Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

29 de setembro de 2018
Autor: Rodrigo Pscheidt

Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

Gosta de música? E de jogos que fogem do óbvio? Então prepare-se para rir e se emocionar com Wandersong, uma pérola indie que subverte as aventuras tradicionais dos videogames para nos levar a uma mágica jornada musical!

Bardo pode ser herói?

O bardo é uma figura bem recorrente em games de fantasia medieval. Porém, ele nunca é o protagonista, geralmente é apenas um NPC, um coadjuvante que muitas vezes acaba sendo apenas um alívio cômico involuntário. Quem salva o mundo é o guerreiro, ou o mago, talvez até o elfo, ou o anão. Nunca o bardo.

Wandersong muda isso: nosso personagem é um bardo e sua principal habilidade é cantar. Ele sequer é capaz de levantar uma espada, mas quando descobre que seu mundo está condenado, acaba tomando para si a missão de evitar essa catástrofe.

Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

Porém, suas únicas armas são sua voz, sua música e sua boa vontade em fazer a diferença. E é munido disso tudo que nosso pequeno bardo aventureiro irá sair pelo mundo, conhecendo novas pessoas e lugares, se envolvendo com piratas, sereias, fantasmas, e muito mais!

Uma jornada musical

Wandersong é todo pautado por música. Ela é nossa principal habilidade, e é através dela que interagimos com o mundo. É pelo canto que iremos exorcizar fantasmas e destruir feitiços malignos. É cantando que giramos manivelas e acionamos mecanismos. Nosso canto afeta a flora e a fauna, e com isso caminhos se abrem para que possamos prosseguir.

Tipo assim, ó:

Nossa missão principal em Wandersong é aprender a canção do Overseer, entidade que está prestes a dar um reboot do universo. Se conseguimos resolver tudo na base do canto, quem sabe não conseguimos impedir o fim do mundo, né?

Claro que esta missão não é tão simples e linear quanto parece: o canto do Overseer está fragmentado e espalhado pelo mundo, então iremos viajar um bocado, conversando com divindades que irão nos ensinar pequenas partes da música que pode (ou não) salvar o mundo.

Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

Assim, nossa busca pela tal canção mística vai virando uma aventura cada vez maior, na qual iremos viajar pelo mundo, interagindo com pessoas/criaturas das mais diversas, sempre tentando usar o canto para ajudar os outros e cumprir as demandas que irão deixá-lo mais perto de seu objetivo.

Um jogo good vibe

Violência é algo inerente ao mundo dos games. Seja com armas brancas, armas de fogo ou os próprios punhos, jogos onde devemos bater e/ou matar inimigos é uma das coisas mais comuns de se ver, o que fomenta a eterna discussão de “jogos violentos formam pessoas violentas”.

Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

Não vou bancar o pacifista babaca: hack ‘n slash é um dos meus gêneros favoritos, e adoro partir monstros ao meio com um machado. Porém, também adoro ver jogos que vão no sentido oposto, e oferecem experiências pacíficas e criativas sem serem apenas walking simulators. Um exemplo recente é o excelente Yoku’s Island Express. Outro bom exemplo é Valley, de 2016.

Wandersong é mais um desses jogos: ele é um jogo focado em sua história e sua jornada, e quase tudo é pacífico, sereno. Em uma parte da campanha, unimos forças com Mirian, uma bruxinha rabugenta que está sempre disposta a explodir seus problemas. Porém, antes dela usar seus poderes mágicos, nosso intrépido bardo sempre vai dar um jeito de resolver as situações de formas não violentas.

Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

Isso faz de Wandersong um jogo muito suave, gostoso de jogar. Somado a essa good vibe, temos um humor “bobinho” que sempre deixa um sorriso no rosto da gente, e missões “do bem”, onde vamos, por exemplo, ajudar pessoas a superarem seus medos ou realizarem seus sonhos. Wandersong é mágico, do bem, e realmente consegue fazer a gente se sentir bem.

Audiovisual

Wandersong é um jogo produzido por basicamente 3 pessoas: um game designer e dois músicos. Por conta disso, ele possui uma simplicidade latente, mas seu visual simples é extremamente colorido e carismático. Sabe aqueles livros infantis que a gente abre e as figuras “pulam” para fora? Wandersong é tipo isso, seu mundo 2D parece feito de papel, mas há volume, profundidade e, principalmente, estilo.

Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

Como estamos falando de um jogo que tem na música seu grande diferencial, é óbvio que a trilha sonora é um dos destaques. As músicas do game são excelentes, contribuindo com a imersão e até ajudando a potencializar sentimentos e emoções de personagens que, por conta do visual simples, não conseguem ser lá muito expressivos.

A música é tão importante que ela até nos ajuda a ir e vir: é a melodia que move o navio pirata que nos ajuda a explorar o mundo do game. Confira abaixo um pouquinho disso, e repare que a música “cantada” tem toda uma vibe bucaneira que combina perfeitamente com o tema:

Uma coisa meio ruim é que o game não recebeu localização para o nosso idioma. Mas isso é até meio que justificável: Wandersong é cheio de trocadilhos e piadinhas que perderiam o sentido se traduzidos. E, considerando a equipe enxutíssima, provavelmente não estava sobrando grana para localizá-lo para todos os idiomas. Então, se quiser realmente se divertir com o game e seus diálogos, inglês é fundamental.

Conclusão

Wandersong é mais uma dessas pérolas do mundo indie que se destacam por ter algo de especial. Não falo especificamente da música, mas de toda essa vibe “do bem” que o jogo transmite. Sei que isso soa piegas, mas é maravilhoso termos um game que nos permite ser o herói sem que isso signifique aniquilar hordas de monstros e demônios.

Análise Arkade: Wandersong é a mágica jornada musical de um bardo que quer ser herói

E o mais legal é que o jogo faz isso subvertendo clichês típicos dos games de aventura: controlamos um herói improvável, que antes de salvar o mundo precisa provar aos outros — e a si mesmo — que ele é capaz de salvar o mundo. É uma jornada de auto-conhecimento e evolução que passa mensagens muito positivas sem soar forçado.

Independente de tudo isso, estamos diante de um joguinho extremamente criativo e bem executado, que narra uma aventura tradicional de forma bem diferente da tradicional. Recomendadíssimo para quem está atrás de algo diferente para jogar, rir e se emocionar.

Wandersong foi lançado em 27 de setembro, e está disponível para PC e Nintendo Switch.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *