Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia

11 de novembro de 2017
Autor: Rodrigo Pscheidt

Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia

2017 marca o retorno de um mascote bem famoso do mundo dos games. E não estou falando do Mario ou do Sonic, mas do Bubsy, o gato falastrão que andava sumido desde os anos 90!

Um retorno às origens

Enquanto Mario e Sonic foram se tornando franquias maiores e mais mirabolantes, este novo jogo do Bubsy retorna ao básico: o que temos aqui é um jogo de plataforma 2.5D com apenas um fiapo de história para justificar as ações do protagonista.

O que acontece é que os Woolies (uma raça alienígena estranha) invadiram a Terra e roubaram o novelo dourado de Bubsy. Para reaver este tesouro, o felino precisará encarar fases cheias de desafios, coletando novelos coloridos e enfrentando aliens e ovnis no processo.

Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia

A “história” em si é contada através de uma intro parcialmente animada que mal dura 20 segundos. Dali em diante, é só assumir o controle de Bubsy e se preparar para pular, planar, escalar e coletar blusas, chaves e novelos.

O gameplay

Sendo bem honesto, o gameplay de Bubsy The Woolies Strike Back não é lá essas coisas. Ele funciona, mas poderia ser bem melhor. É responsivo, mas não é variado, e no geral oferece poucas possibilidades de interação entre jogo e jogador.

Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia

Além de andar e escalar, temos basicamente 3 ações disponíveis: o pulo tradicional, um movimento de planar (que não é no mesmo botão do pulo, e quebra um galho por funcionar meio que como um pulo duplo) e uma “barrigada” para frente que acaba sendo mais útil para destruir barreiras do que para atacar inimigos. E é só. A partir disso, você precisa se virar para superar os obstáculos de cada fase.

Um ponto positivo do game é seu level design: bem feitinho e variado, ele entrega fases muito amplas, com muitas rotas alternativas que podem tanto servir de atalhos quanto contarem com itens e segredos escondidos. Há exploração horizontal e vertical, e se você tiver um bocado de curiosidade (e/ou for um colecionista compulsivo), irá precisar explorar muito bem cada fase para encontrar novelos de lã escondidos em outros caminhos.

Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia

Confira um pouco de gameplay abaixo:

Bubsy começa cada fase com 9 vidas, e quando coleta uma blusa, ela serve de escudo, evitando que ele perca uma vida na próxima vez que encostar em um inimigo ou armadilha. Se coletar mais blusas enquanto já usa uma, elas se convertem automaticamente em mais vidas, aumentando as suas chances de sobrevivência.

Ainda que não seja um jogo realmente difícil, Bubsy The Woolies Strike Back oferece um desafio razoável. O segundo chefe é especialmente trabalhoso, mas depois que você pega a manha de como evitar seus ataques, percebe que ele nem era tão difícil assim para começar.

Audiovisual

Bubsy The Woolies Strike Back não é lá um jogo muito bonito. Seu visual é bastante simples para os padrões atuais, e não falo do estilo cartunesco adotado mas de polimento, mesmo. Há muitos elementos que se repetem e texturas nem tão caprichadas, o que dá ao jogo como um todo uma cara um tanto rústica. Não é realmente feio, mas sem dúvida poderia ser mais caprichado.

Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia

A trilha sonora entrega o que se espera deste tipo de jogo: loops animados e grudentos que parecem saídos diretamente dos anos 90. Não sei dizer se alguma música é remix de alguma faixa das antigas, mas pode ser que haja algo assim como referência para os mais saudosistas.

Embora o jogo não tenha muitas falas, há o fato pitoresco de podermos definir pelo menu quão tagarela Bubsy vai ser, o que significa basicamente com que frequência ele vai soltar piadinhas e frases de efeito. Eu recomendo que você não coloque o medidor lá no alto, pois o personagem não tem muitas falas diferentes, e vai acabar repetindo as mesmas até você ficar de saco cheio delas.

Conclusão

Bubsy The Woolies Strike Back não é de todo ruim, mas é um jogo bem simples, linear e sem muito conteúdo. Ainda que seu gameplay funcione e seu level design no geral seja bom, é possível terminá-lo em 3 ou 4 horas (são menos de 15 fases), o que não faz dele exatamente uma boa opção em termos de custo-benefício — considerando que neste momento ele custa quase 60 reais –, um preço equivalente ao do excelente Hellblade, por exemplo.

Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia

Indicado mais para fãs do Bubsy do que fãs de jogos de plataforma em geral, o jogo até tem seu valor por trazer de volta um mascote que estava sumido há mais de 20 anos, mas infelizmente este não é o retorno triunfal que o personagem merecia.

Sem dúvida existem muitos jogos de plataforma 2.5D melhores no mercado, mas se você faz questão de jogar com o Bubsy, talvez seja melhor simplesmente revisitar os games da geração 16-bits, mesmo.

Bubsy The Woolies Strike Back foi lançado em 31 de outubro, com versões para PC e Playstation 4. O game não possui suporte ao português brasileiro.

Uma resposta para “Análise Arkade: Bubsy the Woolies Strike Back não é o retorno triunfal que o mascote merecia”

  • 13 de novembro de 2017 às 14:36 -

    Cilon

  • Bubsy merecia um jogo bom? hahahahahahaha vocês são os melhores!

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *