RetroArkade: Snake tinha um colega no PSOne. Relembre Gabe Logan e Syphon Filter

1 de março de 2015
Autor: Junior Candido

RetroArkade: Snake tinha um colega no PSOne. Relembre Gabe Logan e Syphon Filter

Durante a era de ouro do Playstation e do gênero ação/espionagem, Gabe Logan apareceu para ajudar Snake a manter o mundo longe dos terroristas e de ameaças. Que tal voltar a ser espião em Syphon Filter?

O universo dos jogos de ação podem ser divididos em duas eras: Antes de Metal Gear Solid e Depois de Metal Gear Solid. É lógico que estes jogos sempre existiram, mas após Shadow Moses, os jogos de “andar e atirar” (e todos os outros) mudaram profundamente.

Uma grande mudança foi no foco do enredo: a temática séria envolvendo conspiração, armas nucleares e clonagem fez com que os jogadores ficassem mais exigentes daqueles roteiros “salve o Presidente e/ou o mundo” sem nem explicar direito a razão. E outra mudança que veio desde então estava na mecânica de controle: agora o seu herói fazia mais do que apenas andar pelos cenários com uma arma na mão. Ele podia usar o cenário a seu favor, usar armas silenciadoras para surpreender seus inimigos e interagir de maneira mais profunda com os cenários.

E foi neste cenário que em 1999 a 989 Games lançou “mais um” jogo de espionagem: Syphon Filter. Mas este “mais um” tinha sua identidade: Gabriel Logan e Lian Xing são agentes da Agência, estão no encalço do Coringa terrorista Erich Rhoemer e também do vírus mortal Syphon Filter, que pode exterminar a humanidade nas mãos de radicais.

RetroArkade: Snake tinha um colega no PSOne. Relembre Gabe Logan e Syphon Filter

O visual conseguia transmitir os ambientes dos cenários do jogo, situados nas ruas de Washington, no laboratório onde os vilões desenvolviam o vírus ou no meio da neve, trazendo muita variedade, coisa que não ocorria no gameplay. Usando do sistema comum da época (dentro de um cenário, realize um determinado número de tarefas e chegue ao “fim” da fase), as missões eram um tanto repetitivas e os combates problemáticos, graças a falta de habilidade dos desenvolvedores de dominarem os controles analógicos na época.

Se hoje é comum usarmos os dois analógicos, um para controle e outro para a câmera, um jogo totalmente 3D como Syphon Filter sofria muito com os dois controles em uma só alavanca. MGS se saía melhor por ter câmeras pré-estabelecidas, mas sei de muita gente que desistiu do jogo na época por não conseguir escalar uma parede. O fato da missão terminar caso seja descoberto em momentos específicos fazendo voltar tudo de novo também enchiam o saco. Mas coisas boas também foram apresentadas em Syphon Filter: a barra Target, onde quanto mais na mira o inimigo estava mais a barra se enchia era uma mão na roda, assim como o prático radar e a mira legal.

RetroArkade: Snake tinha um colega no PSOne. Relembre Gabe Logan e Syphon Filter

Se você também se confundiu bastante na tela inicial do jogo, não deixe de comentar.

Sobre a mira: aqueles quadradinhos verdes com um pontinho ajudavam muito nos tiros na cabeça mesmo com armas menores, inclusive com o indicador de head shot aparecendo quando a mira estava perfeita. O sangue jorrando ou sujando as roupas dos inimigos também impressionava. E se sua mãe brigou com você por causa desse jogo, pode compartilhar com a gente.

Mesmo assim o jogo divertia e quem driblava esses problemas achava uma história digna de filmes B de ação (e isso é um elogio), já que a trilha sonora era bem legal e junto com as cenas em CG, passavam bem aquele clima de filmes da época, como Missão Impossível (que inclusive tinha um game semelhante nesta época no N64: a versão de PSOne chegou depois). Pra falar a verdade, era tão “filme B” que seu final tinha aquela “famosa” ponte que faz a galera perguntar no final se “vai ter o 2”.

E de fato teve. E também teve o três, que podemos falar deles algum dia. Todos jogos idênticos e com mudanças apenas nos cenários e missões, foram três títulos muito importantes para a gigante biblioteca do Playstation original. E foram tão legais que mesmo os problemas citados por mim nem passam pelas memórias dos fãs, que ainda puderam aproveitar a série no Playstation 2. A geração passada passou em branco e com tanto jogo sendo remasterizado/refeito/relembrado, Syphon Filter seria uma ótima alternativa.

Até porque pelo menos pra mim, ele cumpria seu lado “Sessão da Tarde” de ser: um jogo que não exigia muito das minhas expectativas, mas que era legal, divertido e gostoso de se aproveitar.

 

10 Respostas para “RetroArkade: Snake tinha um colega no PSOne. Relembre Gabe Logan e Syphon Filter”

  • 1 de março de 2015 às 11:24 -

    Carlos Schneider

  • Esse jogo marcou muito quando tinha PS1, os 3 da franquia na verdade, espero uma continuação de gente não aquela horrível q teve anos atrás.

  • 1 de março de 2015 às 14:38 -

    Lennon Monteiro

  • <3 Esse Game 

  • 1 de março de 2015 às 18:27 -

    Jonas Amorim

  •  Nossa velho que saudade do primeiro e segundo game da série, incríveis, fora o fato de ter objetivos e ainda a possibilidade de empacar neles, não esse jogos que possuem tutorial de como abrir porta e Gps pra tudo como hoje em dia…

  • 1 de março de 2015 às 23:17 -

    Pedro Nascimento

  • Pra mim (posso estar errado, por não conhecer todos os jogos) Syphon Filter foi o primeiro jogo a utilizar o conceito de HeadShot.Pra mim, foi uma série em que o primeiro foi o melhor, e o último o menos melhor. (Quase o que houve com Tony Hawk’s: Pro Skater)Não consigo enxergar nenhum ponto negativo nele, considerando o contexto em que foi lançado.Já os jogos do PS2, não consegui jogar nenhum deles… e tenho tanto o Dark Mirror quanto o Omega Strain.

    • 2 de março de 2015 às 09:46 -

      Junior Candido

    • Se a gente for observar por conceito, Resident Evil já tinha “tiros na cabeça”, mas de uma maneira bem mais simples, Metal Gear Solid também já tinha essa função caso usasse o rifle sniper. Mas concordo quando dizemos que Syphon Filter elevou esse conceito com aquela mira bacana e o incentivo ao jogador a tentar esses tiros. Bem observado.

  • 2 de março de 2015 às 08:22 -

    William

  • Eu adorava esse jogo. Realmente o jogo era muito difícil devido à muitas limitações (hardware + desenvolvedores) que existiam na época. De qualquer forma, não deixei de zerar o 1,2 e 3.Muito bom reviver momentos assim :D

  • 2 de março de 2015 às 09:40 -

    cesar

  • Ate hj não existe um game de tiro com um sistema de mira tao legal!! Lembro a alegria que era um head shot de um inimigo que de tao distante nem se via na tela :) Saudade de quando a diversao era mais importante que o grafico 

  • 2 de março de 2015 às 20:50 -

    Josinaldo

  • Na verdade, comprei esse jogo por acaso. Fui comprar um lançamento, conhecido de todos: “Silent Hill”. Pra dizer a verdade, coloquei o Syphon Filter no console e não tirei mais, até terminar. Numa época em que Metal Gear Solid Snake brilhava imponente, se destacar era quase impossível. Mas, Syphon Filter, conseguiu.. em muitos pontos acho bem melhor do que Metal Gear. Parecia um jogo para próxima geração: excelente e envolvente trilha sonora, gráficos 3D (não falso 3D), uma estória que só se via em filmes de espionagem; e um personagem carismático. Por fim uma dificuldade considerável, mas que não desanimava. Quem jogou vai me entender… lembram dos cientistas que deveriam ser seguidos sem serem notados???Hoje, muito embora, com toda a tecnologia, gráficos cristalinos, sons 5.1 de alta fidelidade, recursos online e etc. Não consigo me divertir como na época em que controlava Gabe Logan! Muitas saudades daquela época. Hoje em dia, às vezes, ouço as músicas do jogo para matar a saudade, ou criar aquela nostalgia.Bons tempos aqueles. Um abraço a todos.

  • 3 de março de 2015 às 10:35 -

    mikemwxs

  • Joguei muito no modo multiplayer-arena deste jogo!

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *