Out There Somewhere (PC) review: um game indie 100% brasileiro

15 de abril de 2012
Autor: Arkade

outthere kotakubr 620x3601 Out There Somewhere (PC) review: um game indie 100% brasileiro

Out There Somewhere poderia ser apenas mais um simples jogo de side-scrolling: seguir em linha reta da esquerda para a direita, pular em inimigos, saltar sobre abismos e, no máximo, enfrentar seres gigantescos no final de algum estágio. Felizmente, ele foge um pouco deste padrão, acrescentando novas mecânicas e ótimos puzzles à esta receita de sucesso.

O gênero side-scrolling de plataforma fez de Mario, Sonic e cia. grandes sucessos, e sofreu alterações a cada geração de consoles para se manter interessante. Porém muito antes de Limbo, Braid e tantos outros títulos fazerem sucesso com seus puzzles, jogos como Metroid, Kid Icarus, Prince of Persia e Another World introduziram novidades na mecânica de jogos com progressão lateral.

Desde o sistema de exploração (Metroid e Kid Icarus) a ideias cinematográficas (Prince of Persia e Another World) o gênero plataforma se manteve em constante evolução. Em suma, independente do gênero, o importante é tentar inovar em sua mecânica. E é exatamente nesse ponto que Out There Somewhere, game indie desenvolvido pelo estúdio brasileiro MiniBoss, se destaca.

O início do jogo se dá com Yuri (protagonista da aventura) em um combate no estilo shoot’ em ups de navezinha, algo que já de cara deve agradar os amantes do estilo.

OTSReview TitleShot1 Out There Somewhere (PC) review: um game indie 100% brasileiro

Porém, as coisas mudam bastante, pois após ter sua nave danificada, o protagonista é obrigado a aterrissar em terras desconhecidas, então o real objetivo do jogo é apresentando: encontrar uma maneira de consertar a nave, derrotar o malvado Grigori e salvar o Planeta Mãe.

Durante o percurso, vemos que a topografia retô dos cenários remete a década de 90: por exemplo, as texturas escuras de alguns locais lembram as cavernas de Brinstar do clássico Super Metroid. O jogo apresenta uma coloração com tons mais escuros dando realmente a impressão de um planeta inóspito, mas ao mesmo tempo, convidativo para a exploração.

Porém, logo somos apresentados a Worm Aliens e os Treemen. O primeiro irá oferecer algumas dicas de possíveis acessos a determinadas passagens secretas, enquanto o segundo é um tipo de personagem que não acrescenta nada na narrativa em si (pois realmente não oferece nenhum diálogo interessante).

screenshot1091 Out There Somewhere (PC) review: um game indie 100% brasileiro

Essa oposição de personalidade dos personagens cria um balanceamento ao gameplay, pois o jogador verá que nem sempre terá a ajuda necessária para continuar o seu percurso tendo que raciocinar por conta própria. Isso fica ainda mais evidente nos puzzles, onde a única que você vai encontrar é seu próprio cérebro.

Aliás, é nos puzzles que Out There se destaca como um jogo de plataforma. A mecânica do jogo é baseada em um sistema de teletransporte, que funciona graças à arma que personagem utiliza.

Como regra básica, ao atirar em uma parede a personagem é direcionada ao lugar do alvo. Mas, ainda há outras formas de interação com o cenário; por exemplo, a Teleport Gun conserva momentum, ou seja, ao pular antes do tiro bater em uma parede, ao terminar o teletransporte o pulo ainda estará sendo realizado. Coisas que já vimos em games como Portal, mas que caem bem em um side-scroller 2D.

beta 2011 10 29 23 57 50 151 Out There Somewhere (PC) review: um game indie 100% brasileiro

Além do momentum, o cenário apresenta três tipos de raios que influenciam diretamente o gameplay. O primeiro que conhecerá é o The Null Beam ele absorver a energia da Teleport Gun, forçando a personagem atravessar normalmente o feixe de luz.

O segundo, The Block Beam, faz Yuri se teletransportar normalmente e ainda permite que o personagem realize alguns pulos especiais.

O terceiro e último raio, The Up Beam, muda o percurso do tiro em direção ao teto. Isso faz com que seja possível acessar locais de alturas maiores. Falando assim não parece nada de mais, mas os puzzles misturam raios e colocam-nos em lugares onde você sabe que pode chegar, só precisa descobrir como.

screenshot1051 Out There Somewhere (PC) review: um game indie 100% brasileiro

É uma mecânica simples e intuitiva, e os puzzles bem elaborados conservam o interesse do jogador, ao mesmo tempo que oferecem um respeitável teste de raciocínio, tudo isso aliado a um bem-vindo estilo retrô.

Mesmo com sua linearidade é impossível não simpatizar com Out There Somewhere, pois o jogo se mostra eficiente no que se propõe: ser um puzzle platformer.

Apesar de simples, o título do estúdio MiniBoss cativa por sua arte retrô, sua trilha sonora nostálgica – que remeter aos velhos cartuchos de 16 bits -, e a genialidade de nos fazer pensar com uma mecânica extremamente funcional de teletransporte.

P.S. Já que o assunto é Out There Somewhere, aproveite e confira a entrevista exclusiva que a Arkade realizou com o pessoal do estúdio MiniBoss na edição 34 da revista Arkade!

Esta análise foi escrita por Raphael Franck, colaborador da equipe Arkade.

11 Respostas para “Out There Somewhere (PC) review: um game indie 100% brasileiro”

  • 0
    16 de abril de 2012 às 13:41 -

    Guerino Dotta

  • Meus amigos Santo e Amora vão curtir isso, fiz um video de review no TODOSJOGA tbm

    http://todosjoga.com.br/2012/03/20/todosjoga_review-s01e01-out-there-somewhere/

  • 0
    16 de abril de 2012 às 18:32 -

    KING OF KINGS

  • jogo brasileiro muito vamo pra frente brasil

  • 0
    16 de abril de 2012 às 21:12 -

    Nemk999

  • 100% é o escambal…..
    que nome é esse ? Out There Somewhere
    coisa ridicula!!!
    Kd o nosso bom e velho Português ?
    Putz! levava fé se fosse “100% brasileiro”

  • 0
    17 de abril de 2012 às 13:19 -

    Thiago Souza Lima

  • cara me lembra varios games da live arcade mt criativo!!!!

  • 0
    15 de abril de 2012 às 20:53 -

    Raphael Cabrera

  • Excelente jogo mesmo. Padrão internacional.

  • 0
    15 de abril de 2012 às 20:50 -

    Renan

  • Parabéns ao Miniboss, e que venham mais games!!!!!!

  • 0
    15 de abril de 2012 às 21:05 -

    Gabriel Baptista

  • Miniboss Comanda!! Precisamos de mais brasileiros como os do Miniboss!

  • 0
    15 de abril de 2012 às 18:49 -

    Edimartin Martins

  • Comprei o jogo esses dias.
    É bem engraado o modo que eles deixaram retrô criando duas capas estilizadas para o jogo. A primeira é de master system e a segunda é de mega drive. Nostalgia total.

    Gostei muito da entrevista com o estúdio na revista. Quase caí da cadeira quando li que o jogo tinha sido fetio em Game Maker. Isso quer dizer que no futuro será lançado out there somewhere para IOS e Android.

    Game Maker. Puxa. Eu não sou ovo mas fiquei chocado.

  • 0
    15 de abril de 2012 às 21:52 -

    Jairo Dias

  • Parabéns pessoal da Arkade por mais uma análise perfeita.Meu parabéns a produtora Miniboss, Muito bem bolado o lance do tele transporte ficou muito bom e original….

  • 0
    15 de abril de 2012 às 19:02 -

    leandro(leon belmont) alves

  • espero que façam mais games brasileiros, quem sabe um dia teremos um arrasa quarteirão como os games do PS3 ou XBOX

  • 0
    15 de abril de 2012 às 17:47 -

    FeeH

  • Espero que desse estúdio brazuca venha mais jogos pra fortalecer o cenário nacional de desenvolvedores . Mais parabéns pro estúdio MINIBOSS pelo jogo !!!

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Olá, Visitante!

Faça login ou cadastre-se