Top 10 Arkade: Jogos Independentes para Ficar de Olho em 2017

13 de janeiro de 2017
Autor: Henrique Gonçalves

Top 10 Arkade: Jogos Independentes para Ficar de Olho em 2017

Mais um ano e mais uma leva de jogos que possuem um grande potencial de serem os melhores de 2017. Confira a nossa lista de dez jogos independentes que você deve prestar atenção!

O ano mal começou e as expectativas para 2017 já estão altas, como de praxe temos novos projetos para chegar, continuações de grandes sucessos, remakes e versões remasterizadas dos clássicos, jogos que foram adiados para este ano e claro, a poderosa e diversificada cena independente em nossa indústria, funcionando a todo vapor para formar um ano repleto de jogos divertidos e cativantes.

Nesta lista iremos abordar os dez jogos independentes que mais estamos esperando. Hoje em dia está cada vez mais difícil de classificar um jogo como independente, com a linha entre um AAA e independente ficando cada vez mais borrada, mas fizemos o máximo de encontrar aqueles jogos que ainda vemos aquele feel independente, seja pela falta de atenção que está recebendo ou pelo fato de ser um pequeno grupo de desenvolvedores trabalhando no projeto.

Também quero lembrar que não existe um favorito neste Top 10, são somente dez jogos interessantes o bastante para aparecer nesta lista. Ah, e vivendo neste mundo de adiamentos, fica o aviso de que os jogos desta lista talvez nem apareçam neste ano, mesmo sendo previstos para sair. Então sem mais delongas, vamos para os jogos!

Death’s Gambit

Desde 2015 estamos falando sobre Death’s Gambit, acompanhando seu processo atentamente e torcendo para que este ano seja o seu lançamento. Eis que estamos em 2017 e a equipe da White Rabbit ainda não revelou uma previsão para o lançamento no PC e PS4, ou seja, de volta a estaca zero.

Com elementos de Dark Souls, Shadow of the Colossus e Castlevania: Symphony of the Night, Death’s Gambit aborda o horror e a dificuldade em um jogabilidade 2D, introduzindo um estilo diferente de combater mas ainda familiar aos fãs de jogos de aventura, com itens para procurar pelo mundo, equipamentos para usar e armas poderosas para atacar.

Sua direção de arte é um dos grandes pontos positivos, trazendo um universo de cavaleiros, monstros gigantescos e criaturas grotescas. Além da própria fluidez de movimentos e caracterização dos personagens, especialmente com o protagonista, o estiloso agente da Morte.

Scorn

Carne e ossos. Esta é a forma mais sucinta de descrever Scorn, projeto da Ebb Software. De uma maneira mais detalhada, eu diria que Scorn é o produto do seu pesadelo mais bizarro, não necessariamente o pior, mas com certeza o mais indescritível e desconfortável.

O mais importante de Scorn é o seu mundo, sendo que a ideia é catapultar o jogador neste ambiente lúgubre e desconhecido, cabendo a você descobrir os temas e as histórias dos locais que irá passar. As maiores inspirações dos criadores, o cineasta russo Andrei Tarkovsky e o pintor Zdzisław Beksiński, mostram um pouco do que está por vir em Scorn e seu planeta baseado em estruturas ósseas e com aparência de que estão vivas, te observando a cada passo dado para dentro do lugar.

Scorn ainda não tem uma data oficial de lançamento, mas a Ebb Software quer lançar a primeira parte do jogo em 2017 para o PC, sendo que o plano é que ele seja separado em duas partes, sem continuações ou qualquer tipo de conteúdo adicional.

Sundered

Thunder Lotus Games deu um excelente primeiro passo com o monumental e mitológico Jotun. E agora eles querem retornar com uma premissa, jogabilidade e história completamente novas, porém com o mesmo visual desenhado que se tornou uma assinatura do estúdio.

Diferente dos locais amplos e uma visão quase isométrica de Jotun, Sundered aborda a luta pela sobrevivência em lugar completamente desconhecido e um jogo 2D metroidvania repleto de inimigos para derrotar e obstáculos para ultrapassar. E mesmo com uma ideia diferente e ousada para o próximo jogo, eu tenho fé que a desenvolvedora fará um ótimo trabalho assim como fez com Jotun.

Agora com a Thunder Lotus Games trazendo Sundered para o Kickstarter, tudo deve correr como o esperado para vê-lo em ação neste Julho para PC e PS4.

Tooth and Tail

Sente falta de um RTS clássico como os saudosos Command & Conquer e Age of Empires? Então Tooth and Tail é exatamente o que você precisa para sentir aquele gostinho do nostálgico mas ainda ter experiências novas e interessantes.

Com uma vibe mais arcade, Tooth and Tail quer ser mais intuitivo do que os jogos tradicionais, podendo até jogar com um controle, algo raro de se ver no gênero. Tooth and Tail segue os arquétipos de um jogo de estratégia (adquirir recursos, construir estruturas, recrutar unidades e criar o seu pequeno exército para vencer o inimigo enquanto manuseia todos estes elementos ao mesmo tempo) e os facilita sem tirar o lado mais frenético da partida.

Seu visual também impressiona, remetendo ao estilo Hi-Bit, no qual a equipe da D-Pad Studio, criadores de Owlboy, cunhou ao mencionar jogos que abordam um pixel art extremamente detalhado. Tooth and Tail não tem uma data de lançamento confirmada, mas a sua descrição do Steam menciona que sairá “quando você menos esperar”. Enquanto isso você pode acompanhar o desenvolvimento no site oficial.

Night in the Woods

Um grande potencial e muita promessa formam as expectativas de Night in the Woods, jogo de aventura e exploração da Infinite Fall. Após um Kickstarter surpreendente, atingindo a meta de US$ 50 mil em 26 horas e finalizando com mais de US$ 200 mil, Night in the Woods finalmente está prestes a ser lançado.

Nele seguimos Mae Borowski, que retornou para a sua decadente cidade de mineração, Possum Springs. Lá ela retorna para a sua pacata e tediosa rotina, reencontrando amigos antigos, que mudaram desde a última vez que os viu, para o bem e para o mal, até que ela percebe como as coisas estão diferentes, seguindo um mistério na floresta em torno da cidade.

Night in the Woods esbanja charme e carisma, com protagonistas antropomórficos que parecem sair de um desenho da Cartoon Network, porém, existe um lado apreensivo sobre o que habita na floresta, conseguindo ser tão tenebroso quanto cativante. O lado bom é que não vamos esperar muito para poder joga-lo, com Night in the Woods saindo no dia 21 de fevereiro para PC e PS4.

Manifold Garden

É difícil criar expectativas em cima de uma pessoa que nunca fez um jogo na vida dela, porém, não tem como você não se impressionar com Manifold Garden, o primeiro projeto do artista William Chyr.

Poderíamos pensar que o certo seria Chyr, um artista que já teve suas instalações de arte em lugares como no Lawrence Arts Center, Telus Spark e High Concept Laboratories, colocar os pés na piscina de desenvolvimento de jogos com um projeto simples, mas é só olhar uma vez para Manifold Garden que você percebe que ele está preparando um salto ornamental nesta piscina.

Inspirado nas construções impossíveis de M.C. Escher, Manifold Garden apresenta o infinito padronizado em suas estruturas, onde o jogador terá que caminhar e resolver estes puzzles desafiadores de gravidade. O seu visual é complexo e fascinante, enquanto os puzzles quebram a sua mente, tendo que pensar, e muito, para chegar na solução.

Manifold Garden está em desenvolvimento desde 2012 e infelizmente ainda não tem uma data exata de lançamento, mas esperamos que saia ainda neste ano para PC e PS4.

Perception

Já dá para ter uma boa ideia de que teremos um jogo bem interessante no momento que desenvolvedores veteranos se unem para formar um estúdio. Neste caso temos a The Deep End Games, formado por produtores que trabalharam em jogos como Dead Space, Bioshock e Bioshock Infinite, e o seu jogo, Perception.

Logo de cara sua premissa já é mais interessante do que muita coisa vista por aí, com uma protagonista cega utilizando ecolocalização para andar pela misteriosa casa abandonada. Desta maneira o jogo consegue ter um visual interessante pela cor negra da cegueira aliado aos tons azuis do som que ajudam guiar a nossa heroína pelo recinto.

Perception utiliza o terror que há no desconhecido e aumenta para a décima potência, brincando com a percepção do jogador para te enganar e entregar uma realidade completamente diferente do que foi assumida. Infelizmente a The Deep End Games não liberou nenhuma informação relacionada ao lançamento, mas estamos na torcida (mais uma vez) que Perception apareça ainda neste ano para PC.

Old Man’s Journey

No meio de todo caos e frenesi que presenciamos no dia a dia, Old Man’s Journey é a alternativa perfeita para você ter uma experiência calma e contemplativa.

Não se sabe muito deste jogo, seu anúncio contém somente um teaser mostrando toda a beleza e carisma de um pequeno vilarejo acompanhado de uma música igualmente pacifica, enquanto a sua descrição só fala que ele é um jogo sobre a vida, perda e esperança.

Existe um certo receio nesses jogos que focam em uma experiência narrativa, sendo que temos tantos jogos bons quanto ruins na lista geral, mas até o momento eu fico do lado esperançoso que este jogo entregará exatamente o que quer, uma jornada simples porém extremamente tocante.

Tokyo 42

Tokyo 42 te coloca no controle de um assassino em uma versão futurista de Tokyo. Sua premissa pode ser até um pouco genérica, porém o que cativa mesmo é a sua arte e jogabilidade. Com uma visão isométrica você entra neste combate de mundo aberto em que a câmera é tão distanciada que dá para ver quase todo o mapa, se tornando mais um jogo de estratégia do que de combate direto.

E mesmo não sendo cinematográfico no sentido mais tradicional, Tokyo 42 consegue fazer parecer que estamos participando de uma cena de ação de um filme cyberpunk, com pessoas fugindo do tiroteio que você e seus inimigos desencadearam. Fortemente inspirado em GTA 1 e Syndicate, a desenvolvedora Smac une os dois para formar este jogo agitado e bastante complexo.

Rime

Rime talvez seja um dos jogos indies mais esperados do ano. Revelado em 2013 como um exclusivo do Playstation e agora tendo a sua segunda revelação como um título multiplataforma, incluindo até o Nintendo Switch na lista de consoles.

Com previsão para sair neste ano, Rime anda recebendo novos vídeos de gameplay apresentando as mecânicas básicas e o clima geral do jogo, se baseando fortemente em Shadow of the Colossus e Journey, com uma história sutil e um belo visual que alia ao mistério em torno desta ilha e do nosso protagonista, que acordou a beira do mar após uma forte tempestade.

Desenvolvido pela Tequila Works, de Daylight, Rime é um projeto ambicioso que está um bom tempo em produção e que finalmente estamos vendo mais dele, podendo ser um bom sinal para o seu lançamento.

Top 10 Arkade: Jogos Independentes para Ficar de Olho em 2017

E estes foram os nossos dez jogos independentes que estamos mais antecipando neste ano! Tem alguma sugestão? A gente deixou algum jogo de fora? Então fale para a gente nos comentários!

2 Respostas para “Top 10 Arkade: Jogos Independentes para Ficar de Olho em 2017”

  • 13 de janeiro de 2017 às 21:40 -

    Onigumo

  • Todos titulos que prometem, principalmente Rime visto que temos o novo zelda esse ano e eles meio que bebem da mesma fonte, a big N vai ter que caprichar se nao quiser fazer feio frente a um indie game

  • 17 de janeiro de 2017 às 13:31 -

    Robson R

  • matéria show! uma pena ultimamente o numero expressivo de “jogos” que prometem muito e não entregam nada, nos deixando com os dois pés atras dos indies e financiamentos coletivos…..

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *