Yuji Naka, um dos criadores de Sonic, foi preso no Japão acusado de ter comprado ações sob informação privilegiada

18 de novembro de 2022
Yuji Naka, um dos criadores de Sonic, foi preso no Japão acusado de ter comprado ações sob informação privilegiada

Yuji Naka, que teve participação direta na criação de Sonic, foi preso no Japão após um escândalo que envolveu compra de ações sob informações privilegiadas. As informações são do jornal Fuji News Network. Além de Naka, outras duas pessoas envolvidas com games, Taisuke Sazaki e Fumiaki Suzuki, ex-funcionários da Square Enix, também foram detidos nesta investigação.

Os três foram acusados de terem acesso a informações privilegiadas, enquanto trabalhavam na Square Enix. A empresa trabalhou junto com o estúdio Aiming no desenvolvimento de Dragon Quest Tact, jogo móvel que foi lançado no começo de 2020. Neste contexto, o trio Naka, Sazaki e Suzuki compraram ações da Aiming, sabendo que elas iriam valorizar com o lançamento do game.

De acordo com a imprensa do Japão, Naka comprou 10 mil ações da Aiming por cerca de 2.8 milhões de ienes, cerca de R$ 107 mil em conversão direta. Ele trabalhou na Square Enix entre 2018 e 2021, ajudando no desenvolvimento de Balan Wonderworld. A dupla Taisuke e Fumiaki compraram um total de 47 milhões de ienes (cerca de R$ 1.8 milhões).

As ações foram compradas entre dezembro de 2019 e fevereiro de 2020, um pouco antes do lançamento do game. A Square Enix confirmou a informação de que ex-funcionários estavam sendo investigados sob a acusação de informações privilegiadas, e, mesmo sem citar nomes, afirmou que está ajudando as autoridades neste caso.

“Alguns meios de comunicação informaram que os ex-funcionários da Square Enix estavam sob investigação por suspeita de uso de informações privilegiadas. Como a investigação do Ministério Público do Distrito de Tóquio está em andamento, continuaremos a cooperar totalmente com a investigação”, informou a empresa. 

“Lamentamos profundamente a grande preocupação que isso causou a todos os envolvidos. Lidamos com este incidente estritamente, incluindo ações disciplinares internas tomadas contra os funcionários suspeitos.”

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *