Jogo indie The Swapper respeita sua inteligência

20 de novembro de 2013
Autor: Junior Candido

Jogo indie The Swapper respeita sua inteligência

Hoje em dia, dificilmente vemos ousadia (e alegria) nos games. As grandes produtoras vivem com medo de perder suas fortunas apostando em inovações e por isso a galera indie têm terreno livre para trazer grandes experiências, como The Swapper, game que você vai conhecer agora.

The Swapper te coloca em uma estação espacial perdida, e só. Sem parceiros e sem armas de destruição em massa: apenas um aparelho que pode projetar quatro cópias de si mesmo. E toneladas de puzzles para serem resolvidos. Puzzles estes engenhosamente planejados, que prometem tomar muito do tempo do jogador, apesar de não serem dos mais difíceis. O game não leva o jogador pela mão como tantos jogos modernos fazem. Ele deixa você e sua capacidade de dedução assumirem o comando.

Jogo indie The Swapper respeita sua inteligência

Vale lembrar que o game não oferece combates, logo também não oferece evoluções nem novos equipamentos. Você vai terminar o jogo praticamente da mesma maneira como começou. E, embora tudo isso soe bem repetitivo e cansativo, até que o jogo consegue diversificar nos seus muitos quebra-cabeças, fazendo do seu gameplay de fato algo inovador e diferenciado, mesmo sendo na raiz um game de plataforma.

A história do jogo vai se desenrolando de acordo com a sua exploração em uma estação, revelando detalhe por detalhe, às vezes até exagerando um pouco. São mensagens ou detalhes no cenário que se unem ao quase silêncio do jogo – acompanhado da música melancólica que aumenta o clima desejado pela equipe de desenvolvedores.

Jogo indie The Swapper respeita sua inteligência

E o visual é todo simplista. Poucas cores, muita sombra e a sensação de se estar “sozinho no mundo” desempenham um papel especial para construir a atmosfera do game. É notório o bom trabalho da equipe da FacePalm em criar exatamente o ambiente visual desejado, compensando as fracas animações e personagens.

Inovação realmente anda muito em falta nos games atuais. O bom trabalho da produtora com The Swapper nem foi tão inovador assim, afinal sua espinha dorsal é idêntica a de milhares de games que vieram antes. Porém a decisão (ousada hoje) de não dar foco ao combate, de não ajudar o gamer a se localizar no universo do jogo e seus inúmeros puzzles que não são impossíveis mas forçam positivamente a mente fazem desta iniciativa indie algo que merece a atenção de todo jogador que sente falta de games que respeitam sua inteligência.

The Swapper está disponível para PC. O game custa R$24,99 no Steam.

(Via: Facepalm Games, Polygon)

8 Respostas para “Jogo indie The Swapper respeita sua inteligência”

  • 20 de novembro de 2013 às 11:43 -

    Fernando De Bom

  • Interessante… foi esse que tu comprou Matheus Minatto?

  • 20 de novembro de 2013 às 11:41 -

    silva

  • Isso que é bom na internet e no livre, não ficar preso as grandes indústrias que querem lucros e travam a criatividade. Que venham novos!

  • 20 de novembro de 2013 às 11:57 -

    Renan do Prado

  • Ideia muito interessante!!!!

    Obs. Ousadia e alegria foi tenso kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • 20 de novembro de 2013 às 12:12 -

    Arthur.E

  • Essa matéria me fez pensar, se as grandes empresas (o termo “grandes industrias” esta errado pois quando se fala em industria você esta se referindo a todo o mercado e empresas envolvidos em determinada área) realmente botassem a mão na cabeça e pusessem parte de sua grana no desenvolvimento de jogos mais focados em inteligência e raciocínio, isso não seria meio desastroso para as pequenas produtoras? Tipo, as grandes empresas teriam dinheiro e pessoal o bastante para fazer mais de 7 ou 10 jogos como o swapper e outros por ano. Com isso as grandes esmagariam as pequenas e provavelmente, quando vissem que esses jogos são lucrativos, comprariam grande parte das pequenas………ou as grandes empresas apostariam em títulos mais inteligentes mas se dariam mal porque 78% dos consumidores de video games só querem jogos fáceis de ação e não estão muito afim de gastar quase 80 reais em um jogo “cabeça”.

    • 21 de novembro de 2013 às 01:33 -

      Kubrick Stare Nun

    • A vanguarda vanguarda mesmo sempre vai estar nas mãos dos indies porque empresas grandes sempre tem que apelar para algo mais popular, mas isso não significa que não existam empresas grandes que façam jogos inteligentes. Portal, Assassin’s Creed, The Walking Dead, Bioshock, Last of Us, The Witcher e Deus Ex foram todos feitos por grandes empresas e nem por isso são descerebrados.

  • 20 de novembro de 2013 às 18:21 -

    Sir.Liipe Silva

  • Não desfazendo de alguns grandes lançamentos, mas em termos de criatividade a industria indie dá de dez a zero em nas gigantes do mercado!!!

  • 21 de novembro de 2013 às 01:11 -

    Kubrick Stare Nun

  • Eu mesmo já tinha comprado e zerado ele um tempo atrás e realmente gostei dessa frase que você usou para descrever ele. Um jogo que respeita a – ou melhor ainda, acredita na – inteligência do jogador é uma definição muito precisa do que esse jogo é. Inclusive, esse jogo é um dos raríssimos exemplos de games que conseguem capturar em todos os seus elementos a mesma convidatividade à reflexão e contemplação. A narrativa, o gameplay, o visual, o áudio… tudo é lindo e inspirador.

    E o mais maravilhoso nesse game é a natureza filosófica dele, pois ele é basicamente uma provocação sobre a ontologia do ser; sobre o que é uma mente e o que significa ser um indivíduo. Essa provocação se expressa tanto na estória quanto nas mecânicas do seu gameplay, esses dois elementos estão em um casamento tão perfeito que The Swapper poderia muito bem ser usado até como um manifesto pela ressonância ludonarrativa.

    Eu discordo sobre o que você disse sobre o visual do game ser simplista e o seus personagens e animações serem fracos. Para mim, a arte do game – que foi completamente feita com massinha de modelar (sério!) – é linda e muito charmosa, cheia de detalhes e tremendamente imersiva e as animações dos personagens tem um aspecto ágil e agradável.

    Outra coisa interessante é que aparentemente o jogo tem vários segredos que somente jogadores dedicados e bons de puzzle irão achar, já zerei ele e até agora não conquistei nenhum dos 7 misteriosos achievements. Ouvi dizer que também há múltiplos finais, mas até agora só assisti um.

    Da minha parte esse jogo aí está 100% recomendado. Quem gosta de games como The Longest Journey, Braid, Limbo, Journey, Portal, Planescape Torment, Stanley Parable e Amnesia A Machine for Pigs sem dúvida vai gostar muito dele.

  • 21 de novembro de 2013 às 01:14 -

    Kubrick Stare Nun

  • Dica: Esse site aqui está dando cupons de 50% de desconto para o game;

    http://hugeseal.com/

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *