Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid – Parte 2

13 de junho de 2020
Autor: Renan do Prado
Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2

Bem-vindo de volta à coluna Memory Card! Em que nós aqui da Arkade contamos nossas histórias de vida com games que marcaram nossas vidas no passado! E agora é hora de iniciarmos a segunda parte de minha conturbada história com Metal Gear Solid!

Recapitulando

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2

Na parte 1 do meu artigo, contei sobre meu conturbado primeiro contato com Metal Gear Solid. Com um vendedor de feira colocando o jogo em minhas mãos e me passando a perna, vendendo apenas o Disco 1 do game, que estava todo arranhado.

Joguei o que pude desse disco, mas no fim não pude seguir adiante, me livrando do disco e iniciando minha busca pelo game pelas ruas, uma busca que havia se tornado uma questão de honra. Cuja história continua agora!

Insert DISC 2

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2

Eu mencionei na parte anterior desta coluna que eu infelizmente não tive muitas influências “clássicas” sobre video games vindas de meus amigos. Descobri por um deles que Metal Gear Solid possuía 2 discos, mas esse amigo não tinha o game, apenas o conhecia. Esse foi o “início do fim” de minha saga com série.

Lembre-se de que naquela época, a pirataria dominava 100% do mercado de games no Brasil. Comprar jogos originais era algo extremamente raro, encontrar um jogo original a venda era ainda mais raro. E aí você pode estar pensando “bom, com a pirataria forte naquela época, achar Metal Gear novamente seria muito fácil, não é?” – Não. Muito pelo contrário.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Nunca vi a caixa e discos originais de Metal Gear Solid pessoalmente

Após descartar aquele Disco 1 todo arranhado, iniciei minhas buscas por aquele game diferente que eu havia gostado tanto. Foram anos de buscas, sem qualquer sucesso. Literalmente NENHUMA loja de games da região possuía o game, nenhuma mesmo! Eu visitei várias diferentes, perguntei se tinham o jogo e nada. Ah, e só para curiosidade, nem mesmo Crash Bandicoot 3: Warped e o primeiro Resident Evil eu conseguia achar! A situação estava feia assim mesmo! Com isso, acabei esquecendo de Metal Gear Solid, me conformando que não o jogaria mais.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Nem mesmo Crash Bandicoot 3 e o primeiro Resident Evil eu conseguia achar!

Até que o destino sorriu para mim novamente. Pois em meados de 2005 ou 2006, comigo agora possuindo o tão amado Playstation 2, as coisas mudaram. As lojas vendiam games do Playstation 2 aos montes, não importando se o jogo era bom ou ruim, todo lançamento era facilmente encontrado. E, num dia como outro qualquer, encontrei um título que me chamou atenção imediatamente – Metal Gear Solid 3: Snake Eater.

Caramba! Metal Gear Solid já estava em seu terceiro game! E se eu não consigo jogar o primeiro, vou tratar de comprar esse agora mesmo! Comprei. E… o azar me acompanhou novamente. O disco não funcionava. Ele estava em perfeito estado, mas simplesmente não funcionava. A decepção atingiu em cheio novamente.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Olá novamente, Metal Gear!

Se você viveu aquela época então certamente passou pela mesma situação: comprou um game que não funcionava, ou que travava justo na parte final. Na era da pirataria isso acontecia direto. Porém, eu queria muito jogar Metal Gear Solid 3, tanto que cheguei a comprar o game 5 vezes até finalmente conseguir um disco que funcionava. (Eu trocava os discos com defeito, então não houve dinheiro jogado fora).

Finalmente, depois de anos, eu iria jogar Metal Gear Solid! E permitam-me dizer, que bom que eu insisti. Eu me apaixonei por cada segundo de Snake Eater. O stealth, usar a floresta para se esconder, caçar animais, os cenários, todas as batalhas contra os membros da Cobra Unit. Tudo naquele game era perfeito. E foi com esse game que eu aprendi inglês.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Tudo em MGS3 me fazia ficar de queixo caído na época

Aquelas cutscenes incríveis, parecendo até filmes de verdade, com uma história densa, com os CODECs e todos os personagens. Com esse game eu aprendi o um novo idioma, pois pela primeira vez na vida eu queria saber o que a história falava e literalmente joguei com um dicionário de Inglês-Português do lado, e joguei até enfim entender tudo!

Conhecendo os outros games da série

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Essas são as minhas “versões” de MGS2 e MGS3

Nesse ponto eu já tinha me tornado um imenso fã de Metal Gear Solid. Porém, eu joguei apenas o 3, ainda haviam 2 games anteriores. E mais uma vez iniciei minhas buscas, novamente sem qualquer sorte em encontrar o primeiro game. Porém, achei o segundo, e Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty foi o título que joguei em seguida.

Sons of Liberty é um game que dividiu a opinião dos fãs da série por vários motivos, o principal sendo que Solid Snake só era o protagonista da primeira parte do game, sendo substituído pelo novato Raiden. Eu estranhei isso em primeiro momento, mas não me importei, joguei do começo ao fim novamente com deslumbre nos olhos. 

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
A adição de Raiden foi algo bem controverso em Sons of Liberty

E se Snake Eater me ensinou inglês, então foi em Sons of Liberty que eu finalmente dominei o idioma, pois todos os termos científicos, longos diálogos e vários plot twists ainda eram confusos para mim. Tanto que após terminar o game pela primeira vez, eu imediatamente o recomecei do zero no mesmo instante, zerando-o 3 vezes seguidas até enfim entender 100% de sua história.

Porém, com isso eu fiquei confuso, como Snake e Ocelot eram jovens em 1964 e o Snake continuava jovem em 2007-2009? Faltava a última peça do quebra-cabeça, o primeiro game. Mas eu continuava sem sorte, não achava o game em lugar nenhum e não tinha internet boa o suficiente para procurá-lo na internet e gravá-lo por conta própria.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Ocelot, a a peça central dos eventos da série

Isso tudo aconteceu no auge da era do Orkut e do MSN, quando o Facebook ainda era uma rede social pouco conhecida por aqui. Incapaz de jogar o primeiro Metal Gear Solid, tive que me contentar em conhecer a história do game através dos arquivos de texto dentro de Sons of Liberty e através de informações na internet.

Foi nessa época que eu entrei na comunidade Metal Gear Solid BRASIL, chegando até a me tornar moderador dela! Então, se você viveu aquela época e estava nessa comunidade, saiba que eu também estava lá! E deixem-me falar, essa foi uma comunidade muito importante para mim, pois não só foi graças a ela que meu amor e conhecimento sobre Metal Gear cresceu, mas foi lá que conheci amigos que estão comigo até hoje!

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
A antiga comunidade Metal Gear Solid BRASIL, em que fui moderador!

Nessa época, o Playstation 3 estava prestes a ser lançado e Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots foi anunciado. E eu estava com o hype nas alturas. Esse foi o game que mais esperei pelo lançamento em toda a minha vida, mas não poderia jogá-lo tão cedo, precisava de um Playstation 3 primeiro.

O tempo foi passando e passando até o final de 2008, ano em que me formei no ensino médio. E de repente, no final do ano, um colega de classe chega para mim e fala “Ei, eu tenho o Metal Gear Solid, se quiser eu faço uma cópia para você!” – E nesse momento finalmente minha saga de anos estava prestes a ser concluída!

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2

Nenhuma loja próxima tinha o game para que eu pudesse comprá-lo, eu não tinha internet boa o suficiente para ir atrás do game por conta própria e até então, eu era basicamente o único de meu círculo de amigos a ter jogado a série. Até que enfim, exatamente no dia da cerimônia da minha formatura, eu recebi desse meu amigo os dois discos de Metal Gear Solid. Finalmente, depois de anos, a saga chegava a seu fim!

O reencontro

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
E aqui estão os 2 discos de Metal Gear Solid que ganhei em minha formatura!

E então, a busca que durou cerca de cinco anos terminava. Eu enfim tinha Metal Gear Solid, com seus 2 discos, que funcionavam! E nas férias de 2008-2009 tudo o que eu fiz foi jogar Metal Gear Solid. Finalmente eu refiz aquela luta contra Revolver Ocelot e pude ver o que acontecia após o diálogo com Kenneth Baker.

As batalhas contra Vulcan Raven, Sniper Wolf, a batalha mano a mano contra Gray Fox e o confronto contra o Metal Gear REX e Liquid Snake. E sem jamais esquecer a emblemática luta contra Psycho Mantis! Enfim, o fim. Eu finalmente joguei o game que conheci numa feira até o seu término, absorvendo cada segundo de seu gameplay.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Quem viveu esse momento jamais o esqueceu

Joguei até quase decorar todas as suas falas. Ouvi todos os CODECs, vi Psycho Mantis ler meu Memory Card e fazer meu controle se mexer. A única coisa que eu jamais fiz no game foi desistir na sessão de tortura de Ocelot. Todas as vezes que joguei eu resisti até o fim, quase quebrando o controle quebrando o dedo, mas salvei Meryl todas as vezes!

E assim, minha história com Metal Gear Solid chegava a seu fim. Mas mal sabia eu que era o fim de apenas um capítulo. E que muito mais viria depois! E olha, o que veio depois eu jamais preveria, nem mesmo em sonho!

The Best is Yet to Come

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2

Após tudo isso, eu finalmente consegui comprar um Playstation 3 junto de Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots. Sendo que esse foi meu único game para o console por um bom tempo. E eu o rejoguei várias vezes, como se fosse um jogo novo toda vez. Este foi o game pelo qual eu mais fiquei hypado em toda a minha vida!

E assim os anos se passaram, veio Portable Ops, que infelizmente nunca joguei por não ter tido um PSP. Peace Walker, que pude jogar ao ser lançado em sua versão HD no Playstation 3. E também os antigos Metal Gear e Metal Gear 2: Solid Snake do MSX, que também joguei. E assim a vida seguiu, até que em 2013 Hideo Kojima lançou aquele trailer “falso” do game que se tornaria Metal Gear Solid V: The Phantom Pain. Pouco tempo depois lançando seu prólogo, Ground Zeroes.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2

Meu amor pela série continuava o mesmo desde que eu me tornei fã, muito graças a comunidade Metal Gear Solid BRASIL, que infelizmente nesse meio tempo deixou de existir, junto do Orkut. Com isso, muitos dos conteúdos que eu e meus amigos criamos para a comunidade se perderam para sempre.

Mas ainda assim, o amor pela série seguiu, enfrentando os tempos difíceis que foram 2014 e 2015: Com o anúncio de P.T. e o cancelamento de Silent Hills. Toda a briga entre Kojima e Konami que culminou em sua saída da empresa e em vários cortes de conteúdo em The Phantom Pain e etc. Até o anúncio de Death Stranding e os anos que se seguiram até seu lançamento, em 2019.

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
P.T. foi uma simples demo que causou um imenso impacto na indústria

Mas no ano de 2017 algo que eu jamais poderia prever aconteceu. Hideo Kojima em pessoa veio ao Brasil pela primeira vez em sua vida! Ele foi convidado pela Brasil Game Show para o evento, para ser homenageado e encontrar seus fãs brasileiros. E eu consegui estar lá!

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
Nunca em minha vida eu sonhei que esse momento aconteceria. Mas aconteceu!

Para ter a chance de se encontrar com Kojima, os visitantes da feira precisaram tentar a sorte se inscrevendo para seu Meet & Greet para apenas 300 pessoas. Todos os anos eu compareço à BGS como imprensa, mas isso não significava nada nesse caso. Contei os segundos e rezei para minha internet me ajudar e consegui me inscrever nos dois Meet & Greet e para assistir de perto a homenagem à Kojima! E consegui me inscrever em tudo!

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
E aconteceu não só uma vez, mas duas!

Muitas pessoas possuem histórias muito legais com seus games preferidos! Como nosso próprio amigo Rodrigo Pscheidt com Final Fantasy VII! E se você ainda não leu a Parte 1 e Parte 2 do relato dele, então trate de correr lá e conferir, pois é uma história e tanto! E minha história com Metal Gear Solid no fim é uma daquelas das mais improváveis!

Conheci a série graças a um vendedor mal-intencionado que me vendeu um disco arranhado e ganhou um dinheirinho as minhas custas. Mas graças a esse vendedor que me passou a perna eu conheci um game diferente de tudo o que eu já havia visto, que acabou sendo o pontapé inicial para que eu conhecesse minha série favorita nos video games. Terminando, em seu capítulo final, comigo conhecendo seu criador, Hideo Kojima!

Pós-créditos

Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid - Parte 2
O que começou com um CD arranhado terminou com autógrafos!

E assim chega ao fim minha história com Metal Gear Solid! De uma simples barraquinha de feira até a Brasil Game Show! Essa é uma série que me marcou muito, de muitas maneiras diferentes. E uma que eu tenho uma verdadeira história de vida!

Minha história pode ter acabado, mas ainda há mais por vir! Tem mais gente na equipe da Arkade com histórias legais para contar! Então continuem ligados pois a coluna Memory Card ainda possui arquivos de load para resgatar do passado!

E você, também tem uma história com algum video game que te marcou? Conta aí pra gente!

7 Respostas para “Memory Card: Minha história com Metal Gear Solid – Parte 2”

  • 13 de junho de 2020 às 22:27 -

    Helinux

  • Seu relato me fez lembrar os bons tempos em que fui em busca de cartuchos, CDs e até revistas!!!! Existia sim uma grande jornada no qual o prêmio era uma boa jogatina ou leitura sobre determinado game!!!! Esse é o mal da internet…infelizmente está tudo na ¨REDE¨, e…tira um pouco da graça, ansiedade e o prazer de jogar. Conheço pessoas que antes de comprar tal jogo, vêem determinado vídeo do jogo já lançado lá fora e assim vai!!!! Lembro que andava Quilômetros atrás de determinado cartucho de NES, lembro!!!! No final das contas a ansiedade era o que fazia vc movimentar, juntar dinheiro para comprar a revista de vídeo game da época e as vezes alugar cartuchos!!!! Tenho boas lembranças da época 8 e 16 bits da vida…Já essa fase 32 bits e adiante, foi a fase onde fazia curso de Operador de Micro e pensava em juntar dinheiro para comprar um 486DX-100MHZ!!!! As locadoras e fliperamas me ajudaram muito nessa fase Playstation e Sega Saturn…alguns amigos tinham dinheiro para comprar o vídeo game moderno da época e eu apenas ficava sonhando quando iria comprar o meu querido Playstation 1 da vida!!!! Meus vídeo games da vida sempre foram de segunda mão mesmo…Antes tinha tempo para jogar e hoje não…essa é a dura realidade em termos de tempo, trabalho e responsabilidade!!!! Tento conseguir tempo para zerar novamente Metal Gear Solid!!!! valeu!!!!

    • 14 de junho de 2020 às 03:19 -

      Renan do Prado

    • Infelizmente a vida é assim mesmo, ganha-se coisas e perde-se outras. Realmente naquela época era diferente, e eu conheci bastante jogo legal graças a revistas! E zera aí o Metal Gear Solid quando puder! Eu mesmo precisava desenferrujar meu conhecimento rejogando a série toda!

      • 14 de junho de 2020 às 15:39 -

        Helinux

      • Valeu!!!!

  • 14 de junho de 2020 às 22:32 -

    ivan

  • pô mano, onde vc morava? aqui em SP era comum o resident evil e metal gear, eram extremamente populares e temos a vantagem de sermos um entreposto da pirataria brasileira. Tinha umas barracas perto de casa que eram minhas fontes, CD’s de primeira linha com capinha e 100% funcionantes

    • 15 de junho de 2020 às 00:58 -

      Renan do Prado

    • Moro no interior de São Paulo. Tanto que só fui achar Crash 3 e RE1 justamente em São Paulo, mas aqui onde eu moro ,não achava de jeito nenhum!

  • 15 de junho de 2020 às 22:51 -

    Andre Lima

  • Muito da hora ler isso e lembrar daquela época. Não foi metal gear comigo mas foi o CD demo do Play que veio Spyro e meu carinho por jogos de aventura que tenho até hoje. Hahahha… Parece besta mas meu amigo rico me mostrou Spyro completo e depois me deu um jogo besta que ele não gostava chamado Ape Scape e foi quando explodi… Não foi o sucesso de metal gear mas foi quando eu percebi que vídeo game estaria na minha vida pra sempre, me divertindo sozinho ou coma os amigos no bom e velho sofá!

    • 15 de junho de 2020 às 22:58 -

      Renan do Prado

    • É legal ver mais histórias de primeiros encontros inusitados com algum game ou franquia! Ape Espace mesmo é uma que nunca joguei, mas sempre tive vontade depois de jogar o Snake vs Monkey no Metal Gear Solid 3!

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *