games, que deverão receber o “ok” do governo antes de despachar games por lá.

Ainda não ficou claro se esta liberação é definitiva ou apenas temporária. Porém, se considerarmos que Sony e Microsoft acabaram de lançar seus consoles da nova geração, pode-se dizer que os chineses poderão “tirar o atraso” em grande estilo.

Embora seja o país mais populoso do mundo, a China também abriga a segunda maior população de pobres do mundo, e metade de sua população ainda vive no campo. Há muito potencial para o mercado de games chinês, mas os desafios sem dúvida serão grandes.

(Via: ZD Net, Forbes)

12 Respostas para “Após 14 anos, China encerra o banimento de videogames no país”

  • 7 de Janeiro de 2014 às 14:43 -

    Henry Lopes

  • #Koreanoschatiados

  • 7 de Janeiro de 2014 às 14:25 -

    Arthur.E

  • “iQue cagada”

    tenho impressão que essa liberalização e as reuniões com as empresas são só pros “comissários do povo” de lá encherem os bolsos com dinheiro dos impostos e com suborno….comunista é igual em tudo que é lugar.

    • 8 de Janeiro de 2014 às 05:21 -

      Edison

    • Chupa ianque também é igual em todo o lugar…

      • 8 de Janeiro de 2014 às 08:48 -

        Arthur.E

      • psssssh, vocês ouviram esse som baixinho e incoerente? eu acho que foi um tipo de comentário medíocre.

    • 8 de Janeiro de 2014 às 16:23 -

      Paulo

    • kkkkkkkkkk

  • 7 de Janeiro de 2014 às 14:43 -

    Carlos Junior

  • Gostaria de ler a notícia: Após “X” anos, Brasil encerra o banimento de impostos altos nos videogames e jogos no país.

    • 7 de Janeiro de 2014 às 15:06 -

      Junior Alves

    • sonho…

      • 7 de Janeiro de 2014 às 17:21 -

        leandro leon belmont alves

      • um dia…..um dia……..

  • 7 de Janeiro de 2014 às 15:43 -

    Gilberto Coelho Júnior

  • Ramon Portinhal Souto

  • 7 de Janeiro de 2014 às 17:40 -

    Kubrick Stare Nun

  • Eu acho que a razão de o governo chinês ter proibido a entrada de vídeo games é que eles acham que vídeo games fariam com que os seus ‘trabalhadores escravos’ ficassem mais distraídos e portanto menos produtivos. Com o furor das vendas dos consoles dessa nova geração eles provavelmente concluíram que receber os impostos das vendas legítimas é o caminho mais lucrativo.

  • 8 de Janeiro de 2014 às 04:36 -

    Lemke

  • Por favor, fiquem com nossos consoles mas liberem a exclusividade do COD ONLINE.

  • 8 de Janeiro de 2014 às 21:34 -

    Renan do Prado

  • Apesar disso, a China continua sendo em minha opinião, e na realidade, um péssimo país pra seu povo

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *