Sound Test Arkade Faixa 27 – Motoaki Furukawa – Sunset Riders

9 de abril de 2017
Autor: Junior Candido

Sound Test Arkade Faixa 27 - Motoaki Furukawa - Sunset Riders

A Konami dos anos 90, ofereceu, além de grandes jogos, interessantes e criativas trilhas sonoras. E um ótimo exemplo desta fase criativa do estúdio japonês está presente em um dos ícones de sua geração. Seja para o Arcade, Super Nintendo ou Mega Drive, quando a gente jogava Sunset Riders, a vontade de aumentar o volume era sempre muito forte.

Pois hoje, vamos aumentar o volume sim de Sunset Riders e relembrar um pouco suas músicas, que são lembradas até hoje, além de conhecer mais sobre quem nos ofereceu estas canções.

O Jogo

Sound Test Arkade Faixa 27 - Motoaki Furukawa - Sunset Riders

Sunset Riders foi definido pela nossa RetroArkade como o “jogo definitivo de Velho Oeste“. Sabemos que existe jogos excelentes como a série Red Dead ou Gun, mas o impacto que Sunset Riders causou, não será alcançado tão facilmente. Lançado nos arcades em 1991, e depois para os consoles de 16-bit em 1993, o jogo era rápido, desafiador e muito divertido, com chefes carismáticos e elementos típicos de jogos de Velho Oeste, como as fazendas, montanhas, muito tiroteio e até um cabaré, cortado na versão conservadora do Super Nintendo.

Na versão original, você escolhe um dos quatro caçadores de recompensas que correm pelas cidades em busca de grandes bandidos, que trazem com eles grandes recompensas, apresentados com um cartaz no início da fase, com direito até ao famoso “Procurado Vivo ou Morto”. São oito bandidos, que representam as oito fases do jogo, obviamente, em dificuldade crescente. Havia a possibilidade de acumular power-ups, que melhoravam sua capacidade de fogo, que duravam até você perder uma vida, e fases bônus bem interessantes, como a que em um cavalo, você precisa perseguir uma carroça que deixa cair vidas e pontos.

O Compositor

Sound Test Arkade Faixa 27 - Motoaki Furukawa - Sunset Riders

Motoaki Furukawa é um músico com raízes no jazz e no rock que, após como qualquer outro músico, fazer parte de algumas bancas na escola e universidade, entrou na Konami em 1986, para participar do time de design de som da empresa, trabalhando inicialmente, em jogos de MSX e Arcade, como Gradius II, F1 Spirit, Super Contra, entre outros.

Depois, foi transferido para o setor de produção de CD da Konami em 1989, estabelecendo assim, o Kukeiha Club, a banda interna da companhia, que produziu dois álbuns. Furukawa também produziu nesta época um álbum solo, chamado Sound Locomotive. Seu foco na Konami foi a produção de CDs, mas mesmo assim, participou de composições de vários jogos da empresa, como Policenauts, Castlevania 64 e, claro, Sunset Riders.

E, em 2003, Furukawa virou freelancer, participando tanto de colaboração em jogos como Guitar Freaks e Thunder Force VI, como também contribuir com a produção de álbuns de game music, que prestam tributo aos clássicos. Mesmo com sua carreira dedicada a produção de CDs, sua colaboração com os videogames foi bem relevante, e, em Sunset Riders, podemos conferir muito de seu talento.

A Trilha

Com participação de Naohisa Morota, programador de som, contamos com uma trilha bem empolgante, que traz energia ao jogo, além de conseguir nos levar ao mundo do Velho Oeste. Nas fases, temos adaptações de músicas clássicas de filmes do gênero, somadas a alguns arranjos que vinham de jogos como os das Tartarugas Ninjas, já que a placa e tudo o que vem nela, incluindo o som, é a mesma. Nos arcades, ainda podíamos contar com uma guitarra somando a trilha aqui e ali.

Começando pela faixa de introdução, digna de qualquer filme de faroeste que você já viu, era a responsável por nos colocar dentro deste mundo de combate, já nos levando a uma música mais empolgante, nos preparando para as fases que viriam enquanto escolhemos os personagens. As faixas, no geral, são bem empolgantes e ajudam e muito a nos inserir a adrenalina necessária para desviar de tiros e mandar chumbo em tudo o que se move na tela. Destaque também para a divertida música da Taverna, local em que nossos heróis fazem uma visitinha entre vários tiroteios e ganham uma dança das garotas que ali estão.

Outra faixa que marcou a memória dos que jogaram o game é a de vitória, que é executada assim que derrotamos um chefe. Mesmo curta, ela simboliza o fim da fase e o alívio da vitória depois de difíceis combates. Sendo bem sincero, as faixas nem oferecem algo novo, mas são marcantes por conseguirem transmitir o mesmo que os filmes, que ficaram em nosso imaginário no que diz respeito ao Velho Oeste, transmitiam em sua era de ouro. São faixas simples, porém empolgantes e marcantes, que são uma das muitas razões que fazem com que muitos joguem Sunset Riders até hoje.

Uma resposta para “Sound Test Arkade Faixa 27 – Motoaki Furukawa – Sunset Riders”

  • 10 de abril de 2017 às 00:12 -

    Onigumo

  • Otima materia candido! Sunset realmente tem seu espaço entre os epicos do snes, conseguindo uma ambientaçao e imersao raras em qualquer geraçao, um jogaço sem sombra de duvidas! E pelo jeito vou dar uma visitinha pelo velho oeste novamente!

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *