The Lost Games: Pokémon Gold Silver – O Frankenstein dos sete mares

17 de maio de 2015
Autor: Gui Mendes

The Lost Games: Pokémon Gold Silver – O Frankenstein dos sete mares

A The Lost Games continua e desta vez vamos conferir um jogo muito curioso: já jogou Pokémon Gold Silver? Mas não estamos falando do clássico de Game Boy e sim da sua “versão” para Super Nintendo!

Eu já nasci gamer. Na minha ultrassom eu já criticava a jogabilidade da vida, é o que contam. Meus próprios pais sempre incentivaram os joguinhos eletrônicos na minha família, e, desde quando me conheço por gente, eu sempre tive, ao menos, um console na casa. Por muito tempo, também, tive apenas um console por vez, naquela velha lei de que quando comprasse um novo, vendesse o antigo.

Foi assim que consegui praticamente todas as gerações de consoles ao longo da vida, indo do Nintendinho ao mais recente PS4, mas o Super Nintendo sempre possuiu em mim um lugar especial entre a aorta e a traqueia. Na época do SNES, tudo era nebuloso.

Os conhecimentos e truques, as noticias sobre jogos e basicamente tudo deste universo era compartilhado como informações sigilosas, pouco eram aqueles com referencial, o que deu margem para a explosão das saudosas revistas da época, mas mesmo elas não conseguiam cobrir todo o escopo dessa indústria em ascensão.

The Lost Games: Pokémon Gold Silver – O Frankenstein dos sete mares
Por muito tempo fui taxado de mentiroso, e caluniador, na fase da adolescência. Sempre quando comentava sobre o SNES, e seus ótimos jogos, tais quais Super Mário RPG, Earthbound, Metroid, Megaman X, Pokémon e Chrono Trigger. Sim, Pokémon. Não, não estou mentindo. Eu tive esse jogo, eu joguei, mas vendi o console com as fitas para pegar um Playstation.

Sempre era o mesmo diálogo, só mudavam os sujeitos envolvidos. Anos se passaram e guardei essa verdade como uma mentira, lembro-me como ontem das vezes que passava almoçando e vendo Eliana & Alegria, da vez que fui no mercado cinza(gourmetização do camelô) pedir por um jogo do Pokémon, e eis que me entregam o sensacional Gold Silver(o melhor de dois mundos).

 

Graças ao invento da internet, finalmente descobri o que joguei, e posso aqui contar para vocês do que se trata este, questionável, jogo. Mais como um desabafo de um ex-mentiroso do que uma análise concreta de um fidedigno pescador.

The Lost Games: Pokémon Gold Silver – O Frankenstein dos sete mares
Neste excelente jogo de plataforma, nós podemos escolher entre Chikorita(escrito erroneamente como Chokorita) e o Totodile(Waninoko no original japonês). O que parece uma decisão difícil à primeira vista, tanto quanto escolher o primeiro pokémon nos consoles portáteis da Nintendo, mas que na verdade não serve de nada, já que com o apertar de um botão(Select) pode-se fazer a troca de personagem no meio de qualquer uma das fases.

Sim, de maneira genial inseriram a escolha como um alivio de tensão já no inicio de sua grande aventura. O jogo é constituído por 4 fases com uma penca de pokémons(ou quase isso) ao longo delas, atingindo o ápice no ultimo chefão: Mewtwo! Você consegue imaginar algo mais épico do que um Chikorita ou Totodile vencendo um Mewtwo? Nem eu.

A jogabilidade é quebrada e repleta de glitchs, mas acredite, é proposital, pois se não fosse você não teria o orgulho de terminar. Não existiria o desafio em conjunto daquele suor de capacidade e recompensa que só um Super Nintendo poderia gerar.

A história da criação deste jogo é tão nebulosa quanto parece. Diria até que Pokémon Gold Silver é um Frankenstein(o monstro, não o doutor) dos jogos piratas, não muito diferente dos outros, mas tão enigmático quanto. A engine, que também é utilizada nos jogos chineses Digimon Adventure e Pocket Monster, é misteriosa.

Em fóruns obscuros já tentaram desconstruir a trajetória e desenvolvimento desse jogo mas tudo o que existem são suposições e sobras de uma obra nostálgica e quebrada. Pra começar, a trilha sonora é toda roubada e tricotada de outro jogo do SNES, o Bonkers. Num editor de rom, como o hex editor, você consegue notar linhas de texto, não utilizadas, de Lemmings e um final cheios de sobras de gráficos de A Bug’s Life(Vida de Inseto), é quase que o mais incrível de todos os mundos unidos num só.

The Lost Games: Pokémon Gold Silver – O Frankenstein dos sete mares
É atribuído à criação de Pokémon Gold Silver a empresa chinesa Sintax, embora isso seja questionável pois alguns defendem que ela era uma desenvolvedora pirata exclusiva de jogos para Game Boy, e que o próprio Digimon Adventure fora um port mal feito para o Super Nintendo, numa razoável mudança gráfica. Outros “culpam” a DVS Electronic Co pois é o nome por trás de Pocket Monster, e basicamente é o mesmo jogo com algumas poucas alterações. No fim, provavelmente jamais saberemos o nome por trás de tudo isso, assim como o Herman Melville, autor de Moby Dick, que morreu no esquecimento, olharemos para trás sem uma referência da entidade por trás dessa formidável obra.

The Lost Games: Pokémon Gold Silver – O Frankenstein dos sete mares

Infelizmente sem saber a quem agradecer por esse marco na história dos games eu termino esse texto com uma sensação de dever cumprido, pois mais pessoas agora conhecem esse jogo que, por muito tempo, fora inexistente na minha infância para os outros, mas completamente tangível e divertido para mim, dada as devidas proporções e memórias que devem permanecer na infância. Assim como esse jogo, que a própria existência data uma época onde coisas como essa podiam existir em consoles originais, não mudem jamais.

14 Respostas para “The Lost Games: Pokémon Gold Silver – O Frankenstein dos sete mares”

  • 17 de maio de 2015 às 09:58 -

    Luiz Dirceu

  • Caramba D: Eu também tinha esse cartucho!! Comprei feliz da vida achando que finalmente poderia jogar o tão sonhado e incrível jogo Pokémon Gold/ Silver no Super Nintendo, mas quando cheguei em casa, percebi que tinha comprado uma versão ” Mário ” de Pokémon, era muito viciante, mas um dia na minha ingenuidade, decide abrir a fita com a esperança de que talvez o jogo que eu realmente queria, pude-se estar lá dentro, escondida, foram bons tempos :)

  • 17 de maio de 2015 às 10:03 -

    Jorge Augusto Pires Delfino

  • Legal o joguinho, eu tinha o do pikachu, comprei achando que era pokemon yelow na época, tive tbm acredito que pirata o sonic do snes construído na engine de ligeirinho , e tbm ummortal que podíamos dar o fatality no meio do jogo acabando com a luta!

  • 17 de maio de 2015 às 10:16 -

    Fabio da Silva

  • Finalizá-lo deve ser mais satisfatório do que encontrar um “SHINY PONYTA! THERE IS!!”

    • 18 de maio de 2015 às 12:07 -

      gui men

    • pode ter certeza cara, hehehehehe

  • 17 de maio de 2015 às 18:52 -

    Pedro

  • lembro de ter alugado uma vez um “pokemon stadium” para snes, que era bem bobinho, mas me rendeu um final de semana de diversão na época!

  • 17 de maio de 2015 às 21:02 -

    Marcelo Ribeiro Basilio

  • Mas esse jogo era tosco como um Dragon Ball e Sonic (isso mesmo) pirata q existia pro SNES tbm.

  • 17 de maio de 2015 às 23:14 -

    Renan do Prado

  • Eu tinha um Pokémon no SNES nesse mesmo estilo, mas se jogava com o Pikachu kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Lembro que o primeiro chefão era acho qeu o Snorlax, e era tenso jogar por causa dos defeitos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • 18 de maio de 2015 às 12:06 -

      gui men

    • vida dura essa nossa XD era um difícil diferente, por conta da limitação mesmo

    • 18 de maio de 2015 às 22:53 -

      Cássio Daniel

    • Ia comentar a mesma coisa parceiro! Lembro de ser boicotado por amigos de turma dizendo que pokemon não existia para SNES, e lembro de ter jogado esse Pokemon com o Pikachu (que era dificil pra caramba por sinal) E um jogo parecidíssimo com esse pokemon (que como o Gui mendes colocou) que era o Digimon que talvez usava a mesma enginer e você jogava com o Agumon sendo que o nivel de dificuldade era muito similar.

    • 19 de maio de 2015 às 00:30 -

      Renan do Prado

    • Esse do Digimon não cheguei a ver, mas lembrei que tinha o jogo do Vida de Inseto que era praticamente a mesma coisa tbm kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • 20 de fevereiro de 2017 às 02:53 -

      Gustavo godoy

    • Esse com o pikachu saiu pro Mega Drive tb!….nao lembro se era original ou pirata..mais no site ssega onde da pra jogar jogos de mega emulados tem esse jogo la

  • 18 de maio de 2015 às 08:20 -

    Fernando Mossatto

  • Eu lembro que eu também tinha um jogo de pokémon para SNES, era um pokémon Stadium 2000, comprado na galeria pajé por 35 reais na época, e isso era muito dinheiro pelo que me lembro, e o jogo era tosco demais, Ohhh dinheirinho mal gasto kkkkk

  • 18 de maio de 2015 às 09:45 -

    Aenigmat

  • O primeiro, que você jogava com o Pikachu, a parte sonora do jogo era 99% de Bonkers. xD

  • 19 de maio de 2015 às 02:12 -

    MathCG

  • A interface do jogo e tudo mais me lembra muito aquele hack do jogo do Ligeirinho (acho) que era com o Sonic e tal, no qual tinha-se que salvar o Mario. LOL ahuehaueh

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *