Nintendo ignora Wii U em relatório a investidores

16 de setembro de 2020
Autor: Junior Candido
Nintendo ignora Wii U em relatório a investidores

Que o Wii U foi um grande problema para a Nintendo, isso todos que tem alguma ligação com o mundo dos games, sabem. Agora, o curioso é a Big N, em seus canais de comunicação, com o consumidor e com seus acionistas, fazer de conta que o console nunca existiu.

A Nintendo entregou, durante o dia de hoje (16), um relatório para seus investidores e analistas. Shuntaro Furukawa, o atual presidente da companhia, fala no documento sobre os 35 anos de Super Mario, a sua filosofia de trabalho, o relacionamento da empresa com seus consumidores, e sua visão para o futuro.

Nintendo ignora Wii U em relatório a investidores
Cadê o Wii U, Nintendo?

Furukawa comenta sobre o sucesso do Nintendo Switch e o Nintendo Switch Online, que, em sua visão, criaram uma relação a longo prazo com seus consumidores, o que permitiu fazer com que a Nintendo planeje produtos “únicos”. Exemplos já estão aí, como a parceria com a LEGO, ou o “carrinho de controle remoto” da companhia.

Porém, entre tantas coisas a serem avaliadas e comentadas, e que será melhor explicado em breve, aqui no Arkade, uma coisa chama a atenção: o fato de que o gráfico sobre o futuro, que mostra um possível novo console dentro de meses, ou anos, também ignora completamente o Wii U na sua “linha do tempo”:

Nintendo ignora Wii U em relatório a investidores

O gráfico mostra a integração de hardware e software entre Nintendo DS e Wii, entre os anos de 2004 e 2006, e salta para 2017, quando afirma que seu Nintendo Switch cumpre o mesmo papel. Mas nada de Nintendo Wii U que, também, cumpriu esse papel de integração entre hardware e software. Tendo, inclusive, alguns de seus recursos melhorados no Switch.

Em uma análise que fiz sobre o preço do Switch no Brasil, considerei que a Nintendo teve muitos problemas com o Wii U. O gráfico de ações da empresa mostram quedas bruscas em seus papéis, durante a época do console, com recuperação com o lançamento, e posterior sucesso, de seu sucessor.

O que faz, inclusive, que a Big N mantenha a postura de preços considerados altos em seus produtos, como o próprio Nintendo Switch, que nunca sofreu um corte de preços, e seus games antigos, que não saíram do chamado “preço cheio”, sendo que Sony e Microsoft, com o passar dos meses, costumam abaixar o preço de seus exclusivos. Tal estratégia pode ser avaliada tanto como maneira de manter valor em seus produtos, como também um meio de se recuperar o tempo (e dinheiro) perdidos com o antecessor, agora ignorado pela própria empresa.

O Wii U chegou ao ponto de ser o Virtual Boy dos dias atuais? Diga para a gente o que pensa a respeito de toda essa situação.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *