RetroArkade – Marvel Super Heroes War of the Gems

9 de fevereiro de 2020
Autor: Junior Candido
RetroArkade - Marvel Super Heroes War of the Gems

Nos anos 90, as Jóias do Infinito fizeram a cabeça dos fãs dos quadrinhos. Muitos anos antes dos filmes dos Vingadores trazerem as mesmas jóias para a cultura popular, a história envolvendo Thanos, os heróis mais poderosos da Terra, e até os X-Men, movimentou o mundo da Marvel e, consequentemente, inspirou a Capcom para produzir games neste sentido.

Assim, chegou Marvel Super Heroes, lançado em 1995 e usando a lendária CPS-2 da Capcom. Usando a metodologia de Street Fighter, mas já funcionando como um embrião de uma nova série que a Capcom produziria anos mais tarde (a série Versus), o game fez muito sucesso, incluindo o fato de contar com as Jóias no gameplay.

Mas, o Super Nintendo também recebeu a sua versão da história das jóias. Embora não contasse com a capacidade de rodar o mesmo game do arcade, acabou recebendo uma boa adaptação, com elementos do famoso game de luta, e ideias aplicadas em outros games da Capcom no 16-bits da Nintendo. Vamos, então, relembrar este game bem interessante.

Vamos procurar as esferas jóias do dragão infinito…

Diferente do game de arcade, a história trata da busca pelas jóias. Adam Warlock chama os Vingadores para ajudá-lo na busca das jóias, a fim de evitar que Thanos as encontre, e cumpra seu objetivo de conquistar o universo, e dividí-lo ao meio. São dois os arcos envolvendo as jóias que inspiram o jogo: Desafio Infinito e Guerra Infinita. Para a missão, Homem-Aranha, Capitão América, Hulk, Wolverine e Homem de Ferro são os escolhidos para buscar as jóias e encarar os inimigos.

Há liberdade na escolha de fases, além da base dos Vingadores, para treino. Cada herói tem suas habilidades e fraquezas específicas. Hulk é mais forte, mas se movimenta mais devagar, o que deixa o jogo mais difícil em alguns momentos. Enquanto o Homem-Aranha, mais veloz e capaz de atingir mais lugares, é mais fraco. Se você perder todas as vidas de um personagem, ele fica inacessível para as próximas fases, mas é possível escolhê-lo várias vezes enquanto “vivo” nas fases do game. Encontrando itens R no jogo, dá pra reviver os jogadores “mortos” também.

As jóias fazem papel importante aqui também. Assim como em Marvel Super Heroes, as jóias influenciam na jogabilidade. A jóia do poder aumenta a força de ataque, a do tempo deixa o personagem mais rápido, a da alma duplica o medidor de vida do personagem, a realidade mostra todos os itens extras da fase, e a do espaço permite saltos maiores. Apenas a última jóia, a da mente, é recolhida diretamente de Thanos, no embate final.

As jóias estão espalhadas pelo mundo, e espaço. As fases envolvem locais como o Monte Vesúvio, na Itália, a Amazônia brasileira, o Egito, ou o Aquário de Boston, nos EUA. Há locais fictícios, característicos da Marvel, como o Castelo do Dr. Destino, ou a Fortaleza de Thanos. São quatro fases na primeira parte, uma luta contra Magus, mais quatro fases, uma luta contra a Nebulosa, até a luta final contra Thanos.

Um único contra, em um game tão recheado de conteúdo (para a época), está na ausência de personagens. Apesar de contar com um bom número de heróis para controlar, os inimigos são, em sua maioria, cópias dos Vingadores, com outra paleta de cores. Não se sabe se foi limitação da memória, ou preguiça do planejamento, mas aparições especiais de outros heróis ou vilões, pelas fases, fariam um bem danado por aqui.

Um “jogo de luta” dentro da plataforma

X-Men: Mutant Apocalypse já havia oferecido vários elementos que se repetiram em Marvel Super Heroes: War of the Gems. Mas, algo que foi melhorado, e muito, foi a possibilidade dos golpes especiais, assim como num game de luta. O game de Super Nintendo sempre foi apresentado como um game de plataforma, como opção ao game de luta que fazia sucesso nos arcades.

Mesmo assim, golpes foram programados em todos os heróis. O que davam aos heróis uma maior gama de opções no gameplay, e ajudava nos combates contra os chefes, que, de certa forma, funcionam como um bom e velho jogo de luta. Veja os golpes:

Capitão América

→→ + Y – Lança o escudo em linha reta
↓↓ + Y – Lança o escudo na diagonal para baixo
↑↑ + Y – Lança o escudo na diagonal para cima
→↓↘  + Y- Uma investida com o escudo
Especial – Capitão convoca uma chuva de misseís devastando o oponente

Homem-Aranha

↑↑ + Y – Lança teia para o alto e fica balançando, apertando Y novamente o Homem Aranha caí como um missíl em seus oponentes
↓↘→ + Y – Lança teia que paralisa o inimigo
↑ + Y – Um pequeno combo
Especial – Homem Aranha lança a teia em diagonal se acertar, seu oponente será jogado de um lado para o outro

Wolverine

→→ + Y – Uma investida 
↓ + Y (no ar) – Um rasante no estilo falcão
↓↘→ – Uppercut
Especial – Wolverine fica dourado e todos os seus ataques tornarão o vento uma navalha

Homem de Ferro

↑↑ + Y – Uppercut 
↓↓ + Y – Joga uma granada
↓↘→ + Y (pode ser usado no ar) – Lança um feixe de energia
→→ + Y (no ar) – Uma investida voadora
Especial – Um laser vem dos céus sobre o Homem de Ferro

Hulk

→→ + Y – Hulk vai com tudo para cima dos oponentes em uma investida
↓→↘ + Y – Bom para linkar com o combo, um daqueles pulos que derrubam o inimigo 
↓↘→ + Y (perto) – Hulk agarra o oponente e o arremessa
Especial – Hulk faz o chão tremer

Passwords

Boston Aquarium    WW614 LA3L8
Alaska                     Q381L LA49H
Dr. Doom’s Castle   X38RL LA527
Amazon                  VPJBL LA4V8
Arizona Mining        X7LFL LA4K8
Asteroid Belt           XLQFL LA49V
Latveria                  WX2H4 K(Gamma)2DQ
Magus defeated     S7JBL(Gamma)11S9
Egypt                      RTJ7L(Gamma)11YH
Mt. Vesuvius           R3RGL LA562
End                         CDERT TYYUGH

O Mega-Man dos Vingadores

Embora com forte influência dos beat ‘em up da própria Capcom, um outro formato de gameplay se mostra bem forte neste game. Trata-se da estrutura de Mega Man. O robozinho azul trouxe variedade, para que o game não fosse apenas mais uma cópia de Final Fight, com os heróis da Marvel. É possível, por exemplo, escolher a fase que você quiser, com uma missão intermediária, que libera uma segunda leva de fases, e direciona o jogador ao Castelo do Dr. Willy Fortaleza de Thanos.

Você escolhe os personagens, cada um com as suas habilidades especiais. Levemente inspirado nas armas especiais do nosso amigo azul. E, com estas habilidades, é possível explorar mais as fases, alcançando locais impossíveis para alguns personagens. Lembra também o esquema de armaduras de X, que permite, com a bota, por exemplo, alcançar locais extras nas fases. Além do modelo “jogue melhor a fase com personagem X”.

Também há a possibilidade de ampliar seu portfólio, com o uso das jóias coletadas, e “tanques de energia”, outro elemento “emprestado”. E, por fim, a construção das fases. Há níveis que contam com “labirintos” de portais, elementos também encontrados nos jogos de Mega Man. É claro, o jogo tem a sua identidade própria e, em uma primeira olhada, segue com cara de beat ‘em up. Mas, elementos de exploração no melhor estilo de Mega Man, deram ao game um pouco mais de vida útil, ao invés de deixá-lo “preso” apenas ao “ande para a frente e aperte o botão de soco”.

Uma boa nostalgia com os Vingadores

Se hoje as Jóias do Infinito voltaram à atenção da cultura popular com tudo, graças aos filmes dos Vingadores, nos anos 90, a história envolvendo os artefatos e Thanos revolucionou o mundo dos quadrinhos. Tanto que são dois games da Capcom envolvendo este elemento, e que ainda seria utilizado anos mais tarde em um Marvel vs. Capcom.

O bacana aqui é relembrar estes momentos, mas na época do auge das histórias nos quadrinhos. Muitos, com certeza, se interessaram em conhecer a saga do Titã Louco jogando estes games. E, no Super Nintendo, com grande certeza, os heróis fizeram um bom papel. O game tem uma boa dificuldade, que exige do jogador, mas não é injusto. Oferece melhorias no gameplay conforme o avanço do jogador, e tem um visual caprichado, típico dos momentos finais do Super Nintendo.

Vale a pena assoprar a fita dos Vingadores mais uma vez, e curtir o game. Que infelizmente, devido a licença da Marvel, dificilmente aparecerá em coletâneas futuras da Capcom. Especialmente em uma época a qual a produtora anda tão animada, em relançar seus games para as plataformas atuais.

Uma resposta para “RetroArkade – Marvel Super Heroes War of the Gems”

  • 9 de fevereiro de 2020 às 21:14 -

    Helinux

  • Saudades dos anos 90…super nes, mega drive, locadoras de vídeo e video games e da era de ouro dos Arcades da vida!!!! Bons tempos em que jogava esses clássicos jogos no Buteco do Seu Zé!!!! valeu

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *