Melhores do Ano Arkade 2019: Trials Rising

23 de dezembro de 2019
Autor: Paulo Roberto Montanaro
Melhores do Ano Arkade 2019: Trials Rising

Ainda que tenha ficado de fora do radar do grande público ao longo do ano, Trials Rising merece figurar dentre os melhores jogos do ano por não só atualizar tudo aquilo que fez da franquia uma marca de respeito, como também trazer inovações interessantes em termos de um visual, uma física refinada e um nível de desafio capaz de deixar o mais calmo dos jogadores alucinado por só mais uma tentativa.

Partindo de um fio narrativo bem sem-vergonha, com uma volta ao mundo na busca por ser o melhor, o jogo oferece uma série de desafios em cenários dos mais deslumbrantes já vistos no gênero, onde o jogador deverá encontrar o equilíbrio entre ser rápido, ousado e se manter em cima de uma motocicleta envenenada. São infinitas rampas e acidentes geográficos, quedas magistrais e muita lama ao longo da jornada.

Melhores do Ano Arkade 2019: Trials Rising

A jogabilidade é um espetáculo a parte. Não basta acelerar como se não houvesse amanhã com em jogos convencionais de corrida ou de motocross. Fazer manobras e tocar o chão com as rodas (e não a testa) é parte do espetáculo, mas também não é suficiente. Saber equilibrar o corpo para se manter firme é o segredo do negócio. Homem e máquina funcionando como um só de um modo pouco visto nos videogames.

Esteticamente, o jogo é surpreendente. As nuances de um por-do-sol correndo em cima de balões e a escuridão de minas abandonadas são surpreendentes. Prestar atenção por mais do que algumas frações de segundo, claro, pode significar o fracasso humilhante, mas sempre tem um botão de restartar a pista. A customização de piloto e da moto não é exatamente tão inovadora assim, mas funciona muito bem, incluindo as contribuições insanas da comunidade.

Trials Rising consegue oferecer um pacote muito completo, com um alto grau de desafio e sentimento de recompensa, horas tentando sobreviver ao próximo salto mortal e um visual de tirar o capacete. Para quem gosta do gênero ou mesmo quem se importa com uma aventura desafiadora e, ao mesmo tempo, descompromissada, uma recomendação fortíssima. Um jogo ideal para sentir o vento (e asfalto, terra e rocha) na cara. E para saber mais detalhes de como curtimos o game, dá uma passadinha lá na nossa análise.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *