Darksiders II Deathinitive Edition segue interessante no Nintendo Switch

20 de outubro de 2019
Autor: Junior Candido
Darksiders II Deathinitive Edition segue interessante no Nintendo Switch

O Nintendo Switch, o atual lar oficial dos remasters, encontrou na THQNordic uma ótima aliada. Após a chegada de Darksiders: Warmastered Edition, e Red Faction Guerrilla Remarstered, o console da Nintendo ganha mais uma adaptação de um remaster da empresa. Trata-se da segunda aventura de Darksiders.

É interessante ver que tanto THQNordic, quanto CD Projekt Red, Rockstar, e tantos outros, olham com este interesse para o Switch. Algo que não era muito pensado pelos donos do console, quando o mesmo foi lançado, com seu line-up tradicionalmente nintendista. Darksiders II Deathinitive Edition, de 2015, chegou prometendo melhorias, como visual e iluminação, e era, na ocasião, uma boa espera para quem esperava Darksiders III.

Darksiders II Deathinitive Edition segue interessante no Nintendo Switch

Agora, os donos do console híbrido da Nintendo poderão conhecer ou revisitar a vida de Death, que queria livrar seu irmão, War, das confusões do primeiro jogo, sem saber que ainda tinha mais bagunça pela frente, causados por uma entidade maligna que só quer destruição. Sim, Darksiders II ampliava o potencial da saga dos cavaleiros do Apocalipse.

O game é exatamente o mesmo, tanto da versão original, que chegou a ganhar versão para outro console da Nintendo, o Wii U, em 2012, quanto de seu remaster, lançado em 2015. Você controlará o Cavaleiro da Morte com seu par de foices, em meio a combates divertidos, com novas habilidades adquiridas durante a campanha. Além, claro, de viagens a bordo de seu cavalo, por castelos, masmorras e ruínas, que se mostram muito bonitas no Switch.

Darksiders II Deathinitive Edition segue interessante no Nintendo Switch

Em se tratando de Switch, o game também é uma boa opção para quem não tem outros consoles, e gosta de títulos como Uncharted e God of War. Ou mesmo já terminou Zelda e quer algo “parecido”. Não sendo 100% semelhantes, mas as influências destes games, presentes na aventura do Apocalipse, são um bom refresco para os usuários do console.

Isso significa que, além da pancadaria, há bons puzzles pelas masmorras, além de uma boa exploração. Os desenvolvedores fizeram o possível para encaixar tudo isso dentro do Switch. Há, como sabemos, alguns empecilhos nestes ports, que envolvem o tamanho do game (nem todo mundo tem ou pode ter cartões de memória de muito espaço e o Switch não é lá muito generoso quanto a isso), e resolução de tela. Além do modo portátil.

Darksiders II Deathinitive Edition segue interessante no Nintendo Switch

Mas, tudo o que tinha no remaster anterior, seguem presentes aqui. Iluminação, nitidez e gameplay lapidado, estão todos aqui. O jogo segue bonito no console, e para variar, a aventura fica ainda mais interessante no modo portátil. A tela menor, somado a resolução menor, faz do game uma experiência ainda melhor.

Mas, como não podemos deixar de esquecer, estamos jogando um game de sete anos de idade. O que traz com ele suas limitações. Os gameplays dos games evoluíram neste tempo, e jogar algo com tanta idade assim (no mundo dos games, claro) pode ser uma experiência estranha, ainda mais se você não costuma revisitar games antigos. A câmera nas explorações, por exemplo, segue sendo problema por causa da mecânica dura.

Darksiders II Deathinitive Edition segue interessante no Nintendo Switch

E, como quase todo remaster de Switch, vale lembrar que Darksiders II para o console vem com as três DLCs: Abyssal Forge, Argul’s Tomb e The Demon Lord Belial. Isso é bacana, pois oferece, além do game original, mais tempo de gameplay, que garantem cerca de 30 horas de jogatina, e desta vez, em qualquer lugar.

Darksiders ganhou nova vida no Switch. O game, que chamou muita atenção no passado, ganhou uma nova oportunidade para se apresentar para o Nintendista, que “pulou” a série em tempos passados, e também para trazer a jogadores veteranos, a chance de viver as aventuras novamente, desta vez, na fila do dentista. Para fãs da série, fãs de jogos de combate, fãs de jogos de exploração e fãs de temas do Apocalipse, o game segue sendo uma ótima recomendação.

Deixar um comentário (ver regras)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *