Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

20 de novembro de 2018
Autor: Arkade

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Recebemos uma cópia digital de Just Dance 2019 para Xbox One e encaramos até o Mc Fioti (?!) pra te contar algumas novidades da franquia de dança mais tradicional do mundo gamer!

Uma franquia pluricultural

Analisando o histórico da série Just Dance, fica claro que a cada ano o set list ganha um pouquinho mais de cultura e variedade. Os hits americanos de sempre dividem espaço, neste ano, com músicas francesas, turcas, K-Pop e uma leve dose tupiniquim por conta do refrãozinho do Mc Fioti — a coreografia não tem nadinha do funk brazuca, e ela até é bem legal de dançar.

Confira a coreografia abaixo:

É menos música “Made in Brazil” do que tivemos nos últimos anos — lembrando que o jogo já contou com faixas de Ivete Sangalo e Anitta em anos passados –, mas a diversidade de estilos e culturas segue crescendo, o que não deixa de ser um ponto positivo.

Só para você ter uma ideia, esse ano tem Britney censurada (Work Bitch virou Work Work), Dua Lipa, Bruno Mars, Camilla Cabello, Ariana Grande, Maroon 5, The Weekend + Daft Punk, Ultraclub 90 (direto do túnel do tempo) e muito mais.

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Junto com o jogo, recebemos também acesso ao Just Dance Unlimited. A gente já falou do serviço por aqui e continua recomendando para quem é fã, pois a assinatura garante mais de 400 coreografias/músicas que já marcaram presença na série, além de muitos novos conteúdos mensais

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Ah, e vale lembrar que durante o período de lançamento estava rolando pelo país o Just Dance Tour 2018, uma seletiva regional entre os fanáticos pelo jogo para ver quem é o melhor “Just Dancer”. As seletivas offline aconteceram em salas da rede Cinemark e a grande final da Copa do Mundo de Just Dance está marcada para o começo de 2019 — e pela primeira vez vai rolar aqui no Brasil!

Modos de jogo

Ao abrirmos o game, encontramos 2 menus principais: Kids e Just Dance.

A opção Kids traz coreografias mais fáceis e divertidas voltadas para crianças. Muitas delas já fizeram parte de edições anteriores do jogo, como a da Pequena Sereia, do Alladin, entre outras. O destaque é a música Un Poco Loco, do recente filme A Vida é uma Festa, da Disney/Pixar.

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Com temática do Dia de los Muertos, claro

A opção Just Dance é um compilado de várias modalidades clássicas: Word Dance Floor, Just Dance Unlimited (caso você seja assinante) e Just Sweat. O menu tem uma vibe em tiles, que lembra o Windows atual e, segundo o próprio jogo, a novidade do ano são os Títulos.

É meio que um sistema de level up, como em jogos de luta: cada evolução no jogo desbloqueia Títulos que podem ser usados no seu dancer card para que toda a comunidade veja.

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Exiba seus títulos para o mundo

Apesar de me bater um pouquinho no começo, achei o menu bem organizadinho e com inspiração nos players de música do momento: ele sugere playlist temáticas, coletâneas do que é mais dançado em seu país, músicas divididas por décadas, busca em ordem alfabética e, é claro, as faixas que são novidade em Just Dance 2019.

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Playlists para todos os gostos

No modo Sweat, a contagem de calorias aparece em sua tela no lugar da contagem de estrelas. Ao final, um resumo com o tempo de dança e quantidade total de calorias é exibido para que você possa controlar sua atividade física.

O World Dance Floor continua interativo, permitindo que ilustres desconhecidos se reúnam online, votem na próxima música e dancem juntos, competindo de forma semelhante à que seria se todos estivessem na mesma sala.

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Para deixar a coisa mais competitiva, agora também é possível compartilhar as estatísticas de performance individual, além do ranking.

Coreografias

Embora eu seja uma grande apreciadora da cultura asiática, não sou muito ligada em K-pop. Mas, sei que as bandas são conhecidas por suas coreografias e fiquei muito impressionada quando comparei a versão da coreografia de Just Dance para a música da banda BlackPink com o vídeo delas ensaiando para um show. É uma adaptação muito boa, que tornou a coreografia acessível sem perder o que ela tinha de mais legal.

Abaixo a versão da banda:

E aqui a coreografia direto do game:

Essa acessibilidade nem sempre é possível, visto que há muitas coreos que demandam mais pessoas e muita sintonia entre os dançarinos. Uma que merece destaque é a versão alternate de Havana, da Camilla Cabello: é uma coreografia para dois, com uma vibe de tango com dança de salão “trabalhosa”. Parece bem legal, mas bem complexa de se fazer “na vida real”.

Se liga:

Um detalhe bacana é que, toda vez que você passa por uma música para avaliar se vai encarar ela ou não, aparece a indicação dos seus pontos e o dancer card do dançarino ou dançarina que se destacou durante a semana naquela coreografia, o que fortalece esse senso de comunidade que a Ubisoft se esforça para manter nos seus principais títulos.

Desbloqueando novos conteúdos

Nesta edição, existem 2 maneiras de desbloquear músicas: atingindo pontuação alta na versão normal de uma música (ok) ou indo na sorte, naquela maquininha chata que foi introduzida no jogo passado. Continuamos na mesma: a cada 100 Mojos, você ganha uma moeda e troca por uma bolinha com prêmio, que pode ser um avatar novo para o dancer card, uma nova coreografia ou um novo título.

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Parece fofinho, mas é só um sistema de loot box disfarçado

Foi o jeito Just Dance de instituir as polêmicas loot boxes, e continua sendo pentelho. De dentro das bolinhas pode popar qualquer coisa, mas como há muito mais bobagens estéticas do que coreografias, é fato que o esforço da gente acaba não recebendo uma recompensa adequada… algo bem comum no famigerado mundo das loot boxes.

Conclusão

Apesar disso, o que importa em Just Dance é a dança, e nisso o jogo continua insuperável. A playlist cada vez mais diversificada impressiona, as coreografias são ótimas e o suporte ao Just Dance Controller (que transforma qualquer celular em controle, sem precisar de Kinect ou outro dispositivo de captura) mantém a pista de dança virtual da Ubisoft acessível e variada para dançarinos de todas as idades.

Análise Arkade: Just Dance 2019 aposta na diversidade musical

Se você está em busca de um jogo maneiro para reunir a galera em alguma festa ou para fazer uma atividade física leve e divertida sem sair de casa, afaste os móveis e caia na pista, pois Just Dance 2019 continua sendo um prato cheio.

Just Dance 2019 foi lançado em 23 de outubro, e está disponível para Xbox 360, Xbox One, PS3, PS4, Wii e Wii U e Nintendo Switch, totalmente localizado para o nosso idioma.

 Quem assina esta resenha é a jornalista convidada Stela Tondo.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *