Pokémon Black/White (Nintendo DS) Review: Um clássico renovado

25 de Março de 2011
Autor: Carlo Henrique

Pokémon Black/White (Nintendo DS) Review: Um clássico renovado

O primeiro jogo de RPG da franquia Pokémon surgiu há quase 15 anos para Game Boy. Era um jogo simples, que demorou muito tempo para ser desenvolvido e conseguiu fazer um enorme sucesso. Com isso, os monstrinhos migraram para os mangás e animés, e posteriormente ganharam sua própria franquia de RPGs. Os novos games desta série, Pokémon Black e White foram lançados recentemente para Nintendo DS. Será que a produtora GameFreak conseguiu inovar a série após tantos jogos parecidos? Confira as nossas impressões sobre os games e descubra!

A base de Black e White é a mesma de todos os outros games da série: uma cientista te chama para lhe dar um pokémon, com o qual você participa de batalhas com o intuito de se tornar o melhor treinador do mundo. Com o tempo, você vai aumentando seu acervo de monstrinhos, e pode treiná-los para participar de competições entre treinadores. A principal novidade do game fica por conta da nova locação, a região de Unova, habitada por dezenas de pokémons inéditos.

No lugar da tradicional Equipe Rocket temos agora a Equipe Plasma, um grupo de “ecologistas” que é contra o treinamento de pokémons, pois acredita que os humanos não têm o direito de capturar os bichinhos e controlá-los como bem entenderem. Boa parte das principais batalhas do game será contra membros da Plasma, que te esperam à paisana nos mais variados lugares.

Claro que não é só isso, e já no começo da história acontece um fato intrigante quando Gethsis, um dos líderes da Equipe Plasma, utiliza alguns poderes sobrenaturais. Seria ele um pokémon disfarçado?

Pokémon Black/White (Nintendo DS) Review: Um clássico renovado

Já nas primeiras batalhas você vai perceber uma das principais melhorias do game: em Pokémon Black e White os pokémons são muito mais animados do que nos games anteriores. Você pode vê-los se espreguiçando, reunindo forças para soltar um golpe, e caso algum monstrinho seja atingido pela magia sleep, ele realmente vai fechar os olhos e dormir, coisa que não acontecia nos games anteriores, onde ele continuava com os olhos arregalados, mesmo sob o efeito da sleep. Esse novo leque de animações contribui muito com o visual do game, e deixa as batalhas mais interessantes e dinâmicas.

A câmera durante as batalhas também está mais flexível, destacando melhor o pokémon que irá realizar um golpe e aumentando a dramaticidade dos ataques. Algumas mudanças de câmera também ocorrem durante a exploração do mundo, e vez ou outra a câmera realiza uma pequena deslocada para melhorar a visão do jogador, o que facilita a realização de certas ações.

Outra coisa que o jogador notará à medida que progride no jogo é que existem diferentes maneiras de se evoluir seus pokémons. Em trechos que a grama muda de cor, por exemplo, pode-se enfrentar dois pokémons de uma vez só, o que é muito bom para poupar tempo e treinar dois dos seus pokémons em uma mesma batalha.

Pokémon Black/White (Nintendo DS) Review: Um clássico renovado

Em outros lugares a grama chacoalha, como se algo estivesse escondido nela. Nestes pontos você pode encontrar Audino, um pokémon cor de rosa que dá um grande bônus de experiência quando derrotado. Após a metade do jogo, você ainda será apresentado às batalhas de pokémon em trio, que são muito intensas e desafiadoras!

Em termos de melhorias, vale ressaltar que algumas coisas chatas de Pokémon HeartGold e Soulsilver foram retiradas, como os telefonemas de outros treinadores lhe dizendo o que fazer, ou as partidas de futebol e corridas entre pokémons, mini games que não acrescentavam muito e não davam grandes recompensas.

Para estimular as partidas online e a interação entre os jogadores há o C-Gear,  um recurso Wi-Fi onde se pode batalhar com outros treinadores e ter acesso aos saves dos seus amigos. Em Castelia City há uma redação de jornal que explora bem a utilização desta novidade: você pode participar de mini games para descobrir qual o tipo de pokémon favorito dos outros jogadores, ou com qual criaturinha eles começaram a aventura.

Pokémon Black/White (Nintendo DS) Review: Um clássico renovado

Se as mudanças foram positivas no visual do jogo, o mesmo não pode ser dito da trilha sonora. Não há muita criatividade na composição das músicas, que podem até ser legais durante a aventura, mas tornam-se esquecíveis rapidamente por não apresentarem nada que já não tenhamos visto antes. As falas dos pokémons também continuam ruins: eles até tentam falar seus nomes, mas o velho som indecifrável sai dos bichinhos, como se eles fossem um rádio AM mal sintonizado.

Alguns jogadores com certeza vão pensar que as mudanças de Black e White são poucas, se comparadas com todo o resto que permanece essencialmente o mesmo, mas dado o sucesso da franquia nos últimos anos, é lógico pensar que a GameFreak não estava planejando reinventar a rodar. O objetivo da empresa era apenas resolver o principal problema dos RPGs da série Pokémon: o fato de começarmos um novo jogo já enjoados, pois todos os games anteriores eram muito parecidos. No geral, pode-se dizer que eles fizeram um bom trabalho, pois mesmo que sejam poucas, as inovações são suficientes para manter o jogador interessado.

Se você é fã de Pokémon ou simplesmente está procurando bons RPGs para o seu DS, estes novos títulos merecem a sua atenção, pois os gráficos melhorados, o gameplay otimizado e as melhoras no sistema de batalha e captura tornam Black & White um dos os melhores RPGs do Pokémon para DS até hoje.

6 Respostas para “Pokémon Black/White (Nintendo DS) Review: Um clássico renovado”

  • 25 de Março de 2011 às 10:12 -

    Renan

  • putz…. tanto tempo que não jogo pokemón…. Ultimo que eu joguei de verdade foi o Silver, em japonês, e consegui chegar na 1ª Liga na raça, com o Lugia capturado, foi TEEEEENSO!!!!! Pena que nunca zerei…… Eu tô com a versão Black pra emulador, ainda não tive tempo de jogar!!!!! Mas pra mim pokemón nunca enjoa!!!! Só quando não faço idéia de onde ir kkkkkkkkkkkkkkkk Aqueles telefoneas das versões Gold e Silver eram um saco, o carinha me ligava só pra falar que na hora que ia capturar tal pokémon ele fugia dele…. Mas estou bem feliz que a série ainda não tenha acabado!!!!!!!!

  • 25 de Março de 2011 às 12:52 -

    Fábio

  • Jogo Pokémon desde Red & Blue, estou jogando hoje o HeartGold e vou conferir o Black/White com certeza. Só não acho que tirar as ligações dos treinadores e os mini-games de corrida foram melhorias. Eles ajudavam, seja dando mais XP para os bichinhos ou algum item interessante. Acho estes mais interessantes que adivinhar o bicho favorito de outro jogador. =P

    • 25 de Março de 2011 às 13:19 -

      Renan

    • As ligações eram legais quando um treinador me desafiava para uma revanche, aí era legal

  • 25 de Março de 2011 às 14:30 -

    High Summoner

  • to jogando no emulador,escolhi o tipo grama no começo,é um jogo bom pena que eu não sei o nome de nenhum dos pokemons,so sei o da primeira linhagem e olha lá.

  • 7 de Maio de 2011 às 16:46 -

    Samanta F.

  • Você jogou BW de verdade? Não. Eu até tentei gostar da sua opinião, mas, você diz que “A base de Black e White é a mesma de todos os outros games da série: uma cientista te chama para lhe dar um pokémon (…)”. Como posso acreditar na opinião de uma pessoa que não testou o game? E se eu comprar o jogo, pagar caro e ele não ser nada disso que você me falou? A quem reclamarei? ¬¬ tsc tsc
    Caríssimo, poupe sua mãe dos adjetivos.

  • 17 de setembro de 2013 às 19:13 -

    Paulo Victor

  • mas como e que joga

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *