RetroArkade: Todas as versões já lançadas de Sonic the Hedgehog

24 de fevereiro de 2019
Autor: Junior Candido

RetroArkade: Todas as versões já lançadas de Sonic the Hedgehog

Em 1991, um novo amigo para os fãs de videogame surgiu. Azul, rápido e com muita atitude, Sonic conquistou seu espaço rapidamente, e revolucionou para melhor uma promissora indústria. E, seguindo a cartilha da SEGA, ganhou versões em diversos aparelhos.

Seja nos consoles de capacidade inferior da SEGA, como o Master System, ou em versões para outros sistemas, no atual modelo de negócios da companhia, desde que saíram do mercado de hardware, o game apareceu em vários sistemas, entre coletâneas e versões atualizadas.

Hoje, iremos juntos, relembrar estes games. Não vou mencionar os jogos de coletâneas como Sonic JAM, para o Saturn, ou a mais recente, o SEGA Genesis Classics. Mas sim, das várias versões do primeiro game do azulão, que foram sendo lançados com o passar dos anos. E não, o tenebroso Sonic the Hedgehog de 2006 não conta.

Mega Drive – 1991

O jogo original. O game que mudou a sorte da SEGA, e que criou um personagem que, pela primeira vez, incomodou de maneira direta a Nintendo, dominante na época. O jogo foi elogiado a torto e a direito pela mídia especializada. A EGM, por exemplo, disse que “o jogo necessitava de técnica, mas servia bem à todas as idades”.

A Gamepro, por sua vez, elogiou o fato de como “programadores, artistas e game designers determinados podem realmente produzir um campeão”. E a SEGA Pro, apesar de não apostar se Sonic era melhor do que Mario, afirmou sem hesitar que o game “está ruas à frente de qualquer outro jogo do gênero disponível atualmente”.

De fato, a crítica positiva, e o sucesso de vendas fizeram com que mais dois jogos Sonic chegassem, posteriormente, e melhores do que o primeiro. Fazendo, assim, uma série campeã no Mega Drive, que patinaria, mas com seus fãs nunca esquecendo de seus games originais.

Game Gear – 1991

Como era de se esperar, Sonic ganharia também uma versão portátil. O Game Gear precisava de jogos, e assim como o game de Mega Drive desafiaria o Super Nintendo, sua versão portátil desafiaria o Game Boy. Sabiamente, a SEGA escolheu outro time para a versão portátil. Assim, a Sonic Team se dedicou exclusivamente no Mega Drive, enquanto a Ancient cuidou da outra versão.

O interessante é que o game é bastante diferente, em alguns aspectos. Apesar de a Green Hill Zone simplificada ser o primeiro estágio, alguns estágios seguintes são bem diferentes, talvez pensados especificamente para o pequeno console gastador de pilhas. E, mesmo com as limitações, o jogo é rápido, divertido e desafiador.

Até as esmeraldas estão lá. Mas não são coletadas em fases bônus, aqui também diferentes, e que oferecem continues, se o jogador conseguir pegá-los. Elas estão escondidas nas fases, exigindo uma exploração maior que a de seu “irmão mais velho”. E, desta forma, se torna uma versão obrigatória para os fãs do corredor azul.

Master System – 1991

Em 1991, a SEGA já não via mais motivos para manter o Master System nos EUA. No Japão, o console já estava descontinuado e, na América do Norte, a companhia estava empolgada com o Mega Drive. Mesmo assim, o 8-bits da empresa recebeu o game, que seria o último game para o console por aqueles lados.

O game, que saiu primeiro do que a versão para Game Gear, é praticamente o mesmo. A única diferença é que, devido a tela maior, as fases contam com uma proporção maior. Assim, o Sonic aparece “menor” na tela, com uma proporção mais adequada para telas maiores.

Mesmo com o game sendo o de despedida do console nos EUA, a SEGA seguiria a trabalhar com o Master System em países na Europa, e no Brasil, com a famosa parceria com a Tec Toy. E foi assim, que algumas versões do console, vinham com o game na memória, o que o fez ser mais jogado por esses lados. Inclusive, até hoje o game acompanha o Master System.

Celulares JAVA – 2005

No meio dos anos 2000, os celulares já iam se tornando, pouco a pouco, em plataformas de games. E a simplicidade do gameplay de Sonic o ajudou a ser portado para os aparelhos. E assim, em 2005, a Sonic Team converteu o game para os aparelhos da Panasonic. Por questões de tamanhos, e limitações da internet da época, ele era vendido em duas partes. Uma, com as três primeiras zonas, e a outra, com as finais.

Além disso, o gameplay era diferente, uma vez que você comandava o ouriço através do “direcional” 2 – 4 – 6 – 8 do celular, com o 5 fazendo a ação. O game sofreu vários cortes. Não há telas bônus, paletas de cores foram adaptadas, e animações foram deixadas de lado. Mesmo assim, o game fez determinado sucesso, e acabou aparecendo em outras plataformas, devido a comunidade de compartilhamento de jogos em JAVA. Ou empresas que acabavam obtendo os direitos para comercializar em outros países.

Game Boy Advance – 2006

Esta versão, serve como um bom exemplo. Infelizmente, de como não se fazer uma conversão. Sonic já contava com uma versão competente para o console, o Advance, feita pela Dimps, em parceria com a Sonic Team. Mas, para comemorar os 15 anos do personagem, o primeiro game foi adaptado para o portátil.

O jogo é bem intencionado. Conta com seleção de fases, um sistema de save, além da permissão do Spin Dash, o famoso movimento de pegar impulso parado, disponível apenas em Sonic 2. Mas, apesar das boas propostas, o principal do game, que era o gameplay, sofreu com grandes perdas. O jogo era lento, e cheio de bugs. Foi esmagado pelas críticas e esquecido pelos fãs.

Virtual Console – 2006

Esta versão, apesar de ser um simples relançamento, marcou uma nova época para o compartilhamento de games. A Nintendo aproveitou o seu Wii para incluir, além do sucesso que foi o sensor de movimentos, o Virtual Console, que era a emulação oficial do console, e que permitiu, assim, jogos de diversos consoles. Entre eles, o Mega Drive.

O gameplay é basicamente o mesmo. A diferença é que, diferente do Super Nintendo, que exigia ou o Classic Controller do Wii, ou um de GameCube, os games de Mega Drive podiam ser jogados no Wii Mote. Era só virar de lado, e mandar ver na ação. Que também podia ser salva através do recurso de save state do console.

Xbox Live Arcade – 2007

Se a Nintendo trazia novidades, a Microsoft veio com a revolução. Um dos grandes responsáveis pela popularização da Internet nos videogames, a Xbox Live trazia, além do já conhecido serviço de jogos online, o Arcade, que oferecia diversos games, mais simples do que os que vinham em disco, que eram disponibilizados por download, e a preços baixos, para complementar a biblioteca de quem tinha um Xbox 360.

Um destes games, naturalmente, foi o primeiro Sonic. E ele não chegou apenas com o game. Também ganhou novidades. Para o console da Microsoft, o jogo ganhou algumas melhorias gráficas, permitia o save das fases, e adicionou um placar online para os jogadores. Desta forma, os tradicionais cheats do game, como os de seleção de fases, foram desativados. O game também chegou, posteriormente, na PSN, mas com nenhuma novidade.

Nintendo 3DS – 2013

Com o sucesso do Nintendo 3DS, que repetiu o sucesso de games clássicos do Wii, houve não só games no Virtual Console (como os games de Game Gear), como também edições específicas, para aproveitar o 3D do portátil, e também para trazer boas atualizações.

No caso do primeiro Sonic, a versão trouxe o Spin Dash, do Sonic 2. O game foi muito elogiado quanto ao visual, com cores excelentes, e também ao som, que contou com uma conversão perfeita, e melhorada, quanto ao original. Também é possível simular um efeito de CRT (as TVs de tubo), salvar o progresso, e escolher de cara a fase escolhida.

E, para se tornar a versão definitiva do jogo, o game ainda te permite escolher entre a versão japonesa, a internacional, ou ainda a edição do Mega Drive original ou do Mega Drive II, que trazia melhorias no som. É considerada, por muitos, como a melhor versão do game já lançada.

iOS e Android – 2013

Mas a edição de 3DS compete diretamente com a edição portátil na preferência. Em 2009, o jogo chegou ao iOS, o que incluía o iPhone, e o iPod. Mais tarde, em 2012, o game chegou ao Android. E em ambos os jogos, o game já oferecia o gameplay na tela dos dispositivos, além de algumas melhorias.

Porém, foi em 2013, que o game ganhou uma revisão especial. Com os mesmos desenvolvedores do remaster de Sonic CD, que usaram os mesmos recursos, Sonic 1 e Sonic 2 ganharam muitas melhorias. O game recebeu visual widescreen, sprites melhores definidos, gameplay em 60 fps, time attack, Spin Dash “de fábrica”, e ainda permitia jogar os games com Tails, ou Knuckles.

Naturalmente, ambas as versões também ganharam espaço nas TVs, graças a Apple TV, e a Android TV, que inclui também dispositivos como a Fire TV da Amazon, que, apesar de ter um OS próprio, é baseado em Android também. E, o game caiu de vez nas graças do povo com o Sega Forever. Afinal, era a oportunidade de, finalmente, curtir o jogo oficial gratuitamente, mediante a alguns anúncios que aparecem ocasionalmente na tela.

Nintendo Switch – 2018

A Sega Ages no Nintendo Switch trouxe uma forma bem interessante e completa para se curtir os clássicos da empresa. Phantasy Star, por exemplo, conta com um mapa útil para seus famosos labirintos.

O game conta com 60fps no gameplay, fundo estilizado na arte do jogo e um contador de argolas extra. É possível, além de ver as argolas que possui, ver qual foi o máximo de argolas coletadas que você já conseguiu. O que dá um pequeno, mas divertido, fator replay.

Versões Canceladas

RetroArkade: Todas as versões já lançadas de Sonic the Hedgehog

E, além das versões que conhecemos, também houveram versões canceladas do game. A US Gold, que fazia algumas adaptações de games para o Mega Drive, recebeu autorização para produzir uma versão de Sonic para os computadores Atari ST, e o Amiga. Os computadores eram bem populares na Europa. E a iniciativa seria mais uma forma de promover o novo personagem para um número maior de pessoas.

Até porque a SEGA já desfrutava de popularidade na Europa por causa destas versões. Space Harrier II, OutRun e Thunder Blade são bons exemplos de games que eram vendidos para estes computadores, e fizeram bastante sucesso. Assim, a parceria para o Sonic até começou, mesmo sem algo definido publicamente.

Além dos dois computadores citados, Sonic ainda poderia ter estralado seu game de estreia no Amstrad CPC, Commodore 64, e ZX Spectrum. Além de uma potencial versão para o IBM PC. Mas, como o Mega Drive tinha disparado em vendas, por causa do sucesso do game, a SEGA achou por bem cancelar qualquer tipo de licenciamento. Fazendo, assim, o Mega Drive, na época, pelo menos, ser o único lar do ouriço. Servindo para levar o seu próprio console para as casas dos europeus.

Inclusive, é curioso também lembrar que a SEGA ficou fora do mundo dos computadores até 1995, quando ela própria retomou as conversões, adaptando Sonic CD para o Windows. Por se tratar de uma adaptação, imagens do game foram divulgadas na revista italiana The Games Machine, de setembro de 1991. Lá, é possível ver duas capturas de tela que mostram que todos os gráficos haviam sido redesenhados, e os layouts de fase levemente alterados. Mas nunca foi explicado se estas imagens eram apenas ilustrativas para a matéria, ou se de fato eram imagens retiradas do game.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *