Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)

11 de abril de 2020
Autor: Rodrigo Pscheidt
Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)

Quem gosta de JRPGs e tem um Playstation 4 tem tudo para comemorar: em um período de menos de 2 semanas, o console recebeu dois grandes títulos: no finalzinho de março, chegou ao ocidente Persona 5 Royal. E ontem, 10 de abril, o mundo viu Final Fantasy VII Remake enfim ser lançado.

Por mais que sejam títulos bem diferentes, ambos os jogos tem um ponto em comum: nenhum deles é realmente um jogo “novo”: Persona 5 Royal é uma versão turbinada do jogo original de 2017. Final Fantasy VII Remake, como todo mundo sabe, é o remake do clássico jogo de PS1.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Com direito a recriação da capa do jogo e tudo!

Eu estou jogando ambos, mas minha experiência com as franquias é brutalmente diferente: eu joguei praticamente todos os Final Fantasy numerados (com exceção do XI e do XIV, que são MMOs), e zerei o Final Fantasy VII original duas vezes. Já a série Persona eu nunca joguei absolutamente nada.

Não foi realmente falta de vontade, mas de oportunidade, mesmo. E, pra ser bem honesto, com exceção de Chrono Trigger, esses RPGs com “cara de anime” nunca chamaram tanto a minha atenção — pois é, eu não sou fã de animes, me julgue.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Isso é o que eu quero dizer com “cara de anime”

Pois bem: tanto a assessoria da Atlus/Sega quanto a da SquareEnix nos enviaram cópias para review dos jogos com um pouco de antecedência (e eu agradeço a elas por isso <3). Porém, ainda não consegui terminar nenhum deles, mas estou tentando jogá-los em paralelo, avançando um pouquinho em cada um.

Fazer isso escancarou para mim como eles têm timings completamente diferentes. Eu estou com cerca de 26 horas de jogo em Final Fantasy VII Remake, e acabei de entrar no capítulo 13. A essa altura, já vi muita coisa da história, enfrentei um punhado de chefes e já tenho minha party praticamente formada.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
A clássica cena da catedral refeita <3

Já em Persona 5 Royal, estou com umas 15 horas de jogo… e ainda nem concluí a primeira dungeon. Tenho só os 4 personagens iniciais na minha party (presumo que haja outros), ainda não enfrentei nenhum chefe “de verdade” e o jogo vira e mexe ainda me apresenta algum tutorial ou novidade.

Diferenças de tom

Ainda que Final Fantasy VII já tenha um lugar pra lá de especial no meu coração, minha primeira jornada pelo mundo de Persona me faz perceber o quanto essa série é ousada, e trata de temas bem espinhosos. Essa primeira dungeon — que é numa espécie de mundo paralelo chamado Metaverso — na verdade é o castelo do rei Kamoshida, e funciona como se fosse o subconsciente de um treinador que, no mundo real, abusa de seus alunos. Nossa missão é “roubar seu coração” no Metaverso para que ele arrependa-se de seus atos no mundo real.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Repare que tem uma mina presa e outro de biquíni no meio do rolê

Pois é: só nas primeiras horas de Persona 5, já temos abuso físico e psicológico na história, com umas pitadas de perversão e pedofilia. Posso estar enganado, mas acho que nenhum Final Fantasy nunca abordou assuntos tão polêmicos — ainda que o “ecoterrorismo” de Final Fantasy VII para salvar o planeta seja um tema deveras relevante, e ele tenha contado inúmeras histórias grandiosas e envolventes de superação e heroísmo.

Não quero comparar a narrativa dos jogos, visto que ambas possuem suas próprias qualidades, mas é fato que o mundo de Final Fantasy VII é bem mais “inocente” que o de Persona 5. Quer um exemplo prático? Vamos lá: no FF VII Remake, acabei de passar pela parte da mansão do Don Corneo. Quem jogou o original sem dúvida sabe do que eu estou falando, não é?

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Cloud em seu momento diva!

Convenhamos: o que rola ali tinha tudo para ser um tema delicado, afinal, temos um chefão do subúrbio escolhendo jovens garotas para satisfazer suas taras e fetiches. Também há alguma perversão, envolvida, e a narrativa poderia ir longe nisso… porém, em um dos momentos mais galhofa da história dos videogames, ajudamos Cloud a se vestir de mulher para ser “a escolhida” de Don Corneo! XD

Enquanto isso, em Persona 5 Royal, uma adolescente angustiada pula de um prédio por não saber mais como lidar com o assédio do professor pervertido. E a gente acompanha o impacto disso na escola e nos outros estudantes, especialmente em sua amiga Ann, que acaba entrando para nossa party para se vingar do professor. Vê a diferença de tom?

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Ela sobrevive, mas fica bem mal :(

Em um pré-conceito ignorante, eu sempre achei que, por trazer basicamente adolescentes colegiais como protagonistas, Persona era uma série que abordava temas fúteis, supérfluos. Burrice minha! Não conheço os outros jogos da série, mas Life is Strange está aí para provar que jogos com adolescentes podem ser emocionalmente devastadores.

O fato é: todo esse lance do treinador/rei Kamoshida chegou como um soco no meu estômago. Eu não esperava algo tão dramático — novamente, burrice minha. E, se Persona 5 Royal trouxe isso em suas primeiras horas, eu mal posso imaginar o que mais sua narrativa vai apresentar!

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Sem contar que essas máscaras de sangue são bem legais!

Além disso, acho que os diálogos de Persona soam muito mais naturais. Os personagens realmente soam como pessoas conversando, sabe? No geral, o texto do jogo como um todo tem um feeling muito mais natural, ainda que o remake de Final Fantasy VII faça um ótimo trabalho em humanizar os personagens — como eu já te contei no meu preview do game.

Diferenças de ritmo

Outra diferença gritante entre os dois jogos é seu ritmo: Final Fantasy VII Remake é cinematográfico, ágil, e está o tempo todo levando sua história adiante através de cutscenes. Ok, existem áreas mais abertas, sidemissions e a gente até persegue uns gatos na favela, mas no geral, o andamento da história de Cloud, Aerith e cia. é muito mais dinâmico.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Tão dinâmico que tem até perseguição de moto (e nem é aquela que você está pensando)

Persona 5 Royal, por sua vez, rapidamente estabelece uma rotina: no mundo real (do jogo), você é apenas um estudante. Então, ir para o colégio, fazer tarefas e voltar para casa ao final do dia são coisas que você é obrigado a fazer.

O Metaverso — onde somos Thieves, desbravamos dungeons, summonamos Personas e enfrentamos monstros — é meio que a outra metade do jogo. Você pode ir para o Metaverso praticamente todos os dias, mas sempre tem que sair de lá, fazer sua lição de casa e ir para a cama, como um bom menino. Uma única dungeon pode levar mais de 10 horas para ser concluída, pois você vai avançando aos poucos, um pouquinho a cada dia (do jogo). E isso é necessário, pois esse lado “colegial” é parte fundamental da história.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Ir para o colégio de segunda a sábado faz parte do jogo

Se traçarmos um paralelo de Persona 5 com outro Final Fantasy — no caso, Final Fantasy VIII, meu favorito — fica clara a diferença: enquanto Persona 5 “nos obriga” a continuar estudando, em FF VIII a gente vê o protagonista Squall (que também é um estudante) simplesmente largar tudo para sair em busca de aventuras, salvar a mocinha (e o mundo)… e ele ainda leva a professora, junto! Só cumpre uns testes online e olha lá, nem pisa mais em uma sala de aula.

Sendo honesto: eu entendo como tudo isso é importante em Persona, mas esse apego dele às trivialidades do mundo real me enche um pouco o saco. Os professores até fazem perguntas de verdade pra gente responder (isso me lembrou do clássico Bully). Ainda que o passar de tempo do jogo não seja equivalente ao nosso, acompanhamos o passar dos dias no calendário, um de cada vez, e sempre vemos Joker pegando o metrô, indo para o colégio, fazendo tarefas… essa parte “mundana” do jogo me aborrece um pouco.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Joker é “gente como a gente” e encara metrô lotado todo santo dia

Mas, já vi que é nesse lado “colegial” de Persona 5 Royal que boa parte da história anda, e é onde os relacionamentos entre os personagens mais evoluem. Então, vamos indo, um dia de cada vez, destruindo monstros no Metaverso sem esquecer da lição de casa.

Diferenças de combate

Aqui é onde as diferenças são mais escancaradas. O novo Final Fantasy VII traz combates praticamente em tempo real, com barras de ATB que nos permitem desacelerar a ação para usar itens, magias e habilidades. As batalhas são rápidas e intensas, uma diferença enorme do sistema de combate por turnos “paradão” do jogo de 1997.

Deixo uma palhinha no vídeo abaixo, um combate contra um chefe com Cloud, Barret e Tifa na party:

Persona 5, por sua vez, segue trazendo um sistema de combate por turnos, extremamente intrincado e cheio de possibilidades. Cada personagem é auxiliado por uma Persona, que são como entidades que personificam seus sentimentos e valores. Mas fora isso você tem ataques físicos, projéteis, e mecânicas muito específicas como o Baton Pass e até a possibilidade de convencer na lábia inimigos a se tornarem novas Personas!

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Persona 5 e seus estilosos menus de combate

Eu gosto de ambos os estilos, mas o de Persona 5 Royal sem dúvida é muito mais estratégico e complexo. Isso não o torna melhor nem pior, apenas diferente. É questão de gosto. Como a série Final Fantasy já vem se afastando do combate por turnos desde o XII, é bom vermos que outras empresas seguem produzindo bons jogos dentro desta mecânica.

Diferenças de estilo

Aqui é onde os dois jogos dão um show, cada um à sua maneira. Final Fantasy VII Remake traz uma reimaginação completa de seu mundo, com personagens realistas (na medida do possível) e visual cinematográfico. O jogo é um espetáculo audiovisual, com ótimos efeitos de iluminação e uma trilha sonora que soa nostálgica, mas também surpreende o jogador com novos arranjos de temas clássicos.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Com direito a belos takes em câmera lenta

Persona 5 Royal, por sua vez, tem a “cara de anime” que eu já mencionei, mas é, sem dúvida, um dos jogos mais estilosos que já tive o prazer de jogar. Tudo nesse jogo esbanja estilo e atitude. Até os menus dele são incríveis! A trilha sonora é extremamente variada, e super combina com a vibe do jogo. De um jeito completamente diferente do de FF VII Remake, Persona 5 também é um espetáculo em termos de direção de arte, visual e som.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Fala sério, olha esse menu que coisa mais linda!

Ambos são jogos contemporâneos, que mostram a versatilidade dos videogames como “mídia para se contar histórias interativas”. Enquanto um deles é cheio de cutscenes que não devem nada para os melhores filmes em computação gráfica — incluindo aí o próprio Final Fantasy VII: Advent Children –, o outro é um jogo que transborda personalidade em cada detalhe, e aproveita a dramaticidade da linguagem de mangás e animes para tornar sua narrativa mais dinâmica e envolvente.

É engraçado, mas eu não consigo imaginar Persona funcionando como um jogo tridimensional “realista”, com modelos de personagens tão detalhados que dá até para enxergar os poros. E, recentemente, vimos outros jogos além de Final Fantasy abraçando esse modelo — os remakes de Resident Evil e Tomb Raider, por exemplo, trazem figuras humanas hiper-realistas que contrastam absurdamente com os polígonos desajeitados que eram o máximo que o PS1 podia oferecer. Mesmo conhecendo pouco a série, me parece “errado” imaginar um Persona indo por este caminho.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Barret, sério, tira esses óculos!

Ao mesmo tempo, embora já tenhamos visto o universo de Final Fantasy VII retratado de diversas maneiras (lembrando que já tivemos até um shooter de ação em terceira pessoa, Dirge of Cerberus), acho que a Square achou o formato ideal para recontar sua história, em termos de estética. Simplesmente não tinha como ser de outro jeito, e o que temos aqui é o ápice da evolução artística e estilística deste universo — ainda que eu ache os óculos escuros do Barret totalmente desnecessários (spoiler: ele ocasionalmente aparece sem eles).

Duas análises pendentes

Vou te falar: esse lance de ser “jornalista de games” demanda muito tempo e dedicação, especialmente em jogos grandes como esses. Pelo que vi por aí, Final Fantasy VII Remake leva cerca de 40 horas para zerar. Já Persona 5 Royal, passa fácil das 70 horas. Eu sei como soa babaca dizer isso tendo recebido ambos os jogos “de graça”, mas jogá-los tem me dado um bocado de trabalho!

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)

Apesar disso, está sendo um prazer visitar estes universos tão distintos. Espere uma análise completa e detalhada de Final Fantasy VII Remake para os próximos dias. A de Persona 5 Royal talvez demore um pouquinho mais, mas logo sai. Enquanto isso, você pode ler nosso review da versão original do game, assinada pelo camarada Fernando Floriano. ;)

P.S. Resolvi escrever este artigo porque esta quarentena está me fazendo rever um pouco meus conceitos de “jornalismo de games”. Estou gostando de produzir artigos um pouco mais reflexivos e pessoais, como o “Jogando Resident Evil 3 na Quarentena” ou mesmo meu preview de Final Fantasy VII Remake.

Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)
Tem alguém aí?

P.S.² Eu não sei se tem alguém lendo ou apreciando este tipo de conteúdo, mas se você curtiu, deixa um comentário aí pra eu saber que tem alguém lendo! :D

5 Respostas para “Persona 5 Royal X Final Fantasy VII Remake: dois JRPGs grandiosos (e bem diferentes)”

  • 11 de abril de 2020 às 22:16 -

    Helinux

  • Texto cheio de complexidades e comparações que ao mesmo tempo tenta fugir do conceito Anime em jogos de RPG!!!!
    A verdade é que muito jogo de RPG me atraiu por ter cutscentes, estilo de jogabilidade menos travada e que não seja muito longo em termos de cutscenes e tela de apresentação…chato apertar start e iniciar uma novela de 15 a 30 minutos antes do jogo!!!! Mesmo eu estando em Quarentena é dificil conseguir tempo para jogar RPG…hoje mesmo estava jogando RE 3 fakeRemake e depois engatei no RE 3 antigão…o antigão tem suas particularidades em forma de anime!!!! A quarentena mesmo está me forçando a jogar jogos mais rápidos…vontade de fazer tanta coisa e o tempo só passa se ocupar a mente!!!! No final das contas Final Fantasy VII é mais a minha praia mesmo!!!! valeu!!!!

  • 11 de abril de 2020 às 22:34 -

    Joey

  • Recentemente eu conheci Final Fantasy por conta de um amigo meu, e em contraparte, eu apresentei a ele o Persona hehe.
    Ambas primeiras experiências que tive com estes jogos, são totalmente distintas e divertidas da sua maneira.

    Acho que o principal motivo de Persona ainda ter as atividades do cotidiano, é porque remente muito ao conceito da psicanálise “persona”.
    Diria que é uma boa sacada para mesclar o conceito com a jogabilidade que pode não funcionar para o jogador.

    Eu tenho de concordar que Persona 5 Royal tem uma história cheia de densidade, e isso é feito de propósito de acordo com o que eu vi sobre a produção recentemente.
    Resumindo: Eles queriam entregar um jogo que fosse “algo a mais” para os japoneses, como nunca eles queriam que no quinto jogo retratasse o país deles.
    Apesar de ser algo admirável, aqui pelo Ocidente pode ser meio que “longe do público alvo”, mas é possível ainda se identificar com os assuntos polêmicos.

    Para terminar, eu gostaria de dizer que o que mais me encantou em Persona 5 foi os simbolismos e esse tom “mais sombrio”.
    Sem dá spoiler’s, uma parte curiosa do como o protagonista se sente, é que pode se se entender que ele é tão quieto por conta da sua escolha de se omitir. Ele se sente como um prisioneiro de fato, e sua primeira Arcana do Tarot sendo O Louco, significa que ele está se aventurando pelo mundo em busca de autoconhecimento, superando até mesmo A Morte e conquistando O Mundo. Os laços que ele forma é como a vida aqui, aprendemos com os mesmos pelo tempo de convivência e para isso criamos “máscaras sociais” – que são a persona – para entendermos essas pessoas e usarmos isso futuramente. O simbolismo que há em “Arrancar e tirar a máscara”, é uma mensagem de que pode ser sofrido se livrar dos preconceitos, defeitos e desejos profundos. Caso termine o jogo e queira saber mais sobre esses simbolismos, é possível encontrar na internet mais sobre.

    Espero jogar mais de Final Fantasy também no futuro, adorei muito esse Remake e sinto que pode até se tornar um dos meus jogos favoritos.

    Desculpe pelo texto longo, mas achei legal comentar algo nesse artigo interessante.(E desculpe se comentei aqui também, é que até então posso imaginar que comentei no lugar errado já que ninguém comentou lá em cima no outro espaço de comentários )

    • 12 de abril de 2020 às 22:07 -

      Rodrigo Pscheidt

    • Obrigado pelo comnentário, Joey! Pode ser direto pelo Face, ou aqui, tanto faz, o importante é comentar!

      Muito legal todo esse simbolismo de Persona e a relação com o Tarot que você mencionou. Esse é um jogo com várias camadas de significado, e estou realmente fascinado por todas as suas nuances.

      Fico feliz que tenha gostado do artigo. Volte mais vezes! :)

  • 12 de abril de 2020 às 15:32 -

    Ander Borges

  • Joguei FFVII na versão Psone e assim como eu marcou para muitos. Devemos lembrar que esse remake é uma atualização de algo que já vimos mesmo tendo suas mudanças comparada com a versão antiga. Persona já apresenta um mundo novo embora eu não tenha jogado ainda, acredito que eles trás as características clássicas de um anime para o mundo dos games. Quanto ao texto publicado, ficou ótimo inclusive despertou a curiosidade de conhecer mais sobre Persona e seu mundo

    • 12 de abril de 2020 às 22:09 -

      Rodrigo Pscheidt

    • Obrigado, Ander!

      De fato, o FF VII original é um clássico que mora no coração de milhões de jogadores. Felizmente, a Square tratou este remake com muito carinho, mas não teve medo de inovar e expandir o universo que a gente já conhece.

      E Persona, ainda sou “novato” neste mundo, mas desde já me parece um jogo fascinante. Se curte JRPGs, jogue quando pintar uma chance, acho que não vai se arrepender! :)

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *