Melhores do Ano Arkade 2019: Sayonara Wild Hearts

31 de dezembro de 2019
Autor: Rodrigo Pscheidt
Melhores do Ano Arkade 2019: Sayonara Wild Hearts

Sayonara Wild Hearts é o tipo de jogo difícil de caracterizar. Na verdade é até complicado dizer que ele é “só” um jogo, uma vez que ele está mais para uma experiência audiovisual interativa rápida, intensa e surpreendente. Uma experiência digna de figurar em uma lista de Melhores Jogos do Ano!

Em Sayonara Wild Hearts, controlamos uma jovem que teve seu coração partido, e após seguir uma psicodélica borboleta de cristal, vai encarar perseguições insanas, se envolver em duelos de espadas acrobáticos e surfar através de túneis de luz em forma de coração.

Deve haver muito simbolismo nas entrelinhas do que o jogo entrega, mas mesmo quem não absorver nada disso ainda vai viver uma experiência e tanto, onde gameplay e música se misturam de formas alucinantes, e uma fase curta se emenda em outra em um ritmo acelerado que é inebriante.

Melhores do Ano Arkade 2019: Sayonara Wild Hearts

Mecanicamente, tudo é bem simples: usamos basicamente o direcional para guiar veículos variados, e os estilosos combates envolvem basicamente quick time events. Mas o que acontece na tela vai muito além disso: o jogo é um espetáculo audiovisual único, e cada ângulo de câmera parece ter sido planejado para deixar o jogador de queixo caído.

Sayonara Wild Hearts é curtinho, mas intenso, e está sempre se reinventando: o jogo pode durar pouco mais de 1 hora, mas nesse breve período, muita coisa acontece, e você é “atropelado” por algumas das cenas de ação mais impressionantes que um videogame apresentou este ano.

Estou falando de coisas que nem John Wick faria, tipo surfar de pé em cima de uma moto enquanto se envolve em um duelo de espadas contra um par de gêmeos mascarados!

Melhores do Ano Arkade 2019: Sayonara Wild Hearts
A prova de que o parágrafo acima não foi exagerado

Se jogos como Journey e Rime marcam e surpreendem por serem experiências pacíficas e introspectivas, Sayonara Wild Hearts vai no caminho oposto, e marca por ser rápido, intenso e muito estiloso. É um jogo “estilo arcade” que conta sua história em forma de poesia, e apresenta seu gameplay em forma de um balé acrobático e visceral, pautado por cores, luzes, música e movimento. Muito movimento.

Infelizmente não temos uma análise de Sayonara Wild Hearts publicada — não tivemos acesso ao jogo para análise, mas comprei-o recentemente para o Switch, e percebi que não tinha como deixá-lo de fora desta lista. Ele é incrível de um jeito muito autêntico, e é sem dúvida uma das experiências mais intensas e diferentes que saíram em 2019.

E se você está lendo isso, também deveria dar uma chance ao jogo: uma pérola indie criativa e acelerada, que domina todos os seus sentidos e custa menos que um lanche do McDonalds. Sem dúvida merece ser experimentado por qualquer gamer de bom gosto.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *