Pai muda sexo de Link para encorajar sua filha a jogar Zelda: The Wind Waker

13 de novembro de 2012
Autor: Henrique Gonçalves

Pai muda sexo de Link para encorajar sua filha a jogar Zelda: The Wind Waker

Mike Hoye  é um pai MUITO dedicado: ele decidiu alterar o texto completo de The Legend of Zelda: The Wind Waker para que Link seja uma menina. Tudo isso para aumentar a identificação de sua filha de três anos com o jogo.

Mike Hoye acha que existem muitos protagonistas masculinos nos videogames e assim para agradar Maya, ele decidiu modificar The Legend of Zelda: The Wind Waker e fazer com que Link seja uma menina na história.

Assim ele pegou o jogo e modificou todo o texto e todos os diálogos que referenciavam Link como um garoto e modificou-os. Nenhuma mudança foi feita no game em si, seu visual e suas mecânicas continuam as mesmas. Mesmo assim, Mike teve um trabalho de adaptação imenso, afinal frases inteiras tiveram que ser trocadas para se adequar à mudança de sexo do protagonista.

Depois de duas semanas de trabalho, ele criou sua versão do game, onde Link virou uma menina. Agora, sua filha entende que ela poderá ser uma heroína, assim como a protagonista de Wind Waker.

Quem quiser jogar esta versão “girl power” de Wind Waker pode ir diretamente para o site que ele abriu e baixar o patch, para poder curtir The Legend of Zelda: The Wind Waker como uma garota.

Talvez isso possa criar problemas no futuro, quando a pequena Maya crescer, ver um game “maior” da série Zelda e se deparar com um Link do sexo masculino flertando com uma Zelda do sexo feminino. Ou não, pois seu pai pode deixar bem claro o que fez por ela, tornando ainda mais bonita a atitude.

Mesmo assim, é impressionante o trabalho deste paizão para aproximar sua pequena filha do mundo dos games de maneira otimista.

P.S. E com isso, o meme gamer Zelda is the Girl perde um pouco de sua graça! =D

(Via: Destructoid)

22 Respostas para “Pai muda sexo de Link para encorajar sua filha a jogar Zelda: The Wind Waker”

  • 13 de novembro de 2012 às 16:14 -

    Renan do Prado

  • Bem legal a atitude desse pai!!!! Gostei mesmo.

    Só espero que no futuro a Maya não tenha uma reação do tipo: “My childhood was a lie!!!”

    • 13 de novembro de 2012 às 23:10 -

      Ana

    • Uma parte da minha foi ):

      Meu pai costumava jogar o Super Nintendo. E eu com meus seis ou sete anos queria jogar também, mas junto com o meu pai. Então ele me dava o segundo controle [desplugado do console] e eu acreditava que estava jogando, sendo que na verdade era meu pai. Isso durou mais ou menos uns três meses.

      Um dia, eu fui me encostar direito no sofá e notei que o controle ‘veio’ junto comigo, sendo que meu pai tinha que ficar inclinado para frente para poder jogar. Puxei o cabo, somei 2+2 e notei que TRÊS MESES DA MINHA INFÂNCIA FORAM DESPERDIÇADOS.

      Na hora eu parei e comecei a falar um monte para o meu pai. Que ele era um mentiroso, que ele havia me ensinado que não podemos mentir mas havia me enganado, se ele não tinha vergonha na cara, se ele não se arrependia do que tinha feito. Só que ‘sácumé’, meu pai ficou me olhando com cara de WTF e depois começou a gargalhar muito alto. Como toda criança não levada a sério, fui chorar com a minha mãe e fiquei uma semana sem falar com o meu pai direito.

      Aí ele me ensinou a jogar. Fim lol

      • 13 de novembro de 2012 às 23:57 -

        Rodrigo Pscheidt

      • Kkkkkkkkkkkk. Quando a Ana abre o seu baú de lembranças, é certeza de uma história muito divertida aqui nos comentários! =D

        As vantagens da atual geração: com controllers wireless, esta tática deve funcionar por mais tempo! XD

      • 14 de novembro de 2012 às 00:20 -

        Renan do Prado

      • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Eu fazia isso com priminhos ou crianças pentelhas que me atormentavam querendo jogar video game, mas depois eu ensinava eles a jogar

      • 14 de novembro de 2012 às 14:05 -

        Ana

      • Meu baú de lembranças é melhor que o baú da Sony que não tem o Crash. Há [sim, eu ñ aceito que o Crash tá fora do elenco do All Star Battle Royale da Sony].

        Renan, aguarde, seus priminhos e as crianças pentelhas descobrirão. Já já, mwahahahhahahahahha!!!

      • 14 de novembro de 2012 às 16:42 -

        Renan do Prado

      • As crianças pentelhas eu nunca mais vi há anos, e os priminhos estão mais interessados em jogar bola hoje em dia kkkkkkkkkkkkkkkkk

  • 13 de novembro de 2012 às 16:18 -

    @albert_dark

  • Sem palavras para esse pai, ele merece muito respeito pela dedicação.

  • 13 de novembro de 2012 às 19:08 -

    Guilherme Matheus Silva

  • nobre =]

  • 13 de novembro de 2012 às 18:00 -

    Marcos Silva

  • Não sei o que mais me impressiona: a dedicação do pai para com a filha, ou uma menina de 3 anos que sabe ler e joga Zelda.

    • 13 de novembro de 2012 às 22:26 -

      Henrique Gonçalves

    • Eu to jogando Ocarina of Time e tem puzzles que não entendo :(

  • 13 de novembro de 2012 às 19:00 -

    Kubrick Stare Nun

  • Perai, perai! Você estão me dizendo que Zelda não é uma menina!?

  • 13 de novembro de 2012 às 19:22 -

    leandro(leon belmont) alves

  • para aqueles que não conhecem o game e acham que Zelda é o personagem, agora a confirmação se afirmou. e sinceramente, desde quando uma garota de três anos vai ter cabeça para se jogar Legend of Zelda? o game não é um Final Fantasy, Skyrim ou Dark Souls, mas não é fácil de terminar um game Zelda. nem eu que comecei a jogar aos cinco anos, teria mente para isso. Street Fighter 2 já era muito, imagine um Rpg?

    • 13 de novembro de 2012 às 20:13 -

      Kubrick Stare Nun

    • Um dia ela estará pronto, e o mod estará lá esperando por ela ;)

    • 13 de novembro de 2012 às 23:07 -

      Diana

    • Haha, meu amigo, não se engane. Perto do que já vi e ouvi de molecada de poucos anos de vida, Zelda é fichinha, pode ter certeza. E mesmo que ela deixe “passar” algumas coisas, nada a impede de jogá-lo novamente no futuro, quando terá novas concepções e interpretações, afinal, muitos jovens jogam hoje em dia games que foram lançados antes de seu nascimento. É a mesma aplicação. (:

  • 13 de novembro de 2012 às 23:00 -

    Diana

  • Pelo contrário, não causará problema nenhum, pois um pai como esse só pode criar uma filha de mente aberta. :D
    E “Zelda is the girl” ganha muito mais graça (e muito mais razão de ser!). Because that girl is The Girl, ok? ;)

    • 13 de novembro de 2012 às 23:24 -

      Ana

    • Também não acho que causará algum problema. É ainda melhor que as crianças cresçam com o leque da sexualidade e do gênero expandido, na minha opinião.

      Eu diria que, por hora, a Maya vai simplesmente achar que “a” Link e a Zelda são Best Friends Forever. No futuro, com mais maturidade, ela pode entender o que se passa (:

  • 13 de novembro de 2012 às 23:17 -

    Ana

  • OMG que pai fofinho. Quando eu era mais nova e jogava Donkey Kong, eu acreditava piamente que o Diddy Kong era uma menina. Identificação e tudo mais, já que eu sempre fiz o estilo Tomboy.

    O primeiro jogo que eu joguei e que havia uma concepção do social feminino foi F-zero, com o carro rosa. E eu ainda gostava de jogar mais com o azul.

  • 14 de novembro de 2012 às 16:22 -

    Edimartin Martins

  • Ele tinha que entregar Tomb Raider para ela. Assim ela veria uma heroina de verdade nos games.
    Coitado do link. Fez troca de sexo pelo SUS.

  • 14 de novembro de 2012 às 22:57 -

    Danilo Felipe

  • ME Lembrou deste video aqui: http://www.youtube.com/watch?v=8Q6S4HeUqGI

  • 15 de julho de 2013 às 12:59 -

    Tayna Tavares de Oliveira

  • Fé na humanidade restaurada! *_* Nada como um Link mulher para melhorar meu dia!

  • 15 de julho de 2013 às 13:21 -

    Caroline Miranda

  • <3 que maravilhoso

  • 11 de setembro de 2013 às 18:33 -

    Francisco Ferreira Gonçalves

  • WTF kem faz isso e anormal

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *