Cabos submarinos vindos de Angola buscam aproximar os países de língua portuguesa, usando os games e o eSport.

6 de setembro de 2019
Autor: Junior Candido
Cabos submarinos vindos de Angola buscam aproximar os países de língua portuguesa, usando os games e o eSport.

Com a crescente tendência dos games por streaming que, apesar de já existirem, veem no Google Stadia com grande expectativa, uma questão precisa ser bem esclarecida: como lidar com uma Internet capaz de suportar tanta informação? Há várias questões para falar a respeito: operadoras, qualidade das instalações, e estrutura para garantir gameplay em boa qualidade, sem engasgos.

Entre várias questões, temos os cabos submarinos. Eles, que são “os trens do século XXI”, e conectam com cada vez maior rapidez e confiabilidade todo o mundo. Para entender um pouco mais, não só apenas sobre a questão dos cabos submarinos para os games por streaming, mas também para conhecer um pouco mais a fundo toda uma tecnologia que pode aproximar toda uma comunidade, conversei com Crisóstomo Mbundu, gestor de produto da Angola Cables.

A Angola Cables, que é um consórcio formado pelas cinco maiores empresas de Telecom de Angola, incluindo a estatal Angola Telecom, busca, nas palavras de Crisóstomo, ampliar possibilidades, através das telecomunicações. Eles tem como projeto mais ambicioso o SACS, o South Atlantic Cable System. Estes cabos submarinos ligam a capital angolana Luana à Fortaleza, dispensando o caminho até a Europa, ou aos Estados Unidos, para o fluxo de informações.

Cabos submarinos vindos de Angola buscam aproximar os países de língua portuguesa, usando os games e o eSport.
Chegada do cabo SACS na Praia do Futuro em Fortaleza

Com apoio de outras empresas, eles possuem também o MONET, que liga Santos e Fortaleza à Miami. E o WACS, que, entre Yzerfontein, na África do Sul, e Highbridge, no Reino Unido, passam por 11 países africanos, e 3 europeus. Durante a conversa, Crisóstomo me explicou que uma das missões que envolvem este projeto é o intercâmbio. O Brasil é grande produtor de conteúdo, em diversas mídias, e não tem a barreira linguística com Angola.

Não só Angola. São 10 países que falam o português como idioma oficial, que somam um total de quase 290 milhões de pessoas. Com países como o Brasil e Portugal, além de Angola e Moçambique, há grande potencial de conteúdo, nas palavras de Crisóstomo, entre os países falantes do idioma, usando a Internet para aproximá-los, já que são bem distantes entre si, geograficamente.

Cabos submarinos vindos de Angola buscam aproximar os países de língua portuguesa, usando os games e o eSport.
Data Center da Angola Cables

Esta estrada digital poderia oferecer muitas oportunidades, na visão da Angola Cables. Com a mesma latência que Angola tem em conexões com Miami ou Lisboa, e Data Centers, há uma ponte interessante: de um lado, um país que produz muito conteúdo, incluindo games. E do outro, países dispostos a consumir este conteúdo, com a facilidade do idioma como porta de entrada.

E não só nos games. Crisóstomo também expôs outras oportunidades de negócios, envolvendo os eSports. Como uma possível liga, ou competição, envolvendo países falantes da língua portuguesa. O que seria uma boa oportunidade, na visão da empresa, de unir brasileiros, portugueses ou angolanos, e ampliar as capacidades esportivas de ambos os países, que poderiam ser potências continentais, ou mesmo globais.

Cabos submarinos vindos de Angola buscam aproximar os países de língua portuguesa, usando os games e o eSport.
A conectividade entre continentes através do MONET, SACS e WACS

A Internet trouxe para os nossos dias uma oportunidade imensa de exploração de conteúdo. Hoje podemos assistir a uma infinidade de filmes, jogar games de várias maneiras, ler livros até então acessíveis em poucos lugares, entre várias outras atividades. Mas, uma grande contribuição da rede mundial de computadores é, de fato, a diminuição das fronteiras.

Se os países de língua espanhola contam com proximidade geográfica entre a grande maioria deles, os países de língua portuguesa podem, através da Internet, finalmente se aproximar uns dos outros. Assim, portugueses, brasileiros, angolanos, moçambicanos, e mesmo pessoas que falam o português, mas vivem em outros países, poderão encontrar, através de boas ideias e iniciativas, oportunidades de bons negócios, e bons projetos.

Uma resposta para “Cabos submarinos vindos de Angola buscam aproximar os países de língua portuguesa, usando os games e o eSport.”

  • 7 de setembro de 2019 às 21:48 -

    Helinux

  • Kbuloso…me lembrou o game super metroid com suas tubulações e ramificações ali no jogo. Infelizmente nem todo país quer compartilhar informações e ajudar em termos de necessidades, vejo!!!! Fato é que vivemos no mesmo planeta e as vezes dá a impressão de que não somos do mesmo planeta devido a tanta corrupção, violência e falta de solidariedade. valeu galera gamer!!!!

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *